Website de Mônica Yamagawa

HISTÓRIA DO

CENTRO DE SÃO PAULO

livros sobre o centro de são paulo publicados entre os anos de 1991 e 2000

atualizado em: 18 de outubro de 2017

 

home > centro de são paulo > biblioteca online > LIVROS: 1991 a 2000

Abaixo, indicações de livros sobre o Centro de São Paulo, publicados entre os anos de 1991 e 2000.

 

   

CENTRO DE SÃO PAULO

RAMOS DE AZEVEDO

Maria Cristina Wolff de Carvalho
Edusp
2000

Este livro apresenta o arquiteto Ramos de Azevedo (1851-1928) como principal protagonista do assim chamado estilo eclético, dominante na arquitetura, não só brasileira, mas também internacional , durante toda a segunda metade do século XIX. A autora retira, ao longo de sua análise, o incômodo estigma que hoje oblitera esse conceito, resgatando seu sentido originário, isto é, de prática arquitetônica eminentemente voltada para questões de modernização e racionalização do novo espaço público e privado impulsionada pela lógica da nascente sociedade industrial...[+]

Edição usada disponível na
Estante Virtual

 


Escultura brasileira da Pinacoteca ao Jardim da Luz

Agnaldo Farias
Pinacoteca do Estado
2000

Fotografias e informações sobre o projeto e aas esculturas a Pinacoteca do Estado expostas no Jardim da Luz...[+]

Edição usada disponível nos sebos da
Estante Virtual

 


São Paulo por dentro: um guia panorâmico de arquitetura

Carlos Perrone
Senac SP
2000

Retrato de espaços urbanos que se faz acompanhar por um texto repassado de sentido histórico e humanismo, este livro ensina a ver São Paulo por um ângulo privilegiado. Mostra os encantos da cidade e ao mesmo tempo incentiva o leitor a descobrir mais requintes e tesouros disponíveis...[+]

 


Disponível para
pré-visualização parcial no Google Books

 

As prisões em São Paulo: 1822-1940

Fernando Salla
Annablume
1999

O livro de Fernando Salla é reflexo e extensão da sobriedade e despojamento, que têm marcado sua brilhante carreira de pesquisador senior, agora no Núcleo de Estudos da Violência, da USP, e professor. Em nenhum momento do texto a sistemática revelação das persistentes continuidades do arbítrio no Brasil faz perder o tom de precisão e objetividade, sem resvalar para o simplismo do protesto. Seu trabalho é instrumento implacável para a desmontagem do pensamento carcerário autoritário que persiste depois da Abolição e do final da opressão da Monarquia. Inquietantes são suas indicações de que quinze anos depois da transição da ditadura militar os governos democráticos em São Paulo (e no Brasil) ainda não conseguiram implementar uma política carcerária imune ao racismo, ao arbítrio e ao desrespeito dos direitos do cidadão...[+]

 



No tempo de dantes

Maria Paes de Barros
Paz e Terra
1998

Com uma narrativa leve e agradável, Maria Paes de Barros remete ao leitor os aromas e situações cotidianas vividas por ela quando menina no início do século passado, em São Paulo. O livro permite ao leitor conhecer mais sobre as características e ambiguidades da elite brasileira daquele tempo. Através de ilustrações e fotos de época, No tempo de Dantes mostra os costumes de uma São Paulo provinciana, com apenas 20 mil habitantes, que começava a se modificar e a provocar mudanças sociais intensas com a chegada do progresso...[+]

 



São Paulo em revista

Heloisa de Faria Cruz
Imesp
1997

Trata-se de um catálogo de publicações da imprensa mais voltada para a área cultural e de variedades na cidade de São Paulo, entre 1870 e 1930. É um instrumento de pesquisa que reúne dados de uma gama extremamente variada de publicações periódicas, literárias, noticiosas, recreativas, comerciais, humorísticas - e sempre muito críticas...[+]

Edição usada disponível nos sebos da
Estante Virtual

 


