Texto e Fotografias de Mônica Yamagawa


centro de são paulo


história da arte


mundo digital


patrimônio cultural


Esculturas no Espaço Público em São Paulo

Miriam Escobar
CPA – Consultoria de Projetos e Artes
1998

São Paulo vista através de seus caminhos e os lugares por onde eles passam. Foi assim que a arquiteta Miriam Escobar organizou este seu trabalho em que as esculturas estão dispostas por esses lugares e como que olhando quem passa. Uma referência de coisa viva onde caminho, lugar e escultura afirmam o espaço dos homens como sendo mais do que um fluxo onde não há tempo a perder ou uma operação mecânica a se realizar. Cada objeto anotado fala do que se homenageia e, mais que isto, marca com a sua presença um sentido possível a ser assumido por quem passa e nota.  A experiência transmitida vem dos tempos de criança, de andanças primeiras por esta cidade que muda tanto. Traz o envolvimento e a sedução de olhos encantados que tudo registram. Vem daí a satisfação imensa que estes registros fotografados provocam. É um olhar de afetividades profundas que procura tudo mostrar, mas que não interfere em nada. É a cidade sempre presente pelos gradis de proteção, pelos carros, pelas gramas e plantas do jardim. As localizações em plantas gráficas vão informando onde se...[+]  

Edição usada disponível na Estante Virtual

 


CENTRO DE SÃO PAULO

CHOPIN

autor desconhecido
praça dom josé gaspar

atualizado em: 4 de outubro de 2016

 

home > centro de são paulo > CHOPIN

Escultura de autor desconhecido, foi implantada na praça em 1954, para as comemorações do IV Centenário de São Paulo. Doado pelo governo polonês, a peça em bronze possui as dimensões de 70 x 65 cm e o pedestal, em granito, as dimensões de 260 x 86 x 29 cm.

Na parte frontal, a placa original tinha dos seguintes dizeres: "Frrederico Chopin. Ao povo paulista na data do IV Centenário. Homenagem do povo polonês no X aniversário da República Popular da Polônia. 22 VII 1954".

 

Praça Dom José Gaspar & Biblioteca Mário de Andrade

Em 1936, foi desapropriada a chácara de Augusto de Souza Queiróz, localizada na esquina da Rua da Consolação, 16 com a Rua São Luiz. No ano seguinte (1937), esta área foi ampliada e incorporada a propriedade vizinha, o Palácio Arquiepiscopal, na época, ocupada pelo Arcebispo Dom José Gaspar de Afonso e Silva.

A Instituição Biblioteca Municipal foi criada em 1925 e localizava-se na Rua 7 de Abril, 37. Desde a sua fundação, discutia-se a criação de uma nova sede para a instituição e, em 1942, no terreno do antigo Palácio Arquiepiscopal (Palácio São Luís), foi inaugurado o edifício destinado para a biblioteca municipal, batizada de Biblioteca Mário de Andrade, em homenagem ao poeta paulistano, assim como, a área ao redor foi rebatizada, em 1949, de Praça Dom José Gaspar, em homenagem ao seu antigo morador, que faleceu em 1943, em um desastre aéreo.

 

home      moyarte      não-diário      contato