Biblioteca Online sobre o Centro de São Paulo: Iconografia - fotografias e pinturas do Centro de São Paulo

Website de Mônica Yamagawa

ICONOGRAFIA

livros sobre fotografias e pinturas do centro de são paulo

atualizado em: 27 de setembro de 2017

 

home > centro de são paulo > biblioteca online > ICONOGRAFIA

Abaixo, indicações de livros sobre a iconografia, imagens (fotografias e pinturas) do Centro de São Paulo.

 

[+] Livros sobre o Centro de São Paulo (data de publicação)

 

CENTRO DE SÃO PAULO

FOTOLABOR - A FOTOGRAFIA DE WERNER HABERKORN

FOTOLABOR - A FOTOGRAFIA DE WERNER HABERKORN

Vários Autores
Espaço Líquido
2014

'A fotolabor' teve destaque nos anos 1950 atuando com uma das maiores produtoras de cartões postais fotográficos em São Paulo...[+]

 


Memória Paulistana

Carlos Augusto Calil
IMESP
2011

Livro inclui fotografias de nomes importantes da época, como Militão Augusto de Azevedo, e anônimos que fizeram registros precisos e marcantes. A coordenação da obra é de Carlos Augusto Calil, secretário de cultura da cidade de São Paulo...[+]

 


ARQUIVO HISTORICO DE SAO PAULO

Eudes Campos
Imesp
2011

Seleção de manuscritos, mapas, plantas, desenhos técnicos e fotografias, escolhidos dentre os mais de 4 milhões de itens pertencentes ao acervo do 'Arquivo Histórico de São Paulo', este livro busca compor um mosaico da história da cidade e ressalta a importância da conservação deste patrimônio diante dos desafios de compreensão do seu futuro...[+]

 


São Paulo por dentro: um guia panorâmico de arquitetura

Carlos Perrone
Senac SP
2000

Retrato de espaços urbanos que se faz acompanhar por um texto repassado de sentido histórico e humanismo, este livro ensina a ver São Paulo por um ângulo privilegiado. Mostra os encantos da cidade e ao mesmo tempo incentiva o leitor a descobrir mais requintes e tesouros disponíveis...[+]

 


CADERNOS DE FOTOGRAFIA BRASILEIRA SAO PAULO 450

IMS
2004

Como uma espécie de catálogo da mostra 'São Paulo, 450 anos - A Imagem e a Memória da Cidade no Acervo do Instituto Moreira Salles', os 'Cadernos de Fotografia Brasileira', trazem além de ampla documentação visual - com as mais antigas fotos que se conhece da capital paulista, feitas por Militão Augusto de Azevedo, textos assinados por especialistas na história e formação da capital paulista e da fotografia brasileira. A edição também inclui uma cronologia ilustrada dos principais acontecimentos que marcaram a vida de São Paulo...[+] 

Edição usada disponível na
Estante Virtual

 


Patrimônio Cultural Paulista
CONDEPHAAT
Bens Tombados
1968 - 1998

Edna Hiroe Miguita Kamide
Terza Cristina Rodrigues Epitácio Pereira
Imesp. 1998

Informações sobre os bens tombados pelo CONDEPHAAT até o ano de 1998...[+]

Edição usada disponível na
Estante Virtual

 


Fotografia e cidade: da razão urbana à lógica de consumo : álbuns de São Paulo, 1887-1954

Solange Ferraz de Lima
Vânia Carneiro de Carvalho
Mercado de Letras
1997

O número de pesquisas históricas que têm feito uso de fontes iconográficas é crescente no Brasil, delineando um novo campo de abordagem que pode ser denominado de História Visual. Neste livro, as autoras analisam dois momentos de inflexão na história social da cidade de São Paulo a partir dos conteúdos formais e temáticos de mais de 1500 fotografias produzidas entre 1887 e 1954, divulgadas na forma de álbuns impressos e originais...[+]

Edição usada disponível na
Estante Virtual

 


