Texto e Fotografias de Mônica Yamagawa


centro de são paulo


história da arte


mundo digital


patrimônio cultural

BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos, EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A e SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento, 1984.BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos
EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A
SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento
1984

 

Edição usada disponível na Estante Virtual

 


CAPITAL - SAO PAULO E SEU PATRIMONIO ARQUITETONICO

Juan Esteves
Antonio Carlos Abdalla
Imesp
2013

'A Secretaria de Estado da cultura de São Paulo tem imensa satisfação em apoiar a reedição do livro 'Capital - São Paulo e seu patrimônio arquitetônico, de Juan Esteves. Com curadoria de Antonio Carlos Abdalla, o conjunto de fotografias selecionadas oferece um amplo panorama da diversidade de edifícios de distintas naturezas que marcaram a capital paulista ao longo de sua história, especialmente os últimos 100 anos. Colocado em evidência no magistral registro de Juan Esteves, o patrimônio arqutetônico paulistano pode aqui ser apreciado nos detalhes que acabam por ficar invisíveis em meio à agitação cotidiana da metrópole. Ao dar merecida visibilidade aos edifícios retratados, esta publicação ajuda a sensibilizar para a necessidade de preservação desse patrimônio, uma importantíssima e difícil tarefa, que precisava envolver toda a sociedade.' - Marcelo Mattos Araujo...[+]

 


GUIA FIQUE EM SÃO PAULO NO FIM DE SEMANA

Adriana Salles Gomes
Fernando Moreira Leal
Publifolha
2001

Este guia turístico da cidade de São Paulo e seus arredores ajuda o visitante ou o paulistano a descobrir o que a cidade tem de especial, de uma maneira organizada e rápida, com mais de 200 passeios selecionados de acordo com o gosto do leitor. São 20 menus de interesse - que vão do ecoturismo a uma relação de programas gratuitos ou abertos 24 horas. Os menus incluem também parques e jardins; esportes e atividades ao ar livre; compras; história; arquitetura e arte pública; festas e tradições; curiosidades; museus; comidas e bebidas; hotéis e motéis; cursos; vida noturna; roteiros e passeios; São Paulo multicultural; artes e espetáculos; saúde e beleza e calendário com atrações organizadas por tema, além de uma relação por programas, dispostos em ordem alfabética ...[+]

Edição usada disponível na Estante Virtual

 


Christiano Stockler das Neves: arquiteto concreto

Christiano Stockler das Neves Neto
Dialeto
2008

O Livro Arquiteto Concreto retrata a vida do arquiteto Christiano Stockler das Neves, uma publicação inédita de um dos mais importantes arquitetos do Brasil do início do século XX. Foi pioneiro na utilização do concreto armado na construção civil, foi também responsável por projetos que são referência em todo o país, tais como: o primeiro arranha-céu de São Paulo, o Edifício Sampaio Moreira, o Ministério da Guerra no Rio de Janeiro, o prédio dos Correios de Petrópolis e sua criação monumental; o principal edifício da Estrada de Ferro Sorocabana, a estação Júlio Prestes, que mais tarde abrigaria a Sala São Paulo, o melhor espaço de concertos da América Latina. De maneira intimista, seu neto escreve sobre seu temperamento polêmico e empreendedor com um olhar revelador sobre a vida e a obra deste personagem marcante na arquitetura brasileira. Este livro é uma reverência ao valor de sua obra como arquiteto, professor e como homem público...[+]

Edição usada disponível na
Estante Virtual

 

CENTRO DE SÃO PAULO

EDIFÍCIO SAMPAIO MOREIRA

rua líbero badaró, 340/350

atualizado em: 30 de setembro de 2016

 

home > centro de são paulo > EDIFÍCIO SAMPAIO MOREIRA

Considerado o "avô" dos arranha-ceús de São Paulo, por um curto espaço de tempo, o Sampaio Moreira foi a edificação mais alta da cidade (até a construção do Edifício Martinelli, em 1929), com seus 596 metros quadrados de terreno, 5360 metros quadrados de área útil, 50 metros de altura, distribuídos em 13 pavimentos, porão e ático. [Horschutz: 2007].

Inaugurado em 1924, o projeto, assinado pelos arquitetos Samuel das Neves e Cristiano Stockler das Neves, foi elaborado para o senhor Sampaio Moreira.

