Texto e Fotografias de Mônica Yamagawa


centro de são paulo


história da arte


mundo digital


patrimônio cultural

CAPITAL - SAO PAULO E SEU PATRIMONIO ARQUITETONICO

Juan Esteves
Antonio Carlos Abdalla
Imesp
2013

'A Secretaria de Estado da cultura de São Paulo tem imensa satisfação em apoiar a reedição do livro 'Capital - São Paulo e seu patrimônio arquitetônico, de Juan Esteves. Com curadoria de Antonio Carlos Abdalla, o conjunto de fotografias selecionadas oferece um amplo panorama da diversidade de edifícios de distintas naturezas que marcaram a capital paulista ao longo de sua história, especialmente os últimos 100 anos. Colocado em evidência no magistral registro de Juan Esteves, o patrimônio arqutetônico paulistano pode aqui ser apreciado nos detalhes que acabam por ficar invisíveis em meio à agitação cotidiana da metrópole. Ao dar merecida visibilidade aos edifícios retratados, esta publicação ajuda a sensibilizar para a necessidade de preservação desse patrimônio, uma importantíssima e difícil tarefa, que precisava envolver toda a sociedade.' - Marcelo Mattos Araujo...[+]

 


BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos, EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A e SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento, 1984.BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos
EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A
SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento
1984

 

Edição usada disponível na Estante Virtual

 


Memória Paulistana

Carlos Augusto Calil
Imesp
2011

O livro 'Memória Paulistana' inclui fotografias de nomes da época, como Militão Augusto de Azevedo, e anônimos que fizeram registros precisos...[+]

 


BERGAMIM JR., Giba. "Erguido há 97 anos, edifício Guinle esbanja saúde de concreto".Folha de S.Paulo: 7 Set. 2010.

VEIGA, Edison. "Guinle, o 1º arranha-céu de SP, é restaurado". O Estado de S.Paulo: 14 Abr. 2011.

 

CENTRO DE SÃO PAULO

EDIFÍCIO GUINLE

rua direita, 49

atualizado em: 9 de junho de 2016

 

home > centro de são paulo > EDIFÍCIO GUINLE

O Edifício Guinle foi projetado por Gustavo Pujol, em 1913, encomendado para instalar a filial paulista do escritório da Família Guinle. A edificação é a primeira construção em concreto armado (com barras de aço) do país, com sete pavimentos e foi erguido tendo no entorno, sobrados com no máximo dois pavimentos, sendo possível vê-lo, na época, por exemplo, do Parque Dom Pedro e, por essa razão, é considerado o primeiro "arranha-céu" de São Paulo.

O projeto original era de 32 metros de altura, porém, a cobertura ganhou duas edículas, acrescentando ao total mais 4 metros, chegando ao total de 36 metros.

Em 1997, a edificação foi comprada pelos sócios da Mundial Calçados. Os novos proprietários, inicialmente, providenciaram a limpeza da fachada, com a recuperação das esquadrias em pinho de riga e grades de ferro. No térreo foi instalado a loja de calçados e nos demais andares, o estoque e a sala de reuniões.

Em 2009, o projeto para restauração do prédio optou pela recuperação das características projetadas por Pujol, substituindo parte dos elementos que foram adicionados ao longo do temppo, descaracterizando o projeto original. Em 2011, a execução da restauração estava em andamento: 

"Antes de colocar a mão na massa, funcionários da Companhia do Restauro ­ contratada para a obra ­ tiveram um ano para planejar cada etapa. "Foi quando fizemos estudo para identificar características originais, lavamos a fachada e realizamos prospecção de cores", conta o arquiteto Paulo Danilo Machado. "Também foi nesse período que submetemos o projeto técnico à aprovação do Conpresp", conta o dono da Companhia do Restauro, Francisco Zorzete. O prédio foi tombado pelo órgão municipal de patrimônio em 2007.

Originalmente, a fachada não tinha pintura: era massa raspada ­ e assim será novamente. O telhado, hoje metálico, voltará a ser de cerâmica. Elementos decorativos metálicos, que há anos eram pintados de dourado, voltarão a ser na cor grafite. Por fim, 74 novas cremonas (trincos das janelas) foram fundidas conforme o desenho original, para substituir as que foram trocadas. Tudo para que o Guinle volte a ser imponente. Se não graças ao tamanho, pelo menos pelos detalhes de sua arquitetura."

[VEIGA, Edison. "Guinle, o 1º arranha-céu de SP, é restaurado". O Estado de S.Paulo: 14 Abr. 2011]

home      moyarte      não-diário      contato