Centro de São Paulo: Pinacoteca do Estado - Sociedade Propagadora da Instrução Popular, Liceu de Artes e Ofícios

Website de Mônica Yamagawa

PINACOTECA DO ESTADO 1

sociedade propagadora da instrução popular e liceu de artes e ofícios

praça da luz, 2

história do centro de são paulo

atualizado em: 27 de setembro de 2017

 

home > centro de são paulo > verbetes individuais > PINACOTECA DO ESTADO

A origem da Pinacoteca do Estado:
neta de Sociedade Propagadora da Instrução Popular
e filha do Liceu de Artes e Ofícios

A Sociedade Propagadora da Instrução Popular, fundada em 1873, era uma associação privada apoiada pelos grupos maçônicos e tinha como objetivo elevar o nível intelectual e moral das classes operárias, através da educação e do trabalho.

Tratava-se de uma associação de vanguarda, pois, apesar do fim do tráfico de escravos, em 1845, com a Bill Aberdeen, e desde o período colonial, existir mão-de-obra paga na cidade, o trabalho manual ainda era mito associado como funções de escravos, visto como uma forma de representar a pobreza, uma vez que a sociedade da época legava o trabalho para os escravos que prestavam serviços ou produziam e vendiam produtos, entregando os ganhos desses para seus "proprietários", sem contar os serviços domésticos exercidos dentros das residências. Lembrando que a fundação da Sociedade ocorreu apenas dois anos depois da assinatura da Lei do Ventre Livre e mais de uma década antes da Lei dos Sexagenários (1885) e da Lei Áurea (1888):

"Em uma sociedade onde aqueles que de fato trabalhavam nada recebiam em troca, ao passo que seus donos ficavam com todo o resultado do trabalho alheio, só enriquecia quem não trabalhava. Toda a riqueza era vista como resultado da esperteza, e nunca da dedicação. (...) A extinção do tráfico, embora fosse um golpe fatal no sistema vigente desde o início da colonização, não significou o fim das crenças profundas que o sustentavam."

[CALDEIRA, Jorge. Viagem pela história do Brasil. 2ª. Edição.  São Paulo: Companhia das Letras, 1997]

É inserido nesse contexto social, no qual a "educação" vigente era evitar a mistura entre os indivíduos "respeitáveis" com os que estavam condenados ao trabalho manual e no qual a distância entre o maior ou menor envolvimento com o trabalho, definia a posição social do indivíduo, é que surge a Sociedade Propagadora da Instrução Popular, com a intenção de

"garantir a formação de bons cidadãos que, sabendo trabalhar e podendo viver do trabalho, não se deixavam corromper por empregos ou favores oferecidos a troco de sacrifícios do caráter, pois o proletário que sabe trabalhar foge dos vícios, que roubam tempo e saúde, seus únicos, mas produtivos capitais", como testemunhou, posteriormente, uma de seus fundadores, Carlos Leôncio da Silva Carvalho.

[ACERVO PERMANENTE E NOVAS DOAÇÕES. São Paulo: Edições Pinacoteca, 1999, p.3-4.]

Em um período em que existiam poucas escolas primárias e raras instituições de ensino secundário e superior, a Sociedade oferecia, gratuitamente, aulas para a população de baixa renda, fornecendo também o material didático necessário, uma biblioteca pública para consultas e até assistência médica para seus alunos:

"As aulas serão gratuitas e francas e os metriculados receberão gratuitamente livros, penas, papel e tinta, assim como, quando assíduos, cuidados médicos e remédios; receberão mais prêmios em dinheiro ou objetos de valor, diplomas de mérito intelectual e boa conduta."

[[LEMOS, Carlos. "O edifício da Pinacoteca do Estado". IN: PALHARES, Taisa Helena P. (org.). Arte brasileira na Pinacoteca do Estado de São Paulo. São Paulo: Cosac Naify / Imesp / Pinacoteca, 2009, p.29.]

