Texto e Fotografias de Mônica Yamagawa


centro de são paulo


história da arte


mundo digital


patrimônio cultural

 

Historia da Optica no Brasil

José Moraes dos Santos Neto
Códex
2005

Sumário: Introdução. A óptica na Antiguidade. A óptica na Idade Média. A óptica no Renascimento. Óculos no Brasil: 1500-1822: os tempos coloniais; O Brasil independente; As ópticas. Conclusão....[+]

 


A CIDADE-EXPOSIÇAO

Heloisa Barbuy
Edusp
2006

O livro analisa o microterritório formado pelas três principais ruas comerciais na passagem do século XIX para o XX - ruas 15 de Novembro, Direita e de São Bento, que compunham o chamado Triângulo - tendo como eixo as casas de comércio da região. Com isso, o livro proporciona a compreensão do desenvolvimento da cidade refletido, por exemplo, na introdução gradual de uma estética cosmopolita tanto na arquitetura dos edifícios quanto na exibição de produtos ou cartazes publicitários. A união entre texto e ilustrações reconstrói o cenário do triângulo central de São Paulo, levando o leitor a conhecer os pormenores das fachadas e dos interiores das edificações da época numa imersão lenta e intensa nos processos por meio dos quais a cidade se reinventa...[+]

 


São Paulo naquele tempo: 1895 – 1915

Jorge Americano
Carrenho Editorial / Narrativa Um / Carbono 14
2004

Nesta obra, o autor registra suas lembranças de infância e juventude em crônicas que fazem recordar da São Paulo antiga de quem viveu a atmosfera de um dia qualquer entre os anos de 1895 e 1915. Editado pela primeira vez em 1957, mais do que objeto entre memorialistas, 'São Paulo Naquele Tempo' é uma obra para aqueles que querem conhecer as transformações da capital paulista nos últimos anos do século XIX e primeiras décadas do século XX...[+]

 


CAPITAL - SAO PAULO E SEU PATRIMONIO ARQUITETONICO

Juan Esteves
Antonio Carlos Abdalla
Imesp
2013

'A Secretaria de Estado da cultura de São Paulo tem imensa satisfação em apoiar a reedição do livro 'Capital - São Paulo e seu patrimônio arquitetônico, de Juan Esteves. Com curadoria de Antonio Carlos Abdalla, o conjunto de fotografias selecionadas oferece um amplo panorama da diversidade de edifícios de distintas naturezas que marcaram a capital paulista ao longo de sua história, especialmente os últimos 100 anos. Colocado em evidência no magistral registro de Juan Esteves, o patrimônio arqutetônico paulistano pode aqui ser apreciado nos detalhes que acabam por ficar invisíveis em meio à agitação cotidiana da metrópole. Ao dar merecida visibilidade aos edifícios retratados, esta publicação ajuda a sensibilizar para a necessidade de preservação desse patrimônio, uma importantíssima e difícil tarefa, que precisava envolver toda a sociedade.' - Marcelo Mattos Araujo...[+]

 


Entre a casa e o armazém: relações sociais e experiência da urbanização
São Paulo, 1850 – 1900

Maria Luiza Ferreira de Oliveira
Alameda
2005

Este livro é um convite para o leitor voltar a um tempo no qual São Paulo combinava características de uma cidade moderna com traços fortemente rurais. Bastava uma rápida caminhada até a Igreja da Misericórdia para avistar, do alto de seu campanário, descampados, grotões, charnecas, beiras de rios e até animais silvestres e matas, que se estendiam muito além dos vales do Anhangabaú e Tamanduateí. Os personagens deste cenário? Aquela parte da população abstratamente designada como "classes médias" - na verdade, uma gente esquecida, os remediados da sociedade, uma multidão de figurantes mudos da cena paulistana - os quais atendiam pelos nomes de Dona Carolina, Seu Marcelino, Ana de Sorocaba e centenas de outros que aparecem nos registros dos quase mil inventários e testamentos que chegaram até nós. A maioria tinha pouco mais de quarenta anos no longínquo ano de 1872, quando surgiram na cidade os primeiros lampiões a gás. Pessoas que vivenciaram um tempo de incertezas e mudanças, abriram lojas e armazéns, compraram uma casinha, faliram, venderam tudo, tiveram dias bons ou ruins - enfim, sentiram na pele aquele diagnóstico certeiro de António de Alcântara Machado, quando dizia que 'em São Paulo não há nada acabado e nem definitivo, as casas vivem menos que os homens e se afastam, rápidas, para alargar as ruas'...[+]

