Website de Mônica Yamagawa

CASA LEVY DE PIANOS

rua 15 de novembro, 33

história do comércio do centro de
são paulo

atualizado em: 18 de outubro de 2017

 

home > centro de são paulo > história do comércio > CASA LEVY DE PIANOS

Segundo Heloisa Barbuy, em "A Cidade-Exposição: comércio e cosmopolitismo em São Paulo, 1860 - 1914", em agosto de 1857, em anúncio no Correio Paulistano, Henrique Luiz (Henrique Luiz Levy) oferecia um "completo e variado sortimento de jóias" para os interessados, informando dois endereços para seus clientes: Hotel Lefèbre e Rua do Rosário, 2. Nesse último endereço, posteriormente, em parceria com Behrendt, Henrique Luiz Levy (Henri Louis Levy) instalou o "Ao Bouquet de Brilhantes", um estabelecimento que comercializava jóias provenientes da França e da Alemanha.

Porém, Henrique Luiz Levy ficou mais conhecido na história da cidade de São Paulo, com sua Casa Levy de Pianos, instalada na Rua 15 de Novembro 33, fundada em 1860. Segundo Heloisa Barbuy, o sobrado servia de estabelecimento comercial e moradia para a Família Levy.

Ainda no final do século XIX, estabelecimentos comerciais começavam a associar o nome de seus empreendimentos aos eventos culturais da cidade, por exemplo, em 1893, aconteceu o Primeiro Festival Alemão de Cantores do Brasil e os ingressos para o evento estavam à venda na Casa Levy; em 1890 e 1892, Benedito Calixto expôs seus quadros na Casa Levy.

Em 1902, a Casa Levy dividia o sobrado na Rua 15 de Novembro número 33, com a casa de modas Dona Juanita.

 

 

Fotografia de 1902, ao lado direito, a Casa Levy

FONTE DA IMAGEM: Fundação Energia e Saneamento

 

[Revista A Cigarra, 1914]

 

[+] Outros estabelecimentos comerciais que fizeram parte da História do Centro de São Paulo

[Correio Paulistano, Anno XXIII, Número 5807: 18 de fevereiro de 1876]

 

[Diário de S.Paulo, Anno XIII, Número 3621: 16 de janeiro de 1878]

 

CENTRO DE SÃO PAULO

BIBLIOGRAFIA


Vida Cotidiana em São Paulo no Século XIX

Carlos E.M. de Moura
Edusp
2013

Os escritos selecionados para este livro apresentam a cidade de São Paulo no momento de transição entre a pequena vila dedicada à subsistência e a prosperidade decorrente do cultivo do café. São escritos diversos, como memórias, depoimentos, evocações, peças de teatro, que procuram reconstituir os contornos da cidade e de sua província. Os variados depoimentos oferecem um quadro da vida paulista, observada a partir de diversos ângulos e interesses, e deles emerge uma visão abrangente do cotidiano na cidade e no campo, observado por contemporâneos que o vivenciaram. A coletânea conta com textos de Aluísio de Almeida, D. Maria Paes de Barros, o Diário da Princesa Isabel, duas peças de teatro de autores paulistas, acompanhados de comentários de especialistas, e de um levantamento iconográfico de autoria do organizador, composto de desenhos e aquarelas de viajantes que aqui estiveram na primeira metade do século XIX...[+]

 


A CIDADE-EXPOSIÇAO

Heloisa Barbuy
Edusp
2006

O livro analisa o microterritório formado pelas três principais ruas comerciais na passagem do século XIX para o XX - ruas 15 de Novembro, Direita e de São Bento, que compunham o chamado Triângulo - tendo como eixo as casas de comércio da região. Com isso, o livro proporciona a compreensão do desenvolvimento da cidade refletido, por exemplo, na introdução gradual de uma estética cosmopolita tanto na arquitetura dos edifícios quanto na exibição de produtos ou cartazes publicitários. A união entre texto e ilustrações reconstrói o cenário do triângulo central de São Paulo, levando o leitor a conhecer os pormenores das fachadas e dos interiores das edificações da época numa imersão lenta e intensa nos processos por meio dos quais a cidade se reinventa...[+]

 



home      moyarte      não-diário      contato