SAO PAULO - A JUVENTUDE DO CENTRO

Pedro Cavalcanti
Luciano Delion
Conex
2005

Cidades são feitas de vidas humanas e de cimento armado. Evocar o centro de São Paulo nos anos de sua juventude significa trazer de volta não apenas o traçado esquecido de suas ruas e edifícios, como também a trajetória dos homens e mulheres que lá viveram, sonharam e trabalharam. Este livro trata de arquitetos e construtores, e também de revolucionários e administradores, banqueiros e industriais, jornalistas, pintores e poetas, célebres ou modestos, e das marcas materiais e imateriais que deixaram no corpo e na alma da cidade. O período coberto pelo livro, da Proclamação da República ao Quarto Centenário, foi escolhido por representar o que se poderia chamar de juventude do centro, época do apogeu de sua beleza e de seu prestígio...[+]

 


São Paulo de Piratininga: de pouso de tropas a metrópole

Jose Alfredo Vigidal Pontes
O Estado de S. Paulo
Terceiro Nome
2003

As fotos deste livro foram encontrados em meados de 2000, durante uma reforma no Centro de Documentação e Informação do jornal O Estado de S. Paulo, quando um grande volume empacotado com papelão grosso e certamente fechados à décadas foi aberto, revelando seis álbuns encardenados com mais de setessentas fotos de São Paulo entre os anos de 1860 e 1930. justamente a fase de transição de uma acanhada cidade para a metrópole que hoje conhecemos. Nos anos de 1860 chegavam a São Paulo os trilhos da São Paulo Railway, a ferrovia projetada para ligar as áreas produtoras de café ao porto de Santos. Até então, o silêncio da pacata capital provincial era quebrado principalmente pela algazarra dos estudantes da Academia de Direito ou pelo som dos cascos das tropas de mula que iam e vinham do litoral. A partir deste momento, a cidade, com pouco mais de 25 mil habitantes, inicia irreversivelmente o processo que a tranformaria em uma das maiores metrópoles do planeta. No ínicio do século XX foi inaugurada a primeira hidrelétrica da região da capital, fornecendo energia regularmente para os novos bondes elétricos, as residencias e os estabelecimentos comerciais e industriais. O emprego de trabalhadores assalariados nas lavouras de café estimulava a formação do mercado interno, propiciando a instalação de fábricas nas várzeas do Tamanduateí e do Tietê, acompanhando os trilhos das ferrovias. Assim a cidade se modernizava. Este livro retrata, assim, a metamorfose de um pouso de tropas em metrópole, começando pelo centro histórico, saltando depois para o Vale do Anhangabaú, a Luz, a Liberdade, a Glória, o Brás, os Campos Elísios, o Bom Retiro e outros arredores, permitindo que se caminhe pelo passado e se compreenda melhor a cidade...[+]

 

CAPITAL - SAO PAULO E SEU PATRIMONIO ARQUITETONICO

Juan Esteves
Antonio Carlos Abdalla
Imesp
2013

'A Secretaria de Estado da cultura de São Paulo tem imensa satisfação em apoiar a reedição do livro 'Capital - São Paulo e seu patrimônio arquitetônico, de Juan Esteves. Com curadoria de Antonio Carlos Abdalla, o conjunto de fotografias selecionadas oferece um amplo panorama da diversidade de edifícios de distintas naturezas que marcaram a capital paulista ao longo de sua história, especialmente os últimos 100 anos. Colocado em evidência no magistral registro de Juan Esteves, o patrimônio arqutetônico paulistano pode aqui ser apreciado nos detalhes que acabam por ficar invisíveis em meio à agitação cotidiana da metrópole. Ao dar merecida visibilidade aos edifícios retratados, esta publicação ajuda a sensibilizar para a necessidade de preservação desseo...[+]

 