A iniciativa recebeu doações do setor privado e apoio do setor público, na época, representado pelo Presidente da Província Doutor João Teodoro. Inicialmente, as aulas de caligrafia, aritmética, sistema métrico e gramática portuguesa ocorriam à noite, com classes separadas para adultos, meninos e "alunas" e com "leitura pública" na biblioteca. Nos primeiros nove anos, abrigou mais de 800 alunos.

Com o desenrolar do projeto educacional, a Sociedade inclui o ensino de línguas estrangeiras e passa, também, a se preocupar com a formação de mão-de-obra especializada (escola profissionalizante) e em 1882, surgiu o Liceu de Artes e Ofícios. Porém, com a queda do imperio, em 1889:

"tem começo as crises surgidas da falta de apoio oficial, sendo insuficientes os recursos advindos da iniciativa particular. Enfim, as poucas contribuições conseguiram levar a escola funcionando precariamente até 1894. Em 1895, Ramos de Azevedo assume o comendo do Liceu que estava a rolar ladeira abaixo. (...) O presidente do Estado, amigo e cliente Bernardino de Campos, e seus secretários Cesário Motta e Alfredo Pujol foram os principais benfeitores que permitiram auxilios oficiais."

[LEMOS, Carlos. "O edifício da Pinacoteca do Estado". IN: PALHARES, Taisa Helena P. (org.). Arte brasileira na Pinacoteca do Estado de São Paulo. São Paulo: Cosac Naify / Imesp / Pinacoteca, 2009, p.30.]

A transição de Sociedade Propagadora da Instrução Popular para Liceu de Artes e Ofícios foi um reflexo das mudanças ocorridas durante a queda do Império e o período da República Velha. As características da população revelavam a transição da sociedade: escravos, aos poucos, tornavam-se empregados, em alguns casos, comprando sua liberdade com parte dos pagamentos que recebiam por seus serviços e venda de produtos que cultivavam ou fabricavam, os fazendeiros começavam a se habituar com o trabalho assalariado e os imigrantes adaptavam-se aos modos de vidas dos brasileiros. Com a aceleração da urbanização, o centro nervoso da economia transferia-se da agricultura para a indústria e o Liceu acompanhou essa mudança, alterando seu currículo, ampliando, em 1895, as disciplinas de suas classes de "primeiras letras": além das aulas de português e artimética, os alunos começaram a aprender álgebra, geometria e contabilidade. Somando-se a essas mudanaças curriculares, o Liceu passou a oferecer para a população, cursos na área de comércio, outros voltados para as artes aplicadas, a lavoura e a indústria. Também foram incluídas novas disciplinas no curso secundário pelo novo diretor-geral, Francisco de Paula Ramos de Azevedo.

O curso de Artes e Ofícios era composto por classes de desenho com aplicação para as artes e para a indústria, classes de modelagem (barro e gesso) e classes de pintura e de "instrução profissional": corte e assambladura de madeiras, para uso em carpintaria, solda e curvamento de ferro, para aplicação em calderaria, ferro forjado e serralheria. A pretensão de Ramos de Azevedo com as mudanças era estabelecer uma base para a criação de uma futura escola de belas artes em São Paulo. A reforma curricular criaria condições para o aprimoramento e a ampliação da produção de artigos de arte decorativa e industrial, visando atender o setor de construção, em franca expansão na cidade na época.

Com o passar do tempo, o Liceu passou a executar trabalhos sob encomenda, principalmente na área de marcenaria e serralheria:

"responsável pelo fornecimento de elementos de gessaria, moldagens, ferragens artísticas, além de equipamnetos para instalações elétricas, hidráulicas, etc. para muitas das faustosas construções das primeiras três décadas do século XX."

[BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos, EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A e SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento, 1984.]

O fortalecimento das classes de belas artes - desenho, pintura e escultura -, transformou o Liceu em um centro voltado para as artes plásticas e a obtenção de prêmio nacionais e internacionais, elevou ainda mais o prestígio do Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo. Entre os artistas que lecionaram na instituição estavam: Dominiciano Rossi, Pedro Alexandrino, Felisberto Ranzini, Oscar Pereira da Silva, Amadeo Zani, entre outros.