História da Cidade de São Paulo Através de Suas Ruas

Antônio Rodrigues Porto
Carthago
1996

A finalidade principal desta obra é divulgar fatos da história da cidade de São Paulo, através de uma síntese da vida paulistana em período superior a quatro séculos, chegando até os dias atuais. O autor retrata os costumes do povo, a sua religiosidade e os grandes acontecimentos locais. Tudo isso através da história dos logradouros públicos da cidade...[+]

Edição usada disponível na
Estante Virtual

 



Memórias e Sociedade: lembranças de velhos

Ecléa Bosi
Companhia das Letras
1994

Ensaio polifônico sobre a memória e suas relações com a vida dos imigrantes e operários da cidade de São Paulo, elaborado a partir de depoimentos de pessoas idosas - de "lembranças de velhos". Uma fonte preciosa de ensinamentos sobre o mundo do trabalho no Brasil. "A história social de São Paulo saltou léguas com esse mergulho magistral, na melhor tradição de empregar o instrumental da psicologia social na direção da história social. O livro é um manancial de ensinamentos sobre a participação política e o mundo do trabalho no Brasil. O dia-a-dia dos imigrantes, dos operários e dos trabalhadores domésticos desponta sob um realismo penetrante." Paulo Sérgio Pinheiro "É curioso como a fala de pessoas simples que nunca escreveram, nunca tiveram a pretensão de ser autores tenha tal capacidade de comunicar e até de empolgar. Transcritas suas memórias, elas transmitem a mesma sensação de vitalidade aos seus bem-aventurados leitores." Franscico Iglésias "Um admirável estudo sobre a memória, partindo de Lembranças de velhos . Acho que a autora inaugurou a sociologia da emoção: seu livro tem momentos de pura poesia, e todo ele é de uma rara sensibilidade em relação aos seres humanos sobre os quais se debruça." Flávio Rangel "Estou lendo com extremo interesse Memória e sociedade , que me toca por muitas razões, a principal delas é que o tema envolve para mim uma carga enorme de poesia. Obrigado pela sensação forte que o seu livro admirável vem me proporcionando!" - Carlos Drummond de Andrade...[+]

 


download gratuito

Revitalização de Centros Urbanos

José Greraldo Simões Jr.
Polis
1994

Esta publicação se propõe a resgatar um pouco da história das políticas de revalorização de centros urbanos no Brasil, dando maior destaque aos fatos que ocorreram na primeira metade da década de 1990 – sobretudo em São Paulo – e faz um balanço crítico da forma como as administrações municipais vêm conduzindo essa questão...[+]

 




Ramos de Azevedo e Seu Escritório

Carlos A. C. Lemos
Pini
1993

Ramos não só trouxe os recentes estilos ecléticos compromissados com atualidades técnicas, como também novos programas advindos de outras maneiras de morar à moda europeia, ou melhor, francesa, de distribuir os cômodos dentro de etiqueta diversa da nossa. (...) Sem dúvida, Ramos de Azevedo foi o agente cultural que mostrou aos patrícios a nova ordem, a outra concepção de vida moderna dentro de novo invólucro arquitetônico. Quis varrer das cidades a melancólica fisionomia caipira decorrente da taipa de pilão...[+]

Edição usada disponível nos sebos da
Estante Virtual

 

A São Paulo de Edmund Pink

José Mindlin
Nicolau Sevcenko
DBA
2000

A Bolsa de Valores de São Paulo tem especial interesse nos assuntos relacionados à cultura e à arte da cidade de São Paulo, buscando valorizá-las, divulgá-las na sociedade, também como forma de homenagear a metrópole na qual está sediada...[+]

 


Paisagens paulistanas: transformações do espaço público

Antonio A. Arantes
Unicamp / Imesp
2000

Textos e imagens que revisitam São Paulo na década de 50 e relembram o IV Centenário. Transitam pela retomada do centro como lugar de manifestação política e cultural na década de 80. Situam-se perante os habitantes das ruas e os projetos contemporâneos de segurança e revitalização. Ao refletir sobre as transformações do espaço público nos últimos 50 anos, este livro trata da formação de espaços sitiados na megalópole, valorizando a importância tática dos lugares e a dimensão regeneradora da civilidade...[+]

Edição usada disponível nos sebos da
Estante Virtual

 