Desenhando São Paulo: mapas e literatura, 1877-1954

Maria Lúcia Perrone de Faro Passos, Teresa Emídio
Senac / Imesp
2009

Por vezes a história descansa nas entranhas dos arquivos, públicos ou cativos, e é preciso passos leves, lentos, para que ela se desperte sem perder os sentidos, e não se atrapalhe com as datas e eventos de que está prenhe. É disso que trata essa obra - de mapas que guardam a história que se desdobra lentamente pelas páginas deste livro. E não é qualquer história, mas aquela em que muitos têm vivido, como personagens, diretores, contra-regras, executores, enfim uma massa de construtores de um destino comum, feito a muitas mãos e múltiplas nacionalidades...[+]

 


BONDE - SAUDOSO PAULISTANO

Fernando Portela
Tereceiro Nome
2006

O livro conta a história dos bondes em São Paulo desde os tempos em que eles eram puxados por burros até 1968, quando o último bonde, o da linha Santo Amaro, foi aposentado. A pesquisa iniciada pela Fundação do Patrimônio Histórico de São Paulo foi complementada principalmente com fotos dos acervos da Agência Estado, com fotos históricas da coleção São Paulo de Piratininga e outras, mais recentes. Além dos bondes circulando pela cidade, o livro reproduz fotos da cidade sendo...[+]

 


Iconografia Paulistana do Século XIX

Pedro Corrêa do Lago
Capivara
2003

Um resgate ao passado, mostrando personagens retratados por artistas da época e criadores das raízes que tornaram São Paulo a mais próspera cidade da América Latina. Neste trabalho estão reunidas todas as imagens identificadas da cidade de São Paulo e de seus costumes no século XIX, até o surgimento da fotografia, com as vistas tiradas a partir de 1860 por Militão, primeiro fotógrafo da cidade...[+]

 


As Artes de um Negocio: a Febre Photographica São Paulo
1862-1886

Cândido Domingues Grangeiro
Mercado das Letras
2000

Durante muitos séculos, a única forma de obter a reprodução da própria imagem foi, principalmente, por intermédio das diversas técnicas de pintura. A óleo, aquarela, nanquim ou crayon, possuir um desses retratos era possível para poucos e desejo de muitos. A partir da segunda metade do século XIX, a fotografia apoderou-se deste desejo, ou sonho, e transformou o outrora signo aristocrático em objeto ao alcance de muitos - de objeto raro, passou a ser mundano, possuído e distribuído por todos e para todos. Em São Paulo, entre 1862 - 1886, inúmeras oficinas fotográficas se sucederam na disputa dos rostos paulistanos. Nelas, o público tinha à sua disposição uma infinidade de produtos capazes de satisfazer qualquer fantasia ou contentar diferentes bolsos. A história deste livro inicia-se neste momento, em que os paulistanos começam a ter a possibilidade de concretizar um antigo sonho: o de possuir a própria imagem fixada em um pedaço de papel, para expô-la ou dispô-la como melhor lhes conviesse...[+]

Edição usada disponível na
Estante Virtual

 



BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos, EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A e SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento, 1984.

BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos
EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A
SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento
1984

Edição usada disponível na
Estante Virtual

 


A São Paulo de Edmund Pink

José Mindlin
Nicolau Sevcenko
DBA
2000

A Bolsa de Valores de São Paulo tem especial interesse nos assuntos relacionados à cultura e à arte da cidade de São Paulo, buscando valorizá-las, divulgá-las na sociedade, também como forma de homenagear a metrópole na qual está sediada...[+]

 


A SAO PAULO DE GERMAN LORCA

José de S. Martins
German Lorca
Imesp
2014

German Lorca, pertence à geração de grandes nomes da fotografia como Geraldo de Barros, B. J. Duarte, Thomas Farkas, Fernando Lemos. Nascido em 1922, filho de imigrantes espanhóis, se forma como contador, em 1940. Logo a seguir, adquire sua primeira câmera fotográfica, começando cedo a exercitar seu olhar, documentando cenas familiares e a vida urbana. Seu ingresso, em 1948, no Foto Cine Clube Bandeirante, o grande polo de difusão da fotografia moderna na cidade de São Paulo, e a convivência com seus integrantes, o levam à decisão de se profissionalizar como fotógrafo. Atua, então, como free lancer, dedica-se simultaneamente a experimentações fotográficas, e o componente subjetivo - que se pode reconhecer mesmo como afetivo -, passa a se evidenciar em sua obra nos inúmeros registros da cidade de São Paulo. Lorca foi autor de grandes fotorreportagens, notadamente quando documentou a visita de Nelson Rockefeller ao Brasil, mas, especialmente nesse domínio, se destacou com seu registro da inauguração da Catedral da Sé e o desfile cívico no Anhangabaú, celebrando as festividades do IV Centenário de São Paulo, em 1954, documentadas nesta edição...[+]