Apesar do reconhecimento de sua importância pela cidade, o Liceu, desde a sua fundação, não possuía uma sede própria: até 1893, funcionou na Rua da Boa Morte, depois, mudou-se para a Rua de Santa Tereza e em seguida, para a Rua Onze de Agosto. Em 1895, a diretoria do Liceu e o Governo da Província começaram a negociação relacionada com a doação de um terreno em frente ao Seminário Episcopal, lateral do Jardim Público (Jardim da Luz) e com a concessão de subsídios para a construção de um edifício para a sede do Liceu de Artes e Ofícios - a escolha do terreno próximo a Estação da Luz não era aleatória, pois, a localização facilitava o escoamento da produção do Liceu.

O terreno foi cedido em 1896 e no ano seguinte, com os recursos de seus sócios, os lucros resultantes das vendas de seus trabalhos, a concessão de 100 contos de réis do Governo Provincial e as doações de materiais de construção obtidas por Ramos de Azevedo, começavam os trabalhos para a construção da sede do Liceu de Artes e Ofícios.


#Dicionário do Centro de São Paulo    #História do Centro de São Paulo   #Biblioteca Online sobre o Centro de São Paulo

 

O Edifício do Jardim da Luz
Do Liceu de Artes e Ofício para a Pinacoteca do Estado

O projeto do prédio, de Dominiciano (Dimiziano) Rossi, apresentava planta simétrica, de três pavimentos, com repetição das pilastras estruturais. Com influência do neoclassicismo italiano, apresentava dois pátios internos descobertos, para onde abriam-se diversas janelas, facilitando a iluminação e ventilação dos corredores e das salas de aula.

Aliás, sobre a autoria da edificação, Carlos Lemos faz as seguintes observações:

"Dimiziano Rossi, convidado a lecionar tanto na Politécnica quanto no Liceu, e foi como professor deste último que participou das obras da nova sede. O projeto do Liceu dizem ser integralmente de Rossi. Achamos pouco provável porque Ramos, naquela euforia de levantar o Liceu com donativos oficiais, não iria deixar passar a oportunidade de se mostrar como arquiteto emérito e Rossi, que nem empregado de seu escritório era, nãi iria, por sua vez, trabalhar anonimamente para que os outros recebessem os louros. A nosso ver, é mais viável a hipótese de colaboração mútua."

[LEMOS, Carlos. "O edifício da Pinacoteca do Estado". IN: PALHARES, Taisa Helena P. (org.). Arte brasileira na Pinacoteca do Estado de São Paulo. São Paulo: Cosac Naify / Imesp / Pinacoteca, 2009, p.30.]

Em sua construção foram empregados materiais importandos, algo comum na época, como, por exemplo, o pinho de Riga e os pisos de cerâmica francesa. Um saguão central de tríplice pé direito, no centro da construção, estava localizado no 1o. andar e cortava o edifício até o último nadar, e como nos pátios internos, janelas abriam-se para o seu interior. No projeto inicial, havia uma cúpula para "coroar" esse espaçocentral e para o revestimento externo, os desenhos apresentam planos de farta ornamentação, porém, ambos nunca foram concluídos por falta de recursos.

Em 1900, com o prédio parcialmente concluído, foram instalados os cursos de instrução primária e artística do Liceu. Segundo Carlos Lemos, o projeto original nunca foi concluído e Diminiciano Rossi e Ramos de Azevedo não levaram em consideração as necessidades funcionais do Liceu, por exemplo, as oficinas foram alojadas no porão, que possuía um é direito muito baixo, fazendo com que os aprendizes se acotovelassem, esprimidos no locais de trabalho e as oficinas industriais não puderam permanecer no local.

Em 1901, o Ginásio do Estado foi instalado no local em 1901, onde permaneceu até 1910 - a decisão fazia parte do acerto entre o Liceu e o Governo para a obtenção de outro local para a oficinais industriais. Anos depois, em 1906, com a intermediação do presidente Jorge Tibiriça, o Liceu recebeu como doação um terreno entre as Ruas João Teodoro, Cantareira e Jorge Miranda e em 1919, durante a administração de Rodrigues Alves, o espaço doado foi ampliado para um total de 13.500 metros quadrados.