Arte Urbana: São Paulo, região central (1945-1998) : obras caráter temporário e permamente

Vera Maria Pallamin
Annablume
2000

Arte urbana, de Vera Pallamin, está organizado em texto e CD. O texto trata da conceituação sobre arte urbana e processos de estetização contemporâneos, sintetizando uma reflexão sobre práticas artísticas e suas relações com as transformações qualitativas dos espaços públicos. O CD, que porta propriamente o conteúdo intitulado deste trabalho, foi concebido de modo a propiciar o cruzamento de três eixos referenciais: referências urbanas, referências artísticas e autores/obras... [+]

 


ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS - 90 ANOS

Carlos Eduardo Novaes
Imesp
1999

A edição do dia 27 de novembro de 1909 do tradicional Correio Paulistano noticiou - 'Inaugura-se hoje a Academia Paulista de Letras'. O livro, planejado para comemorar os 90 anos da entidade, apresenta um poema, 'Canto de Amor à Academia', de Paulo Bomfim, ensaio de Myriam Ellis, 'Gênese e Renascimento da Academia Paulista de Letras', um 'Panorama Histórico-Cultural da Academia Paulista de Letras', de Célio Debes, e 'Tesouros do Arquivo da Academia Paulista de Letras', com reprodução de cartas e documentos importantes da história acadêmica...[+]

 


Dos Degraus À História da Cidade: imagens e construção

Gal Oppido
São paulo Imagem
1998

Captar São Paulo a partir de detalhes que resistem ao tempo e marcam com permanência sua história, é o objetivo deste livro, que descobre novos ângulos de degraus conhecidos e tira do anonimato ladeiras e degraus que se dissolveram servindo ao frenético desenvolvimento da cidade. Como as escadarias do Muncipal, Museu do Ipiranga e Pinacoteca do Estado, que convivem com as ladeiras Porto Geral, General Carneiro, Ouvidor, Memória de Santo Amaro, e até as galerias do centro. Algumas escadas centenárias estão hoje fechadas como as do Beco do Pinto, ao lado do Solar da Marquesa, no centro, ou extintas como a do Açu, na avenida São João, ou a do Carmo, que hoje é a Rangel Pestana...[+]

Edição usada disponível nos sebos da
Estante Virtual

 


Memórias da Imigração - Libaneses e Sírios Em São Paulo

Lina Saigh Maluf
Betty Loeb Greiber
Discurso
1998

A obra, em suas 772 páginas, reúne depoimentos de 69 (37 homens e 32 mulheres) imigrantes do Líbano e da Síria e descendentes, colhidos a partir de 1981. Resgata, ainda, a experiência de vida dos entrevistados, aspectos econômicos, sociais e políticos do Brasil e do Oriente Médio -no contexto do Império Otomano e da independência desses dois países- e a São Paulo do início deste século...[+] 

Edição usada disponível na
Estante Virtual

 


Arquitetura, Bens Históricos, Praças e Parques no Centro de São Paulo

Wladimir Catanzaro
Caixa Econômica Federal
1998

Catálogo da exposição realizada na Caixa Cultural em 1998...[+]

Edição usada disponível nos sebos da
Estante Virtual

 


Disponível para ré-visualização parcial no Google Books

 

Nem tudo era italiano: São Paulo e pobreza, 1890-1915

Carlos José Ferreira dos Santos
Annablume
1998

Em meio a discursos, códigos de postura, representações e imagens que projetavam São Paulo como a metrópole que mais crescia no Brasil, síntese do progresso e do desenvolvimento de uma cultura urbano-fabril, Carlos José construiu tabelas e quadros estatísticos a partir de relatórios governamentais, censos demográficos e estudos sobre a população de São Paulo entre os anos 1890 e 1915, trazendo à tona proporções de seus habitantes que então viviam, trabalhavam e experimentavam a pobreza, a exclusão e o reverso daquela metropolização. Pelo minucioso e criterioso cruzamento desses dados com fotografias, crônicas e reminiscências sobre os viveres na cidade símbolo do trabalho organizado, qualificou seus quadros estatísticos, reconstituindo territórios esquecidos, práticas de sobrevivência e de confrontos culturais, pluralizando as experiências que sustentavam as metáforas do progresso quando nem tudo era italiano, prosperidade e coesão...[+]

