Texto e Fotografias de Mônica Yamagawa


centro de são paulo


história da arte


mundo digital


patrimônio cultural

Antiga residência de Elias Pacheco Chaves, 1978

FONTE DA IMAGEM: BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos, EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A e SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento, 1984,

 

Interior da edificação, 1998.

FONTE DA IMAGEM: KAMIDE, Edna Hiroe Miguita, PEREIRA, Terza Cristina Rodrigues (coord). Patrimônio Cultural Paulista: CONDEPHAAT, bens tombados 1968-1998. São Paulo: Imesp, 1998.

 

Arquitetura Italiana Em São Paulo

Anita Salmoni
Emma Debenedetti
Perspectiva
2007

Acompanha a produção de um espaço urbano, a qual se distingue por sua característica coletiva e se deve ao conjunto anônimo de imigrantes, marco inicial do processo, até a obra contemporânea, assinada individualmente por arquitetos de mesma extração...[+]

 


BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos, EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A e SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento, 1984.BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos
EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A
SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento
1984

 

Edição usada disponível na Estante Virtual

 


CAPITAL - SAO PAULO E SEU PATRIMONIO ARQUITETONICO

Juan Esteves
Antonio Carlos Abdalla
Imesp
2013

'A Secretaria de Estado da cultura de São Paulo tem imensa satisfação em apoiar a reedição do livro 'Capital - São Paulo e seu patrimônio arquitetônico, de Juan Esteves. Com curadoria de Antonio Carlos Abdalla, o conjunto de fotografias selecionadas oferece um amplo panorama da diversidade de edifícios de distintas naturezas que marcaram a capital paulista ao longo de sua história, especialmente os últimos 100 anos. Colocado em evidência no magistral registro de Juan Esteves, o patrimônio arqutetônico paulistano pode aqui ser apreciado nos detalhes que acabam por ficar invisíveis em meio à agitação cotidiana da metrópole. Ao dar merecida visibilidade aos edifícios retratados, esta publicação ajuda a sensibilizar para a necessidade de preservação desse patrimônio, uma importantíssima e difícil tarefa, que precisava envolver toda a sociedade.' - Marcelo Mattos Araujo...[+]

 


Patrimônio Cultural Paulista
CONDEPHAAT
Bens Tombados
1968 - 1998

Edna Hiroe Miguita Kamide
Terza Cristina Rodrigues Epitácio Pereira
Imesp
1998

 

Informações sobre os bens tombados pelo CONDEPHAAT até o ano de 1998.

 

Edição usada disponível na Estante Virtual

 


Patrimônio da metrópole paulistana

Margarida Cintra Gordinho
Iatã Cannabrava
Terceiro Nome
2010

Este livro apresenta, com fotos e textos, os bens tombados pelo Condephaat na cidade de São Paulo e em sua região metropolitana. Com ele, procuramos contribuir para amplir a possibilidade desses bens serem conhecidos, admirados e preservados, mantendo vivas as memórias e histórias que ajudam a construir nosso futuro...[+]

 

CENTRO DE SÃO PAULO

ANTIGA RESIDÊNCIA DE

ELIAS PACHECO CHAVES

rua são bento, 189 e 197

atualizado em: 18 de fevereiro de 2017

 

home > centro de são paulo > ANTIGA RESIDÊNCIA DE ELIAS PACHECO CHAVES

Residência projetada, em 1881, para ser residência de Elias Pacheco Chaves. Importante construção para acervo do patrimônio arquitetônico da cidade, pois, é um exemplo de moradia da classe econômica dominante no século XIX.

Sobre a sua fachada, consta que em 1885, ela foi refeita por Claudio Rossi, em estilo neoclássico, mantendo os traços da arquitetura característica do século XVIII, devido ao limite do terreno onde está localizado a edificação.

Segundo descrição, da década de 1980, do guia BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO:

"Possui profusa decoração em esmalte, verdadeiras lacas orientais nas portas, pintura a óleo nos forros de estuque, vidros lapidados com jatos de areia nas janelas e armários embutidos providos de vitrais antigos."

[BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos, EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A e SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento, 1984, p.211.]

Com a construção do Palácio dos Campos Elíseos (1899), para onde a família se mudou, essa edificação serviu de sede para a Prado Chaves & Cia.