Em 1905, foi fundada a Pinacoteca do Estado, o primeiro museu de artes plásticas da cidade de São Paulo. Para a inauguração em 25 de dezembro de 1905, foram reformadas três salas do terceiro piso do então Liceu de Artes e Ofícios, criando assim, um salão de 24 metros de comprimento, por 9 metros de largura e 6,5 metros de altura. Foram fechadas nove janelas e aberta uma clarabóia para a iluminação da galeria.

O Liceu de Artes e Ofícios deixou a edificação em 1971, porém, anos antes, em 1946, a edificação foi desapropriada para dar lugar para a Escola de Belas Artes e a Pinacoteca do Estado (que já tinha dividido o espaço com o Liceu, no período entre a sua fundação em 1905 até a década de 1930).

[texto em construção: o Moyarte está trabalhando em um texto sobre a história da Pinacoteca do Estado, como instituição cultural/museu]

CENTRO DE SÃO PAULO

BIBLIOGRAFIA


download gratuito

PROPOSTAS POÉTICAS A PARTIR DO ACERVO DA PINACOTECA DO ESTADO DE SÃO PAULO

EDUARDO MOSANER JR
NORBERTO STORI
PETRA SANCHEZ SANCHEZ
18º Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas Transversalidades nas Artes Visuais
2009

Este trabalho é o produto de uma pesquisa em metodologia de ensino de Artes no Ensino Médio. Por um lado, introduz a imagem no cotidiano escolar e, por outro, não está preocupada unicamente no fazer dos trabalhos de ateliê. Há toda uma preparação em analisar, ler e entender imagens antes de produzir uma resposta poética. O objetivo desta pesquisa é aplicar a Abordagem Triangular, enunciada por Ana Mae Barbosa, como facilitadora no desenvolvimento de habilidades para a apreciação, contextualização e elaboração de propostas poéticas pelos alunos. Partindo da leitura, análise e contextualização de obras do acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo, os alunos produziram respostas poéticas em artes visuais, reinterpretando e dando novas leituras às obras originais. Palavras-chave: arte, alfabetização visual, Abordagem Triangular, acervo da Pinacoteca...[+]

 


download gratuito

Trabalhadores de Museus: o público esquecido pelos serviços educativos

Gabriela Figurelli
SIAM. Series Iberoamericanas de Museología.Vol. 2.
2012

Este texto, que tem como intuito discutir o pioneirismo da Pinacoteca do Estado de São Paulo ao desenvolver um programa educativo direcionado aos trabalhadores de museu, é uma adaptação de minha dissertação de mestrado em Museologia intitulada ‘O Público Esquecido pelo Serviço Educativo: estudo de caso sobre um programa educativo direcionado aos funcionários de museu’. A partir do entendimento de que os funcionários dos museus são também público das instituições museológicas, o estudo se propôs a discutir a relevância do tema e analisar como as ações do setor educativo direcionadas à equipe de trabalhadores contribuem no desenvolvimento social destes funcionários e no funcionamento do museu. Mediante análise das informações concluiu-se que o programa educativo é importante para a instituição à medida que qualifica a atuação dos funcionários que trabalham próximo ao público, e esta qualificação contribui na experiência da visita e na construção da imagem que o público cria acerca do museu; é também relevante por agregar significado à vida dos funcionários através de iniciativas que contribuem para o desenvolvimento do seu pensamento crítico, noção de temporalidade, sentido de pertencimento e elevação da auto-estima...[+]

 


download gratuito

Interligar o museu e seu entorno: a ação educativa extramuros da Pinacoteca do Estado de São Paulo

