Moyarte. Mônica Yamagawa.
Mônica Yamagawa
Home: página inicialMoyarte: perfil no FacebookMoyarte: perfil no InstagramMoyarte: perfil no Twitter
contato@moyarte.com.br

Centro de São Paulo

Botequim Paulistano

Alexandre Planet

Secos & Molhados de Alexandre Planet

travessa do rozario, 10 (1875-1876) - botequim paulistano
travessa do rozario, 12 (1878) - secos & molhados
rua do carmo, 66 (1879) - botequim paulistano

história do comércio do centro de são paulo

atualizado em: 6 de abril de 2021

 

home > história do comércio > Botequim Paulistano, Alexandre Planet

 

Em janeiro de 1875, Alexandre Planet anunciava a abertura de seu estabelecimento, na Travessa do Rosário, 10. O "bem sortido botequim", segundo anúncio publicado no Correio Paulistano, informava ao leitor seus serviços de "almoço às 9h da manhã e jantar às 3h da tarde" (os horário podem ser estranhos se comparados com os dias atuais, porém, é importante lembrar que não havia iluminação elétrica na década de 1870, o que dificultava a circulação noturna pela cidade). Além das duas refeições, o estabelecimento oferecia "café com leite, chocolate, chá" em qualquer horário do dia e da noite, além de "sala particular para pessoas que não quizerem (sic) ser vistas". No cardápio, estavam inclusas as "empadas de camarão", a partir das duas horas da tarde. No final do mês, além dos pastéis de camarão, o estabelecimento oferecia "empadas de galinha, pasteis de carne, croquetes, comida a qualquer hora do dia".

 

[CORREIO PAULISTANO, n.5484, 1 Jan. 1875.]

 

Em sua tese, Vanessa dos Santos Bodstein Vivar (2007), informa que Alexandre era francês e irmão de José (proprietário do Hotel da Europa). Através de sua pesquisa, descobrimos que o termo "mesa redonda" significava "ceia coletiva",

"Alexandre Planet tinha dois diferenciais. Um no tocante à privacidade burguesa que começava se processar, tanto nso restaurantes da França, como neste de São Paulo, 'havendo sala particular para pessoas que não quiserem ser vistas'. E o outro era o do cosmopolitismo que fazia questão de frizar, pois no estabelecimento falava-se alemão, francês e português. O que detona uma simbiose cultural no trabalho para além dos pportugueses e africanos, as nacionalidades que mais se sobressaíam em termos numéricos do período pré-imigração de massa foram a de alemães e franceses, cuja proximidade em termos de interações na vida cotidiana era patente."

[BIVAR, Vanessa dos Santos Bodstein. Vivre à St. Paul: os imigrantes franceses na São Paulo oitocentista. Tese. FFLCH - USP, 2007.]
OBSERVAÇÃO: o MOYARTE ainda não localizou a imagem do anúncio mencionado por Bivar (2007) sobre o atendimento em línguas estrangeiras (francês e alemão), mencionados pela pesquisadora.

 

[CORREIO PAULISTANO, n.5507, 31 Jan. 1875.]

 

Em fevereiro de 1875, além dos quitutes anunciados anteriormente, Alexandre Planet incluiu a oferta de "peixe de Santos" - lembrando que a ferrovia Santos-Jundiá foi inaugurada em 1867, facilitando o transporte entre a cidade de Santos e a capital paulista:

[CORREIO PAULISTANO, n.5516, 14 Fev. 1875.]

 

O anúncio acima também fornece uma informação interessante: a de que Alexandre Planet, proprietário do botequim era um cozinheiro conhecido na cidade. No entanto, sobre isso, BIvar (2007) discorre que

"na realidade, nenhum desses proprietários de restaurante, fosse em hotel ou não, eram experts em cozinha, nem detinham o savoir-faire, mas aventuravam-se alugando escravos mais versados na preparação de alimentos e um ou outro francês que se denominava cozinheiro, porém cujos conhecimentos deveriam ser rudimentar. Improvisar papéis, segundo a onda da influência cultural, era estratégia de sobrevivência de muitos franceses."

[BIVAR, Vanessa dos Santos Bodstein. Vivre à St. Paul: os imigrantes franceses na São Paulo oitocentista. Tese. FFLCH - USP, 2007.]

 

[CORREIO PAULISTANO, n.5549, 25 Mar. 1875]

 

[CORREIO PAULISTANO, n.5636, 18 Jul. 1875.]