Edição usada disponível nos sebos da
Estante Virtual

 


Médicos Italianos em São Paulo (1890-1930) Um Projeto de Ascensão Social

Maria do Rosário R. Salles
Sumaré
1997

O livro é resultado de pesquisas da autora, onde o enfoque é a experiência de médicos italianos na corrente imigratória, especialmente os que se fixaram em São Paulo, capital e interior, entre 1890 e 1930. O objetivo é ressaltar a experiência socioprofissional dos médicos italianos em São Paulo enquanto grupo particular de imigrantes, tendo como pano de fundo a constituição da profissão médica no estado, no contexto do desenvolvimento urbano paulista do período, num momento particularmente decisivo para a medicina e a pesquisa científica no Brasil...[+]

 


Fotografia e Cidade: da razão urbana à lógica de consumo - álbuns de São Paulo (1887-1954)

Solange Ferraz de Lima
Vânia Carneiro de Carvalho
Mercado de Letras
1997

O presente livro analisa as relações entre imagem e sociedade a partir de núcleos documentais constituídos por álbuns fotográficos relativos à cidade de São Paulo, divulgados entre 1887 e 1954. As balizas para o levantamento foram a produção fotográfica de Militão Augusto de Azevedo em 1887 e as comemorações do IV Centenário de Fundação da Cidade de São Paulo em 1954. A produção desse período reúne um conjunto de 1.664 fotografias...[+]

 


A dinâmica dos nomes na cidade de São Paulo - 1554 - 1897

Maria Vicentina de Paula do Amaral Dick
Annablume
1996

Este livro traz a história da cidade de São Paulo vista pelos nomes de seus logradouros. Amparada por uma vasta pesquisa que resultou na sua tese de livre-docência, a autora mostra como se efetuou a denominação dos acidentes naturais e culturais de São Paulo dos Quinhentos aos Oitocentos, proporcionando contribuições importantes e originais também a pesquisadores de áreas como História e Ciências Sociais...[+]

 




A "Pátria Paulista": o separatismo como resposta à crise final do império brasileiro

Cássia Chrispiniano Adduci
Arquivo do Estado / Imesp
2000

Quando o Brasil liquidou a escravidão e se encaminhou para o regime republicano, no final do século 19, desenvolveu-se em São Paulo um movimento separatista de larga repercussão, embora minimamente estruturado. A autora apresenta e explica os debates então travados, os argumentos utilizados pelos defensores da idéia da pátria paulista...[+]

 


Villa Kyrial: crônica da Belle Époque paulistana

Marcia Camargos
Senac
2000

Para retratar a sociedade paulistana espelhada na França, a 'Belle Époque' , a autora toma como referência a Villa Kyrial. Reunindo documentação iconográfica - composta de fotografias, caricaturas e impressos da Villa Kyrial, como cardápios, partituras e programas dos saraus musicais - o livro procura retirar do esquecimento esse episódio da história da cidade...[+]

 




Madame Pommery

Hilário Tácito
Unicamp
Fundação Casa de Rui Barbosa
1997

A crônica da cafetina Pommery pode ser lida como uma história do progresso da cidade de São Paulo — quem sugere a ponte é o próprio autor. O livro retrata o aburguesamento de São Paulo sua conversão em metrópole cosmopolita totalmente dominada pelo valor de troca...[+]

 


Estação Júlio Prestes

Vário Autores
Prêmio
1997

Edição usada disponível nos sebos da
Estante Virtual

 


Alem dos Mapas - os Monumentos no Imaginario Urbano Contemporaneo

Cristina Freire
Annablume
1997

Com este livro, Cristina Freire contribui para desvendar o quanto da cidade está em nós e o quanto de nós perde-se na pátina que vai se depositando nas paredes dos prédios, na imperceptível maceração que os nossos passos impõem nas calçadas de pedras. Seu objeto de estudo é a análise de dois monumentos da cidade de São Paulo, o monumento a Ramos de Azevedo e o prédio do monumento MASP. Utilizando-os como exemplo, ela lança sobre esta malha geométrica e previsível do traçado urbano uma outra malha cujo desenho plasma-se em ruas, prédios e monumentos, que guardam dentro de si a lembrança de um tempo anterior e que são capazes de alimentar a memória da percepção...[+]