Gabriela Aidar
Milene Chiovatto
UNISAL
2011

Este texto apresenta uma reflexão sobre as particularidades da educação em museus e sobre as implicações da acessibilidade nestas instituições, apresentando um processo educativo realizado junto a não públicos. Aborda especificamente a ação educativa extramuros da Pinacoteca do Estado de São Paulo, Brasil, o mais antigo museu de arte deste estado. Esta ação é desenvolvida há três anos junto a grupos de adultos em situação de rua freqüentadores de casas de convivência do entorno do museu, por meio de oficinas de artes, visitas educativas regulares à Pinacoteca e outras ações tais como exposições educativas e publicações...[+]

 

download gratuito

MATERIAIS PLÁSTICOS NO ACERVO DA PINACOTECA DO ESTADO DE SÃO PAULO: A FONTE DAS NANÁS DE NIKI DE SAINT PHALLE

Camilla Vitti Mariano
Escola de Belas Artes/ UFMG
2012

Dissertação apresentada ao Programa de PósGraduação em Artes da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Artes Visuais.

Essa pesquisa discute a problemática que envolve a conservação de arte contemporânea, na utilização pelos artistas, de materiais plásticos em suas obras. A obra escolhida como estudo de caso foi a Fonte das Nanás, de autoria de Niki de Saint Phalle é constituída por resina de poliéster e fibra de vidro e integra o acervo da Pinacoteca . A escolha partiu do fato da obra apresentar deteriorações da sua camada de pintura e do verniz de proteção, devido à contínua exposição aos fatores ambientais e pela própria concepção da obra como uma fonte d’água. Esse trabalho reúne um conjunto de estudos que abrangem a pesquisa histórica e conceitual da artista e das suas relações com outros artistas e movimentos, incluindo as análises do material constituinte da obra, o método construtivo, seu estado de conservação e as condições ambientais do espaço expositivo. A Pinacoteca me apoiou no contato com importantes instituições internacionais, como o Getty Conservation Institute (GCI), Niki Charitable Art Foundation (NCAF), como também para minha participação em congressos e seminários sobre o tema. A instituição me facilitou o acesso aos museus que possuem obras da artista, para a aquisição de bibliografia específica, além da organização, em 2012, de uma Jornada Técnica sobre os materiais plásticos de seu acervo artístico. Um levantamento minucioso nas obras constituídas por esses materiais foi realizado por mim, para a caracterização dos polímeros base de cada obra. Essas informações serão inseridas, em curto prazo, no banco de dados do museu, o que será de enorme relevância para a conservação, acondicionamento, manuseio e exibição dessas obras...[+]

 


download gratuito

Os visitantes do Museu Paulista: um estudo comparativo com os visitantes da Pinacoteca do Estado e do Museu de Zoologia

Adriana Mortara Almeida
Anais do Museu Paulista
2004

Neste artigo pretende-se discutir as diferenças entre os públicos de museus de história, arte e ciência, com um aprofundamento nas motivações e expectativas dos visitantes. Para o Museu Paulista apresentarei de forma detalhada a “fala” dos visitantes em relação aos benefícios da visita e ao que mais gostaram, dando uma leitura preliminar de seu conteúdo.Dessa maneira, pensa-se em colaborar para o desenvolvimento dos estudos de públicos no Brasil, ainda pouco sistemáticos, mas que permitem aos museus conhecer seus públicos e assim criar e aperfeiçoar seus programas, de acordo com sua missão, mas com uma visão mais clara dos seus interlocutores/visitantes e até de seus “não-visitantes”. Inicialmente, discutirei a questão da tipologia dos museus, por ser a base da hipótese de pesquisa, ou seja, se o perfil, as motivações e expectativas dos públicos variam conforme o tipo de museu. Em seguida, apresentarei referenciais teóricos e estudos que nortearam a metodologia e alguns dos resultados obtidos.Na última parte, descreverei as respostas dos visitantes do Museu Paulista às questões abertas, procurando identificar as leituras das exposições apresentadas, na visão do receptor/visitante.Este trabalho abriu um conjunto de questões para novas investigações sobre as condições dos visitantes e suas leituras das exposições...[+]