 


TODOS OS CENTROS DA PAULICEIA

Levino Ponciano
Senac SP
2007

Os detalhes da formação da megalópole mostrados neste livro não são os relatados pela história oficial; são os anotados pelos passantes que chegaram a observar um 'mau humor' típico da população local, supostamente causado pelo clima e os registrados pelos próprios habitantes. Detalhes que vão desde hábitos do dia-a-dia (como o de apreciar formigas assadas, saborosa iguaria de antigamente) a peculiaridades sobre moradores que ficaram famosos e curiosidades acerca de prédios hoje históricos, ruas, avenidas, bairros inteiros. Com 'Todos os centros da Paulicéia', o leitor fará um city tour de mais de quatro séculos divertido e informativo, surpreendente para todos os paulistanos...[+]

 


SÃO PAULO - A JUVENTUDE DO CENTRO

Luciano Delion
Pedro Cavalcanti
Conex
2005

Cidades são feitas de vidas humanas e de cimento armado. Evocar o centro de São Paulo nos anos de sua juventude significa trazer de volta não apenas o traçado esquecido de suas ruas e edifícios, como também a trajetória dos homens e mulheres que lá viveram, sonharam e trabalharam. Este livro trata de arquitetos e construtores, e também de revolucionários e administradores, banqueiros e industriais, jornalistas, pintores e poetas, célebres ou modestos, e das marcas materiais e imateriais que deixaram no corpo e na alma da cidade. O período coberto pelo livro, da Proclamação da República ao Quarto Centenário, foi escolhido por representar o que se poderia chamar de juventude do centro, época do apogeu de sua beleza e de seu prestígio...[+]

 

CENTRO DE SÃO PAULO

ANTIGA CASA FRETIN

rua são bento / praça do patriarca
rua da quitanda

atualizado em: 13 de maio de 2016

 

home > centro de são paulo > ANTIGA CASA FRETIN

Entre os anos de 1924 e 2001, essa edificação foi a sede da Casa Fretin, fundada por Louis Fretin.

Fretin tornou-se relojoeiro pela École D'Horlogerie de Paris, abrindo a Relojoaria Louis Fretin, em 1895, na Rua São Bento, 10.

Além de relógios, passou a consertar os óculos dos clientes, um produto que, na época, era comprado no exterior e não estava disponível no mercado brasileiro. Com o tempo, passou a importar e vender o produto na cidade - pince-nez, lorgnon, face-amain, monóculos e binóculos -. Tais produtos estavam em moda na Europa e aqui, eram usados como objetos de distinção (e não necessariamente, como indicação médica) pela classe privilegiada:

"os pince-nez e óculos que não apenas lhes corrigiriam objetivos problemas de vista como se associariam às suas imagens públicas de intelectuais, de homens de classe, de figuras distintas, (...) os óculos - aqueles instrumentos ópticos com hastes para apoiar-se sobre as orelhas - concebidos, ao contrário dos face-à-maisn (tipo de lorgnon), para serem usados por tempo prolongado, eram de uso preferencialmente masculino, denotando 'a capacidade deste objeto em concentrar aqueles atributos entendidos como masculinos', isto é, 'atividades cerebrais associadas ao trabalho produtivo, às ciências, ao controle financeiro da vida doméstica, à escritura em geral, à memória da linhagem patriarcal'"

[BARBUY, Heloisa. A Cidade-Exposição: comércio e cosmopolitismo em São Paulo, 1860 – 1914. São Paulo: Edusp, 2006, p.145.]