 


Monumento a Ramos de Azevedo: do Concurso ao Exílio

Annateresa Fabris
Mercado de Letras
1997

O que motiva a criação de um monumento? Seus significados originários têm condições de permanecer no tempo? A partir destas e de outras interrogações, esta obra traça a história de um símbolo da mentalidade progressista de São Paulo nas décadas de 1920 e 1930, rapidamente convertido em antítese daquela mesma mentalidade e, por isso mesmo, transplantado para um outro local da cidade. As vicissitudes do monumento são analisadas em suas várias etapas: concurso, recepção crítico-ideológica, transtorno causado por sua presença numa artéria central da cidade, remoção e desfuncionalização num contexto diferente do originário...[+]

 


Disponível para ré-visualização parcial no Google Books

 

Na metrópole: textos de antropologia urbana

José Guilherme Cantor Magnani
Lilian de Lucca Torres
Edusp
1996

Os ensaios reunidos neste livro descrevem e analisam aspectos da dinâmica cultural urbana de São Paulo, articulados em torno do lazer e da religião como modos de apropriação e recriação do espaço urbano. A antropologia urbana mostra-se como instrumento capaz de tornar estranho o familiar, permitindo, por meio do distanciamento, uma compreensão mais ampla do que é habitual. O texto de abertura, de José Guilherme Magnani analisa a trajetória dos estudos de antropologia urbana, seus problemas e possibilidades de enfoque. Os demais ensaios mostram uma São Paulo por vezes desconhecida, como aquela dos terreiros de umbanda, dos times de futebol, dos nordestinos, dos cinéfilos, dos bares noturnos. O livro é, assim, um convite para redescobrir uma outra riqueza da cidade, oculta sob a rotina do cotidiano...[+]

 



Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX

Maria Odila Leite Da Silva Dias
Brasiliense
1995

Há obras que mostram a sala de visitas da História, os móveis de estilo e um belo arranjo para ser visto. Mas há pesquisas que vão ao fundo da sala, às cozinhas e às oficinas, que esgaravatam os terrenos baldios onde se lançam os detritos. O tema deste livro é o conflito para sobreviver de mulheres que vivem nas fímbrias do sistema, que se instalam nas frestas sociais, à margem do trabalho significante. Essas vendedoras de tabuleiros, lavadeiras de rios e chafarizes têm a astúcia de camaleão, dos pequenos bichos que não pretendem vencer, mas apenas defender-se da morte. Estas páginas nos conduzem à situação da mulher que trabalha - ontem, hoje? - e, ainda mais, à situação de todos que sobrevivem num mundo adverso, na aventurosa e lúdica existência dos caçadores furtivos do quotidiano...[+]

 