 


download gratuito

Mudanças na função e na imagem do museu de arte: o caso Pinacoteca

Edson do Prado Pfutzenreuter
Jade Samara Piaia
Líbero
2014

Este trabalho trata da comunicação visual dos museus de arte do Estado de São Paulo. Atualmente o papel dos museus de arte no Brasil tem mudado, o que podemos observar em levantamentos internacionais sobre a visitação em mostras de arte. O principal assunto é a identidade visual da Pinacoteca do Estado de São Paulo, exibida em uma exposi- ção que abrangeu desde o primeiro catálogo de 1912, até peças gráfi cas produzidas em 2012. A exposição permitiu observar como a Pinacoteca foi identifi cada visualmente em diferentes momentos históricos...[+]

 

download gratuito

Arte, pátria e civilização: a formação dos acervos artísticos do Museu Paulista e da Pinacoteca do Estado de São Paulo (1893-1912)

Pedro Nery
USP

A dissertação tem como objetivo analisar a formação da coleção artística do Estado de São Paulo, entre os anos de 1893 e 1912, tratando de sua história no âmbito de instauração da República e da constituição de instituições de guarda e exposição de objetos artísticos. Observa as primeiras aquisições destinadas ao Museu Paulista (Monumento do Ipiranga) entre 1893 e 1904, a transferência de uma parcela dessas obras de arte para fundar a Pinacoteca do Estado de São Paulo em 1905 e o alargamento da coleção desta última instituição até 1912, quando suas atividades são regulamentadas. Essas aquisições ocorrem no momento de ascensão, tanto econômica quanto política, do Estado de São Paulo, quando seus dirigentes passam a instaurar novas perspectivas sobre a história de São Paulo em confluência com essa situação privilegiada. A dissertação busca compreender a historicidade das aquisições em conjunto com os discursos dos próceres do Estado de São Paulo, analisando as articulações históricas de construção de narrativas cívicas por meio da coleção de arte. Busca também observar conexões entre a formação da coleção e seus contextos: museológico, historiográfico e da produção artística brasileira. A trajetória da coleção é percebida em relação aos nexos formativos de um campo artístico na cidade de São Paulo, pois sua constituição permite também observar movimentos desse campo, até o museu tornar-se efetivamente parte oficial da engrenagem social do circuito artístico na metrópole. Investigando o movimento histórico de atribuição de valores e representações públicas almejadas por políticos, artistas e a opinião pública de seu tempo, a pesquisa busca a compreender a inserção da coleção do museu na cultura artística, política e institucional da São Paulo no entresséculos XIX e XX...[+]

 


download gratuito

Reciclagem de uso e preservação arquitetônica

Joel Gorski
UFRGS
2003

Dissertação de mestrado apresentada como requisito parcial para obtenção de título de mestre em arquitetura.

O presente trabalho constitui-se numa reflexão acerca das possibilidades que se abrem para a preservação de bens arquitetônicos, na medida em que se viabiliza sua utilização por funções distintas das que originalmente levaram a sua construção. São analisados aspectos relativos à evolução das preocupações com a preservação de edificações de caráter histórico e excepcional, assim como da chamada arquitetura vernacular. Recebem especial atenção questões vinculadas a políticas públicas e à prática da arquitetura envolvidas nas intervenções realizadas em preexistências. A análise de projetos de variadas escalas e repercussões serve de pano de fundo para a discussão de metodologias e procedimentos empregados por arquitetos em diversas realidades. O estudo procura identificar os principais temas que se fazem presente quando a arquitetura proposta tem como ponto de partida uma arquitetura já existente...[+]

 


Pinacoteca do Estado: a história de um museu

Márcia Camargos
Marcelo Mattos Araújo
Pinacoteca do Estado
2007

Esta obra visa comemorar centenário da Pinacoteca do Estado e oferecer uma visão histórica do museu de arte de São Paulo. O livro traz imagens do espaço e das obras do museu...[+]

Edição usada disponível nos sebos da
Estante Virtual

 


PINACOTECA DO ESTADO. CATÁLOGO GERAL DE OBRAS

Imesp
1988

 