Fonte da Imagem: Prefeitura Municipal de São PauloO edifício foi criado em composição com os antigos Palacetes Prates, então, existentes, no Vale do Anhangabaú:

"Estilisticamente, pretende ser a versão em altura do Luís XVI com elementos decorativos típicos daquele estilo, recriado segundo o gosto de então. Com a destruição do Parque do Anhangabaú, o desaparecimento dos pavilhões (Palacete Prates e Prefeitura Municipal) e com a verticalização exagerada, o edifício atualmente passa quase despercebido, sendo entrevisto do Vale do Anhangabaú por um pequeno trecho de jardim sobrevivente." 

[BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SNM - Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos / EMPLASA - Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A / SEMPLA - Secretaria Municipal de Planejamento, 1984, p.343-344.]

O uso do Edifício Sampaio Moreira sempre foi comercial: funcionou como prédio de escritórios até 2008, quando foi desapropriado pela Prefeitura para instalação da Secretaria Municipal de Cultura. [Jornal da Tarde: 2010]

Na entrada, as escadarias são de mármore de Carrara, o painel de madeira maciça, os elevadores manuais, revestidos em vermelho e a cobertura do prédio, coroada por um pergolado de colunas gregas. [Jornal da Tarde: 2010]

Em 2009, o CONPRESP -Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio, abriu o processo para tombamento da edificação (RESOLUÇÃO Nº02/COPRESP /2009).

Em 2010, o edifício foi desapropriado: prédio e fachada foram tombados pela CONPRESP. Em abril de 2012, a Prefeitura Municipal começou as obras de restauração. Segundo o site oficial da prefeitura municipal, a recepção do edifício, os elevadores e ferragem das escadarias, além do 5ª andar terão as salas preservadas, mantendo as estruturas do projeto original e as pinturas artísticas: 

"Os outros andares serão todos reformados, passando por remoção de paredes e adaptações. O projeto prevê a construção de um refeitório na cobertura, uma entrada lateral e a criação de passagens entre os lados do prédio nos andares que não tem esta ligação, do 12º ao 6º andar."

[EDIFÍCIO SAMPAIO MOREIRA PASSA POR RECUPERAÇÃO. Prefeitura Municipal de São Paulo: 17 Jul. 2012.]
[SP Obras irá recuperar o Edifício Sampaio Moreira. Prefeitura Municipal de São Paulo: 28 Nov. 2012.]

Segundo a Prefeitura Municipal de São Paulo: 

Essa obra, no entanto, não irá contemplar a Casa Godinho. Com IPTU separado do restante do condomínio da casa de comércio não “pertence” ao edifício. Quem assina o projeto de recuperação histórica do Sampaio Moreira é o escritório de arquitetura e engenharia Lopes/Kalil Engenharia e Comércio Ltda.A licitação que deu origem à atual contratação foi baseada no projeto do escritório Kruchim Arquitetos.No valor de R$ 14.450.866,96, a obra deve começar no início de 2012, com prazo de 18 meses para término.” 

[EDIFÍCIO SAMPAIO MOREIRA PASSA POR RECUPERAÇÃO. Prefeitura Municipal de São Paulo: 17 Jul. 2012.]
[SP Obras irá recuperar o Edifício Sampaio Moreira. Prefeitura Municipal de São Paulo: 28 Nov. 2012.]

No andar térreo da edificação, funciona a Casa Godinho, estabelecimento comercial fundado em 1888 e localizado no Edifício Sampaio Moreira, desde 1924, ou seja, desde a inauguração do prédio. Em 2013, a mercearia foi declarada patrimônio cultural imaterial da cidade pelo Conpresp.

  

Referências bibliográficas

BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SNM - Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos / EMPLASA - Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A / SEMPLA - Secretaria Municipal de Planejamento, 1984, p.343-344.

BEM-VINDO AO EDIFÍCIO SAMPAIO MOREIRA. Jornal da Tarde: 14 Out. 2010.

Casa Godinho: www.casagodinho.com.br

EDIFÍCIO SAMPAIO MOREIRA PASSA POR RECUPERAÇÃO. Prefeitura Municipal de São Paulo: 17 Jul. 2012.

ESTEVES, Juan, ABDALLA, Antônio Carlos, LORCH, Denise Machado. Capital – São Paulo e seu patrimônio arquitetônico. São Paulo: Imesp / Secretaria do Estado da Cultura, 2013, p.267.

HORSCHUTZ, Alessandra Maria Cerqueira Lima. Ocupação de Edifícios de Escritórios Corporativos em São Paulo – O Caso do IBM Tutóia. Dissertação de Mestrado – Arquitetura & Urbanismo. Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2007, p.68-69.

SP Obras irá recuperar o Edifício Sampaio Moreira. Prefeitura Municipal de São Paulo: 28 Nov. 2012.

home      moyarte      não-diário      contato