São Paulo e outras Cidades: produção social e degradação dos espaços urbanos

Nestor Goulart Reis Filho
Hucitec
1994

Em São Paulo as mudanças são tão rápidas, que um edifício de l O ou l S anos é considerado velho, seja pelas mudanças culturais, seja pela devastação sofrida. Os recém-chegados e os nascidos a partir de 1960, que viveram apenas as últimas décadas em São Paulo, não podem imaginar o que era a cidade em um passado relativamente recente, de l 920 a I 960, quando passou de cerca de 500 mil para 4 milhões de habitantes. Nem imaginam o que foram Santos e Guarujá nos anos 30 e 40, ou Campinas e Ribeirão Preto na mesma época. Não podem saber que algumas cidades já foram melhores e muitos de seus espaços se degradaram com o crescimento econômico e o crescimento brutal de sua população. Mas há meios práticos para se recuperar informações, que levem a esses juízos de valor. É sobretudo pelos edifícios que podemos compreender a cidade. Os estudos de História Urbana ligam-se diretamente aos de História da Arquitetura. Mas os conceitos de Arquitetura, de Urbanismo e de Patrimônio Cultural variam com o tempo. Até por volta de l 950, os conceitos de Arquitetura e de Patrimônio Cultural abrangiam apenas as obras de caráter monumental, relacionadas com os espaços utilizados pelos grupos sociais de renda mais alta. A partir daquela época começaram a aparecer os primeiros livros e ensaios', nos quais as casas dos homens comuns eram consideradas objetos dignos de estudo, com o mesmo empenho e seriedade com que anteriormente se faziam pesquisas sobre as igrejas barrocas, os edifícios públicos, os grandes sobrados urbanos, as casas grandes dos engenhos e as fazendas de café. Essa mudança tinha raizes em duas linhas de pensamento diversas. A primeira tinha motivação política e visava estabelecer uma visão igualitária e mais democrática da arquitetura e das cidades. A outra tinha motivação técnica. Procurava compreender os espaços urbanos como conjuntos, nos quais a preservação de uns poucos edifícios isolados não seria suficiente para manter seu caráter específico. Em cidades como Ouro Preto, seria necessário preservar o conjunto. Essa nova tendência procurou preservar amostras das senzalas, tanto quanto as casas grandes; as pequenas capelas, tanto quanto as ricas igrejas e conventos e as casas modestas, tanto quanto os palácios...[+]

Edição usada disponível nos sebos da
Estante Virtual

 


Teatro Municipal de São Paulo: grandes momentos

Ignacio de Loyola Brandão 
Alexandre Dorea Ribeiro
DBA
1993

Este livro apresenta os seguintes capítulos - 'O teatro'; 'Ópera'; 'Dança'; 'Teatro'; 'Música'; 'O teatro devolvido'.

 


Cabrião: semanário humorístico editado por Ângelo Agostini, Américo de Campos e Antônio Manoel dos Reis, 1866-1867

Délio Freire dos Santos
Unesp
2000

O Cabrião foi o mais conhecido periódico humorístico de caricatura publicado, em São Paulo, durante o Império. Editado por um dos maiores precursores da caricatura e da ilustração da época, Ângelo Agostini junto com dois grandes jornalistas, Américo de Campos e Antônio Manoel dos Reis, o Cabrião circulou somente durante um ano. Esta edição oferece um divertido retrato político, social e eclesiástico daquela época...[+]

 


Imagens do passado A instituição do patrimônio em São Paulo 1969 - 1987

Marly Rodrigues
Unesp
2000

Imagens do passado é uma investigação sobre as formas de relação entre a sociedade paulista e seu próprio passado. Nesse quadro Marly Rodrigues situa a ação do poder público exercida através de um órgão constituído para proteger o patrimônio paulista, o Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico — Condephaat. Detendo-se na análise da atuação do Condephaat para a constituição do patrimônio histórico-arquitetônico no Estado de São Paulo, a autora toma o passado das sociedades como uma construção simbólica que se realiza nos limites das condições históricas do presente. Nessas estão, entre outros fatores, as políticas públicas de cultura e as possibilidades dos segmentos sociais incluírem testemunhos de sua cultura particular no amplo e complexo universo da memória social. ....[+]

 


Documentos manuscritos avulsos da Capitania de São Paulo - Catálogo 1 (1644-1830)

José Jobson de Andrade Arruda
(coordenação)
EDUSC
Imesp / Fapesp
2000

Este catálogo é um dos primeiros frutos saborosos do ambicioso Projeto Resgate, que está trazendo para o Brasil cópias e reproduções de documentos da nossa História guardados em arquivos estrangeiros - sobretudo Portugal, Espanha, Holanda, França e Inglaterra. É o primeiro volume, de uma série programada de três, sobre o período colonial na Capitania de São Paulo. Contém os verbetes ainda inéditos, relativos a 1.383 documentos e seus índices. Além dos verbetes, foi enriquecido com reproduções coloridas da documentação iconográfica e cartográfica, índices e anexos variados. Completa-se com a listagem dos capitães-mores da Capitania e artigos sobre a metodologia de trabalho adotada...[+]

 