 

[CORREIO PAULISTANO, n.5765, 25 Dez. 1875.]

 

No anúncio acima, além do cardápio já mencionado em publicações anteriores, o texto informa que os pratos de Alexandre Planet não eram servidos apenas no estabelecimento, sendo possível comprar para o que nos dias de hoje, chamamos de "para viagem": "As familias que quizerem (sic) podem mandar procurar das duas horas em diante que as acharão promptas".

Em 1 de janeiro de 1876, o Botequim Paulistano anunciava seus serviços com detalhes no Correio Paulistano:

"Attenção

No Botequim paulistano, na travessa do Rosário, em frente ao telegrapho, comidas a qualquer hora do dia, haverá mesa redonda as 9 horas da manhã e as 3 horas da tarde chocolate e café: recebe-se qualquer encomenda que quizerem, por preço rasoável. Todos os domingos e dias santos haverá empadas e pastéis de camarão e outros petiscos que desejarem.

Hoje dia de Anno Bom, haverá empadas e pastéis de camarões; espera-se a concorrencia do Respeitavel Publico.

São Paulo, 1o. de janeiro de 1876."

[CORREIO PAULISTANO, n.5770, 1 Jan. 1876.]

 

[CORREIO PAULISTANO, n.5770, 1 Jan. 1876.]

 

No Diário de S.Paulo, há uma nota sobre a filha "legítima" de Alexandre Planet e Catharina Planet, chamada Mathilde, que nasceu em 29 de fevereiro de 1876 e foi batizada no dia 13 de agosto de 1876, na Sé [DIÁRIO DE S.PAULO, n.3233, 16 Set. 1876].

 

[CORREIO PAULISTANO, n.6122, 9 Mar. 1877.]

 

Em junho de 1877, Alexandre Planet publicou uma nota no Correio Paulistano, informando que vendeu o Botequim Paulistano para Francisco C. Messa (? Mesna), então localizado na Rua do Rozário, 10 e na mesma nota, avisava aos leitores que continuava como proprietário do estabelecimento de secos e molhados localizado no número 12 do mesmo logradouro.


[CORREIO PAULISTANO, n.6175, 5 Jun. 1877.]

 

Na Sessão Ordinária de 2 de Agosto de 1877, da Cãmara Municipal de São Paulo, leu-se o seguinte ofício:

"Do Engenheiro Fernando de Albuquerque de 30 de Junnho findo, dando informações sobre o predio em construcção na Travessa do Rozario, que foi por elle examinado e que pertence a Alexandre Planet - Ao mesmo Engenheiro para informar sobre o laudo do perito por parte de Alexandre Planet."

[ATAS DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO: Sessão Ordinária de 2 de Agosto de 1877.]

 

E na Sessão Ordinária de 10 de Agosto de 1877:

"Do engenheiro Fernando de Albuquerque; de 8 do corrente, dando as informações pedidas em officio de 3 do mesmo acerca do predio em construcção na Travessra do Rozario pertencente a Alexandre Planét. - O Fiscal intime ao proprietario que sobre as bases propostas pelo Engenheiro da Camara modifique a obra começada."

[ATAS DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO: Sessão Ordinária de 10 de Agosto de 1877.]

 

Com base no anúncio publicado em junho de 1877, a construção mencionada na sessão ordinária, provavelmente, estava relacionada com o estabelecimento de secos e molhados e não mais com o Botequim Paulistano. E no "Indicador de São Paulo: Administrativo, Judicial, Industrial, Profissional e Comercial (SP) - 1878", está registrado na lista de "Lojas de molhados e generos do paiz": Alexandre Planet, Travessa do Rosário, 12.

Em 1878, no obituário publicado no Correio Paulistano, há informação que no dia 23 de dezembro foi sepultada "Regenia, preta, 18 mezes, filha de Alexandre Planet", que faleceu de "catarro suffocante". É interessante observar que anteriormente, foi mencionada a filha Mathilde (1876), descrita no texto como "legítima", termo incluido no texto sobre o batizado, juntamente com o nome da mãe - Catharina -, nesse, Regenia é descrita como "preta". Não há detalhes sobre nas notas sobre a mãe da criança, porém, em 1876/1878, ainda existiam escravos, uma vez que a Lei Áurea foi assinada em 1888, então, a menção no jornal da cor da pele da criança que faleceu pode ser indicação de uma filha ilegítima, com uma amante ou escrava, ou, até mesmo, uma filha adotiva, porém, tais possibilidades são meras suposições [CORREIO PAULISTANO, n.6632, 27 Dez. 1878].