 


Guilherme Gaensly

Vários Autores
Cosac Naify
2011

Esta obra apresenta as fotografias de Guilherme Gaensly, realizadas em grande parte entre 1894 e 1915, durante a explosão do desenvolvimento urbano da cidade de São Paulo. O livro contém imagens comentadas por Henrique Siqueira e textos de Boris Kossoy, Rubens Fernandes Junior e Hugo Segawa....[+]

 


Patrimônio da Metrópole Paulistana

Margarida Cintra Gordinho
Iatã Cannabrava
Terceiro Nome
2010

'Patrimônios da Metrópole Paulistana' registra, em fotografias e textos, os bens culturais da Região Metropolitana de São Paulo tombados pelo Condephaat. O patrimônio cultural é constituído por bens móveis e imóveis considerados importantes por razões históricas, arquitetônicas, artísticas ou articuladoras da memória e de valores paulistas, além de sítios e paisagens da natureza por suas qualidades intrínsecas. Este livro pretende trazer uma amostra do patrimônio natural e arquitetônico da metrópole ajudando a compreender e manter vivas as histórias do estado e do país....[+]

 


São Paulo - Belle Époque

Benedito Lima De Toledo
Diana Dorothea Danon
IBEP
2010

'São Paulo - Belle Époque' é uma viagem pelo tempo. A obra registra a 'belle époque' promovida pela riqueza oriunda do café. O conjunto de 70 imagens são retratos dessa época e contemplam uma São Paulo que não mais existe - diversas construções do século XIX espalhadas pelos bairros da cidade - Higienópolis, Campos Elíseos, Santa Cecília, Cerqueira César e Bela Vista...[+]

 


Militão Augusto de Azevedo: Fotografia, História e Antropologia

Íris Morais Araújo
Alameda
2010

Clicar São Paulo em meados do século XIX não era tarefa fácil. Essa cidade de barro, que mantinha e fazia conviver sinais dos novos tempos, com o perfil colonial, que insistia teimosamente em permanecer e perdurar, era tarefa de Militão; ao mesmo tempo um artista e um artesão. O fotógrafo padecia de uma espécie de “complexo de Nabuco”, uma vez que se a realidade com a qual lidava diariamente era brasileira (e pior, paulistana), a imaginação continuava europeia. Ou seja, nosso artista, como bom artista, não se afastava de seu contexto, ou do imaginário desse momento, e tentava encontrar uma imagem progredida dessa urbe ou mesmo “admirável”. No entanto, o que sua lente gravava era bastante distinto, uma vez que temporalidades variadas conviviam: a pressa desse final de século, com a morosidade do tempo das carroças e da poeira fácil; a era da miríade de invenções, com uma população pouco afeita a tanta novidade. Militão, por seu turno lidava de maneira ambivalente diante da realidade com que diariamente se deparava. Sua clientela não era tão distinta como gostaria de apostar; São Paulo escapava do modelo que então se idealizava. É essa personagem fascinante, mas em tudo contraditória, que Íris Morais Araújo persegue, tal qual detetive atento a qualquer sinal ou pista que lhe permita perscrutar o mistério ou desvendar a incógnita. Nada parece escapar ao olhar da pesquisadora, que descreve o contexto, analisa a biografia de seu objeto dileto – fotógrafo e fotografia –, descobre documentos e os submete a uma operação de cruzamento analítico. Cruzar fontes é seu ofício, e é por isso que a investigação não se contenta em se limitar à análise das fotos de Militão. Ao contrário, Íris explora com primor as cartas legadas pelo artista, assim como recupera um velho Índice; um belo e inesperado indício das redes de sociabilidade, não sem dificuldades, construídas pelo fotógrafo. Ao invés de engrossar “o coro fácil dos contentes”, ou melhor, daqueles que só identificam nas fotos de Militão sinais do progresso e de otimismo diante da evolução social e urbana experimentada em São Paulo, Íris desconfia e, fiel ao espírito da antropologia, persegue “o olhar do observado”: o brilho das lentes de seu fotógrafo. E o resultado é não só impactante como bastante contraditório: se Militão encantou-se, sim, com a possibilidade de desenhar São Paulo como uma corte futura – republicana até –; de alguma maneira estranhou a particularidade da urbanização local. Talvez por isso progresso tenha que ser pensado no plural, como causa e não resultado; começo de conversa e não conclusão do tipo “viveram felizes para sempre”...[+]