Em 1906, Fretin possuía um "escritório" em Paris, instalado em uma região com vários outros armazéns, que serviam de estoque para grandes quantidades de produtos para comércio, via atacado:

"em seus anúncios impressos, a Fretin anunciava, orgulhosamente, possuir uma casa de compras em Paris, no Faubourg Poissobière, número 112."

[CAVALCANTI, Pedro, DELION, Luciana. São Paulo, a juventude do centro.> São Paulo: Conex, 2004, p.122]

Além da França, com a ascensão do mercado norte-americano como fonte para os produtos importados pelo Brasil, Fretin também manteve uma casa de compras em Nova Iorque:

"Atento às novas tendências, Louis Fretin chegou a publicar anúncio em inglês - uma propaganda idealizada em Nova York para as lentes denominadas 'So-Easy' ('tão-fácil'), das quais era importador. Começavam a surgir os primeiros casos de publicidade 'globalizada' em São Paulo, isto é, veiculada tal e qual aqui e na matriz fornecedora."

[BARBUY, Heloisa. A Cidade-Exposição: comércio e cosmopolitismo em São Paulo, 1860 – 1914. São Paulo: Edusp, 2006, p.143.]

No início do século XIX, a Casa Fretin trouxe para São Paulo, o Sr. John (Mr. John), um optometrista norte-americano, para resolver os problemas com receituários, realizando as consultas e os exames necessários para receitar óculos de grau. [SANTOS NETO: 2006, p.113]

Em 1913, o nome do estabelecimento muda de "Relojoaria Fretin" para "Casa Fretin". A mudança para a nova edificação, em 1924, aconteceu pela necessidade de mais espaço para acomodar os produtos e para atender sua clientela, o estabelecimento passou a ocupar os quatro andares, mais o térreo, a sobreloja e o subsolo do prédio localizado na esquina da Rua São Bento com a Praça Patriarca e a Rua da Quitanda, pois, além do departamento de ópitica, a Casa Fretin possuía departamentos de cutelaria, cirurgia, aparelhos de laboratório, radiologia, engenharia e precisão, produtos ortopédicos, higiene e perfumaria.

 

A Família Fretin

Louis Albert Fretin, o fundador da Casa Fretin, nasceu no Brasil, filho de Victorine Amèlie Delaunay Fretin e Adolphe Pierre Fretin. Além de Louis, o casal teve três outros filhos.

Na década de 1860, sua mãe, Victorine Amèlie, uma das poucas mulheres que, na época, mesmo com marido vivo, estava à frente de seu próprio empreendimento, era proprietária de uma loja, localizada na Rua XV de Novembro. Sua loja fornecia produtos importados variados, por exemplo, artigos para fumantes e partituras musicais, ao mesmo tempo em que o local servia de espaço cultural, por assim dizer, pois,  

"estabeleceu no mesmo endereço, um gabinete de leitura, isto é, um sistema de aluguel de livros em português e francês (fato que mostra até onde podia ir a influência inovadora desses comerciantes, à parte a própria circulação de livros e a absorção da língua francesa"

[BARBUY, Heloisa. A Cidade-Exposição: comércio e cosmopolitismo em São Paulo, 1860 – 1914. São Paulo: Edusp, 2006, p.141.]

Victorine Amèlie casou-se com Adolpho Pierre em 1855, em Neuilly sur Seine e, após a morte do marido (1876), entre o final da década de 1870 e início da década de 1880, assumiu a gerência do Hotel de França (Rua Direita), impedindo que, com o inventário, o estabelecimento fosse colocado à venda: 

"No inventáro, o mobilário de cada quarto foi descrito, e havia quartos com cama completa, mesa, lavatório, quadros, espelhos, cadeira de balanço, canapé, cômoda, cabides, moringa. Foram descritos 28 quartos. E mais uma sala de jantar grande e outra pequena, corredores, adega, cozinha e marcenaria. Havia também quantidades de vidros e cristais, porcelana, rouparia. Os bens do hotel foram avaliados em 5:192$430. Com as dívidas ativas formavam um patrimônio de 9:500$000. Porém o passivo da casa era de mais de 12 contos. Ao saber do estado da herança, o curador de órfãos ordenou praça dos bens para pagamento das dívidas, e a viúva rapidamente condenou tal decisão, (...). Ela pretendia ficar com o hotel, e para tal fizera acordo com os credores, de pagar 45% do seu débito."