Em 1879, há informação sobre a venda do "Botequim Paulistano", porém, o endereço mencionado é Rua do Carmo, 66. Apesar do nome do estabelecimento ser o mesmo, não há detalhes que possam confirmar que o estabelecimento mencionado é o mesmo da Travessa do Rosário, que pertenceu a Alexandre Planet. O texto do anúncio menciona o motivo da venda: o proprietário irá para Europa para tratar da saúde - como também não menciona o nome, não é possível confirmar que se trata de Francisco C. Messsa (? Mesna).

 

[JORNAL DA TARDE, n.288, 20 Ago. 1879.]

 

Em 1879, há um anúncio do "Botequim Paulistano", porém na Penha, talvez, Francisco Lopes Sertan tenha comprado o botequim de Francisco C. Messa (? Mesna). Mas, como o Botequim Paulsitano da Rua do Carmo, não é possível afirmar que este era o antigo estabelecimento de Alexandre Planet ou apenas um novo estabelecimento com o mesmo nome:

[JORNAL DA TARDE, n.297, 30 Ago. 1879.]

 

Em 1893, uma nota no Correio Paulistano, informa que no dia 1 de junho de 1893, casaram-se na Igreja da Consolação Benedicto Garcia e Mathilde Catharina Planet - provavelmente, a filha de Alexandre Planet e Catharina Planet.

 

 

referência bibliográficas

ATAS DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO: Sessão Ordinária de 2 de Agosto de 1877.
ATAS DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO: Sessão Ordinária de 10 de Agosto de 1877.

BIVAR, Vanessa dos Santos Bodstein. Vivre à St. Paul: os imigrantes franceses na São Paulo oitocentista. Tese. FFLCH - USP, 2007.

CORREIO PAULISTANO, n.5484, 1 Jan. 1875.
CORREIO PAULISTANO, n.5507, 31 Jan. 1875.
CORREIO PAULISTANO, n.5516, 14 Fev. 1875.
CORREIO PAULISTANO, n.5549, 25 Mar. 1875.
CORREIO PAULISTANO, n.5636, 18 Jul. 1875.
CORREIO PAULISTANO, n.5765, 25 Dez. 1875.
CORREIO PAULISTANO, n.5770, 1 Jan. 1876.
CORREIO PAULISTANO, n.6122, 9 Mar. 1877.
CORREIO PAULISTANO, n.6175, 5 Jun. 1877.
CORREIO PAULISTANO, n.6632, 27 Dez. 1878.

DIÁRIO DE S.PAULO, n.3233, 16 Set. 1876.

INDICADOR DE SÃO PAULO: ADMINISTRATIVO, JUDICIAL, INDUSTRIAL, PROFISSIONAL E COMERCIAL (sp) - 1878.

JORNAL DA TARDE, n.288, 20 Ago. 1879.
JORNAL DA TARDE, n.297, 30 Ago. 1879.

 

 

 

dicionário sobre o centro de são paulo

[clique nas letras para acessar a listagem de verbetes disponíveis]

 

A

B

C

D

E

F

G

H

I

J

K

L

M

N

O

P

Q

R

S

T

U

V

W

X

Y

Z

 

 

história do centro de são paulo: cronologia

Informações sobre a história do Centro de São Paulo organizadas por séculos e divididas por décadas para facilitar a pesquisa.

[+] leia mais

história do comércio do centro de são paulo

Informações sobre estabelecimentos comerciais, bancários, educacionais e outros relacionados ao setor terciário, que existiram no Centro de São Paulo, assim como, estabelecimentos históricos que ainda funcionam na região.

[+] leia mais

dicionário online sobre o centro de são paulo

Verbetes sobre o Centro de São Paulo: moradores, estabelecimentos comerciais, edificações, entre outros.

[+] leia mais

história dos logradouros do centro de são paulo

Informações sobre os logradouros localizados no Centro de São Paulo, incluindo os que desapareceram com as alterações urbanas realizadas desde a fundação da cidade.

[+] leia mais

biblioteca online sobre o centro de são paulo

Indicações de livros, artigos, sites, vídeos sobre o Centro de São Paulo.

[+] leia mais

patrimônio cultural do centro de são paulo

Informações sobre bens tombados, legislação, tombamento do Iphan, Condephaat e Conpresp. Notícias sobre os bens tombados. Projetos de requalificação urbana e preservação do patrimônio cultural tombado.

[+] leia mais

home            sobre o moyarte            contato