Moyarte. Mônica Yamagawa.
Mônica Yamagawa
Home: página inicialMoyarte: perfil no FacebookMoyarte: perfil no InstagramMoyarte: perfil no Twitter
contato@moyarte.com.br

Centro de São Paulo

Américo Brasílio de Campos

dicionário online sobre o centro de são paulo

atualizado em: 18 julho 2020

 

home > dicionário > américo de campos

 

Américo Brasílio de Campos, nasceu em Bragança Paulista/SP, em 12 de agosto de 1838, filho de Bernardino José de Campos (natural da Bahia e formado pela Academia de Direito de São Paulo, em 1834). Foi um dos editores do semanário humorístico Cabrião (1866 - 1867); na época em que circulou o periódico, Campos era, também, diretor e redator do Correio Paulistano - cargo que assumiu em 1865.

Formado pela Academia de Direito, em 1860, após a conclusão do curso, exerceu o cargo de promotor público em Itu, até o ano de 1863.

Segundo a descrição de Almeida Nogueira:

"De estatura meã, cabelos crespos tirando para o louro e formando touceira no lato a cabeça; pouca barba, da mesma cor dos cabelos, olhos mortos, expressão melnacólica. De temperamento nada expansivo; excêntrico, humor vário e desigual; sem a jovialidade peculiar aos estudantes. Inteligência, porém, vivíssima, e alma de artista. Amava apaixonadamente a música e tocava violino, poucas vezes, é verdade, porém... mal.

Durante seu curso jurídico, estudou astronomia, história, literatura, filosofia, estética, música, etc. Tudo estudava com ardor, com avidez, tudo, menos - Direito.

Não trazia então o seu característico e inseparável cache-nez ou pala dobrada, sobre os ombros; em compensação, usava já então chepéu mole, a velocípede, embora envergando casaca. E desta não se podia dispensar, já porque era o traje da moda, muito ususal no traquejo diário, como também porque, de outro modo, alguns lentes, verbi gratia o Veiga Cabral, não deixariam de notar com desfavor a falta de compostura no vestuário.

(...)

Outra originalidade característica do Américo era a sua paixão pelo açúcar, a ponto de adubar com ele a comida. Não se limitava a apreciá-lo, como toda a gente, em dose discreta, na ervilha e nos pastéis de carne; deitava açúcar em todos os pratos, na sopa, no feijão (como nele se põe farinha, à brasileira, no peru e no roast-beef, como os alemães; e também no arroz, nos guizados, no leite, nas frutas, etc. etc. Estamos a postar que ele deitava açúcar até no melado e na cocada."

[NOGUEIRA, Almeida. Academia de São Paulo: tradições e reminiscências: volume 5. São Paulo: Saraiva, 1977, 98-100.]

"Boêmio incorrigível, culto e talentoso, manifestava incontido entusiasmo pela música e por certos estudos, não pelos seus resultados, mas por eles mesmos, ao contrário de seu irmão mais jovem, Bernardino de Campos, sempre dedicado às coisas chamadas úteis da vida.

Nos seus tempos de estudante andara em companhia de Fagundes Varela, do musicista Emílio do Lago, do clarinetista Henrique Levy, Huascar de Vergara e Ferreira de Menezes, em serenatas inesquecíveis.

Amigo de Carlos Gomes, do Maestro Elias Álvares Lobo, paulista de Itu, era Américo de Campos profundo conhecedor de música. Além de brilhante jornalista, teve grande influência no desenvolvimento da educação musical da Paulicéía."

[SANTOS, Délio Freire dos. Cabrião: seminário humorístico editado por Ãngelo Agostini, Américo de Campos e Antônio Manoel dos Reis, 1866 - 1867. São Paulo: Unesp, Imesp, 2001.]

Após o Cabrião, de 1875 a 1884, fundou e dirigiu, com Francisco Rangel Pestana e José Maria Lisboa, o jornal A Província de São Paulo que, com a proclamação da República, foi rebatizada como O Estado de S. Paulo.

Em 1884, com José Maria Lisboa, fundou o Diário Popular, para o qual redigiu seus artigos até o ano de 1890. E, juntamente com Américo Brasiliense, Luiz Gama, Betholdi Jayme Serva, Amelung, entre outros, foi um dos fundadores da Loja América, "instituída sob roupagens maçônicas" (NOGUEIRA, 1977, p. 100), mas, na prática, um centro de propaganda abolicionista e republicana.

Foi casado com Dona Anna Amalia Peixoto de Campos, com quem teve seis filhos. Em março de 1890 foi nomeado cônsul do Brasil em Nápoles, onde faleceu, em 20 de janeiro de 1900.

 

 

referências bibliográficas

 

AMARAL, Antonio Barreto do. Dicionário de história de São Paulo. Coleção Paulística. Volume XIX. São Paulo: Imesp, 2006.

NOGUEIRA, Almeida. Academia de São Paulo: tradições e reminiscências: volume 5. São Paulo: Saraiva, 1977.

SANTOS, Délio Freire dos. Cabrião: seminário humorístico editado por Ãngelo Agostini, Américo de Campos e Antônio Manoel dos Reis, 1866 - 1867. São Paulo: Unesp, Imesp, 2001.

 

 

verbetes individuais

[clique nas letras para acessar a listagem de verbetes disponíveis]

 

 

A

B

C

D

E

F

G

H

I

J

K

L

M

N

O

P

Q

R

S

T

U

V

W

X

Y

Z

 

 

história do centro de são paulo: cronologia

Informações sobre a história do Centro de São Paulo organizadas por séculos e divididas por décadas para facilitar a pesquisa.

[+] leia mais

história do comércio do centro de são paulo

Informações sobre estabelecimentos comerciais, bancários, educacionais e outros relacionados ao setor terciário, que existiram no Centro de São Paulo, assim como, estabelecimentos históricos que ainda funcionam na região.

[+] leia mais

dicionário online sobre o centro de são paulo

Verbetes sobre o Centro de São Paulo: moradores, estabelecimentos comerciais, edificações, entre outros.

[+] leia mais

história dos logradouros do centro de são paulo

Informações sobre os logradouros localizados no Centro de São Paulo, incluindo os que desapareceram com as alterações urbanas realizadas desde a fundação da cidade.

[+] leia mais

biblioteca online sobre o centro de são paulo

Indicações de livros, artigos, sites, vídeos sobre o Centro de São Paulo.

[+] leia mais

patrimônio cultural do centro de são paulo

Informações sobre bens tombados, legislação, tombamento do Iphan, Condephaat e Conpresp. Notícias sobre os bens tombados. Projetos de requalificação urbana e preservação do patrimônio cultural tombado.

[+] leia mais

home            sobre o moyarte            contato