A edificação, posteriormente, foi adquirida pela Família Portella e sublocada para vários inquilinos.

Em 1998, ela foi descrita no guia "Patrimônio Cultural Paulista - CONDEPHAAT: Bens Tombados (1968 - 1998)" (atualmente, a parte inferior é ocupada por um estabelecimento comercial, porém, os andares superiores parecem desocupados):

"O edifício, um dos primeiros a utilizar alvenaria de tijolos, em estilo eclático, possui três pavimentos. O rico acabamento em seu interior ainda conserva os materiais originais, como a belíssima escada em madeira torneada e os pisos em taco, formando desenhos variados."

[KAMIDE, Edna Hiroe Miguita, PEREIRA, Terza Cristina Rodrigues (coord). Patrimônio Cultural Paulista: CONDEPHAAT, bens tombados 1968-1998. São Paulo: Imesp, 1998, p.190.]

 

Dados técnicos da edificação

Número de pavimentos: três.

Técnica construtiva: alvenaria de tijolos.

 

Tombamentos

CONDEPHAAT – Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo

Resolução SC 19/83, de 13 de setembro de 1983, publicado no DOE 19/09/83, p. 13.

O Secretário Extraordinário da Cultura, nos termos do artigo 1o. do Decreto-Lei 149, de 15 de agosto de 1969 e do Decreto 13.426, de 16 de março de 1979;

Resolve:

Artigo 1o. – Fica tombado como monumento histórico e de interesse arquitetônico o imóvel localizado nesta Capital, à Rua São Bento, 189, 195 e 197, a antiga Residência de Elias Pacheco Chaves.

Artigo 2o. – Fica o Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo, autorizado a inscrever no Livro do Tombo competente o imóvel em referência para os devidos e legais efeitos.

Artigo 3o. - Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação.

 

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA CONPRESP - Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo

RESOLUÇÃO Nº 02 / CONPRESP / 2015

O Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo - CONPRESP, no uso de suas atribuições legais e nos termos da Lei nº 10.032, de 27 de dezembro de 1985, e alterações posteriores, e de acordo com a decisão dos Conselheiros presentes à 604ª Reunião Ordinária, realizada em 10 de março de 2015;

CONSIDERANDO a legislação vigente de preservação da Residência Elias Pacheco Chaves, através da Resolução Estadual nº SC 19/83 - CONDEPHAAT e da Resolução Municipal nº 05/CONPRESP/91 (Tombamento ex-officio – item 56);

CONSIDERANDO a importância histórica da edificação no conjunto urbano do centro histórico de São Paulo;

CONSIDERANDO que a regulamentação da área envoltória de proteção deste bem está prevista na Resolução nº 37/CONPRESP/92 e na Resolução nº 17/CONPRESP/07, de forma a proteger o próprio bem e a ambiência de seu entorno, e;

CONSIDERANDO o contido no Processo nº 2013-0.335.630-5, resultado dos trabalhos desenvolvidos pelo Escritório Técnico Compartilhado entre os profissionais do Condephaat e DPH, com vistas à definição de regras unificadas a serem adotadas na área de entorno do bem tombado.

RESOLVE:

Artigo 1º - REGULAMENTAR A ÁREA ENVOLTÓRIA de proteção do imóvel, denominado RESIDÊNCIA ELIAS PACHECO CHAVES, localizado na Rua São Bento 189, 195, 197 - Centro (Setor 001 – Quadra 080 - Lote 0010-9, do Cadastro de Contribuintes da Secretaria de Finanças e Desenvolvimento Econômico), tombado ex-officio pela Resolução nº 05/CONPRESP/91.

Artigo 2º - Para efeito da Regulamentação da Área Envoltória da Resolução nº 05/CONPRESP/91, em seu item 56 (Residência Elias Pacheco Chaves), fica definido que os imóveis inseridos no raio de proteção de 300 metros, hoje constantes como área envoltória, estão dispensados de anuência prévia deste DPH/CONPRESP.

Artigo 3º - Esta Resolução passa a vigorar a partir da data de sua publicação no Diário Oficial da Cidade de São Paulo, revogadas as disposições em contrário.

DOC 31/03/2015 – página 58

home      moyarte      não-diário      contato