Nos bares da vida: produção cultural e sociabilidade em São Paulo, 1940-1950

Lúcia Helena Gama
Senac SP
1998

Uma saborosa reconstituição da vida paulistana, através das vozes de alguns importantes atores desses anos intensos e renovadores. A autora, a partir de depoimentos atuais, coloca-se como uma personagem, que percorre os locais mais freqüentados pelos escritores e artistas da época - bares, cafés, confeitarias, restaurantes -, criando diálogos hipotéticos e fixando, com rigor e sensibilidade, os traços marcantes dessa ambiência intelectual...[+]

 


Esculturas no Espaço Público em São Paulo

Miriam Escobar
CPA – Consultoria de Projetos e Artes
1998

São Paulo vista através de seus caminhos e os lugares por onde eles passam. Foi assim que a arquiteta Miriam Escobar organizou este seu trabalho em que as esculturas estão dispostas por esses lugares e como que olhando quem passa. Uma referência de coisa viva onde caminho, lugar e escultura afirmam o espaço dos homens como sendo mais do que um fluxo onde não há tempo a perder ou uma operação mecânica a se realizar. Cada objeto anotado fala do que se homenageia e, mais que isto, marca com a sua presença um sentido possível a ser assumido por quem passa e nota.  A experiência transmitida vem dos tempos de criança, de andanças primeiras por esta cidade que muda tanto. Traz o envolvimento e a sedução de olhos encantados que tudo registram. Vem daí a satisfação imensa que estes registros fotografados provocam. É um olhar de afetividades profundas que procura tudo mostrar, mas que não interfere em nada. É a cidade sempre presente pelos gradis de proteção, pelos carros, pelas gramas e plantas do jardim. As localizações em plantas gráficas vão informando onde se...[+]  

Edição usada disponível na
Estante Virtual

 


ARQUITETURA DO FERRO E ARQUITETURA FERROVIARIA EM SÃO PAULO

Beatriz M. Kuhl
Atelie
1998

O livro trata da preservação da arquitetura do ferro em São Paulo, sendo ivestigadas, a título de exemplo, estações de um trecho de linha ferroviária. O livro traz ainda a história da arquitetura do ferro, a fabricação de edifícios para exportação pelos países industrializados e seu emprego no Brasil, as teorias de preservação e as técnicas de restauração de construções metálicas...[+]

 


Negócios e Ócios
História da Imigração

Boris Fausto
Companhia das Letras
1997

Incursionando pela primeira vez no memorialismo, em 'Negócios e ócios' o historiador e cientista político Boris Fausto recria a história de sua própria família, que, como tantas outras, aportou nas Américas durante as primeiras décadas do século em busca de melhores condições de vida. Ao focalizar seu núcleo familiar, de extração judaica, Boris Fausto procura homenagear todas as famílias de imigrantes que refundaram suas raízes na cidade de São Paulo...[+]

 


SAUDADES DE SAO PAULO

Claude Levy-Strauss
Companhia das Letras
1996

Uma cidade em que o gado convivia com carros e bondes nas ruas; em que construções moderníssimas despontavam no topo de colinas ainda rústicas; em que lençóis caseiros, pendurados nos varais, formavam o primeiro plano para o imponente prédio Martinelli. Essa a paisagem que Claude Lévi-Strauss, então um jovem professor e fotógrafo nas horas vagas, encontrou e registrou fascinado entre 1935 e 1937, quando veio trabalhar na Universidade de São Paulo. Sessenta anos mais tarde, ciente de que uma cidade é 'como um texto que, para compreender, é preciso saber ler e analisar', o antropólogo escreveu um depoimento em que revisita essas imagens...[+]

 


SAO PAULO: ESPAÇOS PUBLICOS E INTERAÇAO SOCIAL

Heitor Frugoli Jr.
Marco Zero
1995

De um lado, as classes populares e suas estratégias de lazer e ocupação dos espaços públicos, criando diferentes "culturas de ruas". De outro, as classes médias e as elites enclausurando-se cada vez mais em espaços privatizados. A interação entre esses grupos na sua cidade "comum" é o que este livro analisa de forma provocativa e, nem por isso, menos rigorosa...[+] 

Edição usada disponível na Estante Virtual

 







home      moyarte      não-diário      contato