Moyarte. Mônica Yamagawa.
Mônica Yamagawa
Home: página inicialMoyarte: perfil no FacebookMoyarte: perfil no InstagramMoyarte: perfil no Twitter
contato@moyarte.com.br

Centro de São Paulo

Beco do Pinto

Beco do Colégio

Beco da Marquesa

logradouros do centro de são paulo

atualizado em: 23 de novembro de 2020

 

home > logradouros > Beco do Pinto, Beco do Colégio, Beco da Marquesa

 

O documento mais antigo que menciona o Beco do Colégio ou Beco do Bispo data de 1802, porém, provavelmente, essa travessa já existia há anos (talvez, séculos), servindo de acesso entre o Pátio do Colégio e o Rio Tamanduateí.

 

Segundo as pesquisas de Martins (2003):

"Na Rua do Carmo, desde tempos imemoriais, existe também um beco, denominado por uns do Colégio, e por outros, do Pinto, o qual foi aberto para servidão da Várzea do Carmo, tendo 19 palmos e meio de largura.

Este beco, que hoje está fechado, fica entre as casas que pertenceram ao Brigadeiro Joaquim José de Moraes Leme e ao Padre João José Vieira Ramalho, e a requerimento dos mesmos, foi procedida, em 1826, na presença do juiz de fora presidente, vereadores e procurador do Senado da Câmara, uma vistoria nele, para o fim de ser conservado aberto, não só para utilidade pública, como para harmonizar aqueles dois ricos proprietários, que, por causa do referido beco, não viviam em boa paz."

[MARTINS, Antonio Egydio. São Paulo Antigo - 1554-1910. Coleção São Paulo: volume 4. São Paulo: Paz e Terra, 2003, p. 99.]

 

 

Ainda de acordo com Martins (2003, p. 177), em março de 1896, com o desabamento da Igreja do Colégio, o beco foi utilizado para guardar os materiais recolhidos do desabamento para reutilização posterior.

 

 

O "logradouro" localizado entre a Antiga Casa Número 1 (hoje, Casa da Imagem) e o Solar da Marquesa, foi motivo para várias discussões e litígios entre os moradores dos seus arredores, entre eles, o Brigadeiro Joaquim J. Pinto de Moraes Leme, a Marquesa de Santos, o Conselheiro Ramalho, entre outros. É provável que o atual alinhamento do beco, com suas escadarias, tenha sido resultado desses embates. Lembrando que antes da existência dos encanamentos de água, acessar o Rio Tamanduateí significava acesso à água para consumo residencial, o rio também era usado para lavar roupas e despejo de lixo.

"Em 1850, foi transformado em depósito de lixo, ao perder sua importância como acesso, face à concorrência de novas ruas e ladeiras menos íngremes e calçadas. Quando a casa número1 da antiga Rua do Carmo foi ocupada pela Chefatura de Polícia nos fins do século XIX, o beco foi fechado e suas escadarias ocupadas por anexos daquela instituição. Nessa mesma época, o prolongamento da atual Rua Bittencourt Rodrigues cortou o beco ao meio, surgindo da sua continuação uma nova rua com o nome de Travessa Luís Teixeira.

Parte importante da história desse logradouro foi reconquistada através de prospecções e escavações arqueológicas efetuadas no primeiro semestre de 1980 e que evidenciaram uma superposição de pisos provenientes de várias etapas de uso do beco."

[BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos, EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A e SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento, 1984, p.233.]

 

 

[+] conheça a história de outros
logradouros do centro de são paulo

 

 

referências bibliográficas

BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos, EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A e SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento, 1984.

MARTINS, Antonio Egydio. São Paulo Antigo - 1554-1910. Coleção São Paulo: volume 4. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

 

 

dicionário do centro de são paulo

[clique nas letras para acessar a listagem de verbetes disponíveis]

 

A

B

C

D

E

F

G

H

I

J

K

L

M

N

O

P

Q

R

S

T

U

V

W

X

Y

Z

 

história do centro de são paulo: cronologia

Informações sobre a história do Centro de São Paulo organizadas por séculos e divididas por décadas para facilitar a pesquisa.

[+] leia mais

história do comércio do centro de são paulo

Informações sobre estabelecimentos comerciais, bancários, educacionais e outros relacionados ao setor terciário, que existiram no Centro de São Paulo, assim como, estabelecimentos históricos que ainda funcionam na região.

[+] leia mais

dicionário online sobre o centro de são paulo

Verbetes sobre o Centro de São Paulo: moradores, estabelecimentos comerciais, edificações, entre outros.

[+] leia mais

história dos logradouros do centro de são paulo

Informações sobre os logradouros localizados no Centro de São Paulo, incluindo os que desapareceram com as alterações urbanas realizadas desde a fundação da cidade.

[+] leia mais

biblioteca online sobre o centro de são paulo

Indicações de livros, artigos, sites, vídeos sobre o Centro de São Paulo.

[+] leia mais

patrimônio cultural do centro de são paulo

Informações sobre bens tombados, legislação, tombamento do Iphan, Condephaat e Conpresp. Notícias sobre os bens tombados. Projetos de requalificação urbana e preservação do patrimônio cultural tombado.

[+] leia mais

home            sobre o moyarte            contato