[OLIVEIRA, Maria Luiza Ferreira. Entre a casa e o armazém: relações sociais e experiência da urbanização. São Paulo, 1850 – 1900. São Paulo: Alameda, 2005, p.214.]

Victorine Amèlie conseguiu mudar a decisão do curador e a decisão do juiz, com uma carta de próprio punho na qual explicava os prejuízos que o anúncio público da liquidação (leilão) traria para sua família: 

"senão desastre, pelo menos dúvidas e grave prejuízo atual proprietária do antigo hotel, que continua na mesmac asa e com igual denominação, afugentando-lhes desse modo os fregueses residentes no interior e exterior da província, onde o mencionado hotel é conhecido, e que poderiam pensar estar esse sob a pressão de uma liquidação judicial... em praça judicial jamais alcançariam os objetos os preços das avaliações, que a suplicante julga elevado."

[OLIVEIRA, Maria Luiza Ferreira. Entre a casa e o armazém: relações sociais e experiência da urbanização. São Paulo, 1850 – 1900. São Paulo: Alameda, 2005, p.214.]

Jorge Americano, em "São Paulo naquele tempo (1895 - 1915)", descreveu a edificação do Hotel de França: 

"(...) sobrado. Vinha do século passado e estava na esquina da Rua São bento com a Rua Direita. Diária com refeição, 4 mil réis. Janelas retangulares, com arco batido, de madeira, na parte superior. Os quartos davam para a Rua de São Bento e as salas para a Rua Direita. Portas de lojas, laterais ao saguão de entrada. De cada lado da entrada, um lampião de gás, preso à parede."

[AMERICANO, Jorge. São Paulo naquele tempo: 1895 – 1915. 2ª. Edição. São Paulo: Carrenho Editorial / Narrativa Um / Carbono 14, 2004, p.135.

O retrato de Victorine Amèlie foi registrado, em abril de 1881, por Militão Augusto de Azevedo e hoje faz parte do acervo iconográfico do Museu Paulista: 

"com cabelos feitos, aplicação de trança a cachos postiços, brincos e gola de rendas e babados, no capricho sem ostentação que conviria a uma distinta comerciante."

[BARBUY, Heloisa. A Cidade-Exposição: comércio e cosmopolitismo em São Paulo, 1860 – 1914. São Paulo: Edusp, 2006, p.142.]

Louis Albert, após a morte do pai, com cerca de 11 anos de idade, foi enviado para a França, onde aprendeu o ofício de relojoeiro, retornando ao país em 1890, onde por cinco anos trabalhou em Campinas, como empregado contratado, para depois, em 1895, voltar para São Paulo e fundar seu próprio estabelecimento.

Segundo Heloisa Barbuy, no início do século XX, Louis Fretin constava no censo, não como comerciante, mas, como industrial, fabricante de vidros e instrumentos de óptica:

"OFFICINAS

De preparo de vidro para óptica.
De fabrico de aros para óculos e nasóculos.
De conserto e reparação de isntrumentos de engenharia e navegação, de cirurgia em geral.
De cutelaria, relojoaria, ourivesaria e instrumentos de música.
Especialidade em vidros periscópios."

[BARBUY, Heloisa. A Cidade-Exposição: comércio e cosmopolitismo em São Paulo, 1860 – 1914. São Paulo: Edusp, 2006, p.143.

Assim como seus pais, enquanto tomava a frente dos negócios da Casa Fretin, sua esposa, Eugènie Barthe, mantinha uma casa de modas na Rua São Bento.

Em 1943, sob a direção de Paul Fretin, um de seus filhos,a loja tornou-se "sociedade anônima".

home      moyarte      não-diário      contato