Edição usada disponível nos sebos da
Estante Virtual

 


download gratuito

Pinacoteca do Estado de São Paulo: proposta de estudo publicitário para um museu de arte estatal

Ana Grazielle de Sá ALMEIDA
André da Rocha PINA
Diego Felipe Cezar ESTEVES
Rodrigo Barreto BEZERRA
Prof. Dr. José Mauricio Conrado Moreira da SILVA6
Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação
2013

O presente trabalho teve como objetivo um estudo, sob a ótica de propaganda, marketing e design, da Pinacoteca do Estado de São Paulo, e para tal, utilizamos estudos sobre o contexto histórico e ainda uma pesquisa quantitativa descritiva. Esta análise visa compreender o motivo que leva o museu a ter menos visitantes do que poderia e propor uma solução a esta situação de marketing. O tema pode servir como ferramenta para a compreensão e planejamento de toda comunicação publicitária em prol da cultura...[+]

 

Livro: Arte Brasileira na Pinacoteca do Estado de São Paulo. Disponível na Livraria Cultura

Arte Brasileira Na Pinacoteca do Estado de São Paulo

Taisa Helena Pascale Palares (organizadora)
Imesp
2010

Em 'Arte Brasileira na Pinacoteca do Estado de São Paulo' alguns críticos e historiadores nacionais fazem uma análise sobre as obras do acervo da Pinacoteca. Em 240 páginas ilustradas, o livro traz também um resumo das leituras monográficas apresentadas por especialistas em um ciclo de 16 conferências realizadas em 2003 e um registro histórico da arte brasileira e da Pinacoteca, desde a sua fundação. O livro inclui análises de mestres como Carlos Lemos, José Roberto Teixeira Leite, Luciano Migliaccio, Aracy Amaral e Tadeu Chiarelli, que analisam obras e artistas da arte brasileira - Almeida Junior, Pedro Américo, Di Cavalcanti, Tarsila do Amaral, Lasar Segall, Cândido Portinari, Anita Malfatti e Victor Brecheret...[+]

 


download gratuito

PROPOSTAS DA AÇÃO EDUCATIVA DA PINACOTECA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Milene Chiovatto
Pinacoteca do Estado
Fundação Casa de Rui Barbosa
2006

Este texto visa apresentar a Ação Educativa da Pinacoteca do Estado de São Paulo. Por meio de programas independentes que atuam de forma integrada, esta área do museu busca garantir a ampla acessibilidade à Pinacoteca e promover a qualidade da experiência do público no contato com as obras de seu acervo. É nosso interesse, ainda, transformar grupos não freqüentadores de museus e demais equipamentos culturais, em público recorrente...[+]

 



Pinacoteca 100 Anos destaque do acervo

Marcelo Matos Araújo
(organizador)
Pinacoteca do Estado
2005

A Pinacoteca do estado em São Paulo comemorou em 2005 o seu primeiro centenário de existência. Fundada em 1905, pelo governo do estado de São Paulo, a Pinacoteca é o museu de arte mais antigo em São Paulo...[+]

Edição usada disponível nos sebos da
Estante Virtual

 


download gratuito

Velha-nova Pinacoteca: de espaço a lugar

Fábio Müller
Vitruvius
2000

Prelúdio: a simultaneidade da dicotomia: o novo e o preexistente. Não deveria haver o problema específico da intervenção arquitetônica em preexistências, somente o problema único da arquitetura. A intervenção em preexistências é essencialmente Arquitetura, com A maiúsculo: concepção que transcende a mera recuperação estilística e estrutural e os fatores técnicos e construtivos da materialidade da obra... [+]

 


Escultura brasileira da Pinacoteca ao Jardim da Luz

Agnaldo Farias
Pinacoteca do Estado
2000

Fotografias e informações sobre o projeto e aas esculturas a Pinacoteca do Estado expostas no Jardim da Luz...[+]

Edição usada disponível nos sebos da
Estante Virtual

 

home      moyarte      não-diário      contato