 


AURELIO BECHERINI

Vários autores
Cosac Naify
2009

Este livro reúne cerca de 200 imagens do Aurélio Becherini. Nascido na Itália, Becherini chegou ao Brasil no começo do século passado e registrou as mudanças pelas quais a capital paulistana passou nos anos 20 e 30, como ampliação de ruas, demolições e crescente urbanização, além das mudanças de hábitos que resultavam dessa pequena revolução. As imagens, organizadas de acordo com cada ponto retratado pelo fotógrafo, estão acompanhadas por textos de Rubens Fernandes Junior, historiador da fotografia, da pesquisadora Ângela C. Garcia e do sociólogo José de Souza Martins. O livro também conta com uma biografia do fotógrafo, índice das imagens por regiões da cidade e versões...[+] 

Edição usada disponível na
Estante Virtual

 


Imagens de Sao Paulo: Gaensly no acervo da Light, 1899-1925

Vários Autores
Fundacao Patrimonio Historico da Energia de Sao Paulo
2001

Este livro recupera as imagens de São Paulo registradas pela câmera do fotógrafo Guilherme Gaensly, em paralelo com o percurso de sua vida e obra. Seu trabalho documental demonstra uma sensibilidade para a composição espacial, na arquitetura ou paisagem, e representa um momento fundamental para a cidade de São Paulo...[+]

 

PORTAS DE SAO PAULO - UM PASSEIO PELO CENTRO

Nelson Dupre
Dario Freitas
Alter Market
2012

Com fotografias que procuram revelar os detalhes de portas de edifícios históricos do centro paulistano, esta publicação traz textos do arquiteto Nelson Dupré que situam as edificações e suas portas de acesso no contexto histórico da cidade, classificando-as também de acordo com os estilos arquitetônicos. Na introdução, Dario explica a ideia do projeto, um par de décadas atrás, quando diariamente visualizava essas portas ao transitar pelo centro para encontrar sua mulher. A emoção daquela época de paixão foi despertada pela busca de um amigo por alguma publicação sobre portas que pudesse ser referência para um trabalho de marcenaria, quando concluiu que não havia obra do gênero em português. Foram dez meses de trabalho, primeiro os passeios, depois a avaliação, decisões, sessões de fotos e a edição...[+]

 


Militão Augusto de Azevedo

Vários Autors
Cosac Naify
2012

Esta obra traz a estrutura editorial, em menor escala, do álbum comparativo da cidade de São Paulo elaborado por Militão Augusto de Azevedo. Além de um ensaio fotográfico com imagens do álbum, traz três mapas comparativos que demarcam os locais fotografados por Militão em três tempos (1862, 1887 e 2012), uma lista das mudanças nominais dos logradouros e bibliografia. O livro traz textos que pretendem contextualizar a produção de Militão e a relevância de seu trabalho para a preservação da memória da cidade...[+]

 


25 DE MARÇO - MEMORIA DA RUA DOS ARABES

Rose Koraicho
Kotim
2004

Com um levantamento histórico inédito, Rose Koraicho apresenta a obra "25 de Março - Memória da Rua dos Árabes". Descendente de imigrantes sírios, a empresária do ramo imobiliário - incentivadora de projetos culturais e co-produtora do filme 'Carandiru', de Hector Babenco - resgata a trajetória dos imigrantes árabes e da rua em que eles se tornaram precursores do comércio no Brasil. Fuad Koraicho, seu pai, faleceu em 1996 deixando baús cheios de preciosidades. A autora formou uma equipe com a historiadora Soraya Moura e a redatora Laís de Castro e passou a percorrer as lembranças não só de seu pai, mas de muitas famílias árabes que participaram da formatação do comércio em São Paulo. A principal técnica utilizada para compor o livro é a história oral. Nas transcrições, são respeitadas interjeições e emoções que transpareceram durante os testemunhos. Depoimentos e textos históricos são cuidadosamente harmonizados com fotos no projeto da 100% Design...[+]

 


MILITAO AUGUSTO DE AZEVEDO

Pedro Correa do Lago
Capivara
2001

Este livro reúne a totalidade das fotografias de São Paulo produzidas por Militão Augusto de Azevedo na década de 1860. A pesquisa foi conduzida por Pedro Corrêa do Lago que analisou as primeiras imagens da cidade de São Paulo nos primórdios da fotografia no Brasil...[+] 

Edição usada disponível na 
Estante Virtual

 


Esculturas no Espaço Público em São Paulo

Miriam Escobar
CPA – Consultoria de Projetos e Artes
1998

São Paulo vista através de seus caminhos e os lugares por onde eles passam. Foi assim que a arquiteta Miriam Escobar organizou este seu trabalho em que as esculturas estão dispostas por esses lugares e como que olhando quem passa. Uma referência de coisa viva onde caminho, lugar e escultura afirmam o espaço dos homens como sendo mais do que um fluxo onde não há tempo a perder ou uma operação mecânica a se realizar. Cada objeto anotado fala do que se homenageia e, mais que isto, marca com a sua presença um sentido possível a ser assumido por quem passa e nota.  A experiência transmitida vem dos tempos de criança, de andanças primeiras por esta cidade que muda tanto. Traz o envolvimento e a sedução de olhos encantados que tudo registram. Vem daí a satisfação imensa que estes registros fotografados provocam. É um olhar de afetividades profundas que procura tudo mostrar, mas que não interfere em nada. É a cidade sempre presente pelos gradis de proteção, pelos carros, pelas gramas e plantas do jardim. As localizações em plantas gráficas vão informando onde se...[+] 

 

Edição usada disponível na
Estante Virtual

 


SAUDADES DE SAO PAULO

Claude Levy-Strauss
Companhia das Letras
1996

Uma cidade em que o gado convivia com carros e bondes nas ruas; em que construções moderníssimas despontavam no topo de colinas ainda rústicas; em que lençóis caseiros, pendurados nos varais, formavam o primeiro plano para o imponente prédio Martinelli. Essa a paisagem que Claude Lévi-Strauss ...[+]

 



Na Rua

Antonio A. Prado
IMS
2009

Este livro traz um retrato da cidade de São Paulo feito no início do século XX. O fotógrafo italiano Vincenzo Pastore, radicado no Brasil desde 1894, encontrou, nas bordas da modernidade, percorrendo com sua câmera as ruas mais distantes do Centro, para além dos grandes magazines, dos cafés e das confeitarias chiques, uma realidade bastante diferente da chamada belle-époque. O que se vê aqui é um espaço urbano que, na década de 1910, enfrentava dois grandes desafios. De um lado, superar os desequilíbrios sociais herdados dos períodos colonial e imperial, os quais a abolição da escravatura, em 1888, e a proclamação da República, em 1889, ainda não haviam sido suficientes para eliminar. De outro, lidar com uma categoria de cidadãos marginalizados, que, no entanto, entravam com força na composição da sociedade paulistana - os imigrantes. Entre eles, é claro, o próprio Pastore...[+]

 


home      moyarte      não-diário      contato