Website de Mônica Yamagawa

R : VERBETE

dicionário do centro de são paulo

atualizado em: 26 de agosto de 2017

 

home > centro de são paulo > dicionário do centro de são paulo > letra R

letra Q < letra R > letra S

 

RAMALHO, JOÃO:

Junto com Tibiriça, auxiliou o padre Manuel da Nóbrega na escolha do local para fundar o clégio-igreja da Companhia de Jesus. Tornou-se o 1o. Capitão-mor da Vila de São Pauloem 9 de julho de 1562, para liderar na guerra contra os índios Tamoios.

 

RATH, CARL FRIEDRICH JOSEPH (OU CARLOS RATH):

Artigo:

Carl Friederich Joseph Rath: o ‘higienismo’ na formação do corpus disciplinar do urbanismo a cidade de São Paulo. Ivone Salgado. Vitruvius. 2009.

Informações publicadas no Correio Paulistano (em 2 de janeiro de 1856), relacionadas a 51a. Sessão Ordinária aos 12 de dezembro de 1855, da Câmara Municipal. Problemas com a construção do Tanque do Zunega. Clique aqui, para acessar a informação.

Também publicado no Correio Paulistano (2 de janeiro de 1856), Carlos Rath é novamente mencionado, na 51a. Sessão Ordinária aos 12 de dezembro de 1855, da Câmara Municipal:

"EXPEDIENTE.

Leu-se. - Portaria do Exm. governo da provincia datada a 11 do corrente, comunicando que encarregara ao Dr. Carlos Rath de demarcar a largura que deve ter a estrada da capital a Santos, no lugar denominado Cambucy: onde João José Ferreira está edificando um predio, cuja construcção foi pela camara embargada; e igualmente remettendo o officio daquelle engenheiro em que dá conta do resultado de sua comissão, ficando assim satisfeita a requisição da mesma camara constante do seu officio de 5 do corrente. - Que se desembargue a obra e dese o alinhamento pedido pelo supplicante João José Ferreira."

[Correio Paulistano: 2 de janeiro de 1856, p.2.]

 

RECOLHIMENTO DE NOSSA SENHORA DA LUZ:

Fundado em 1774.

 

REICHERT, THEODORO:

Imigrante alemão, médico, além de atender a comunidade alemã, também atendia pacientes brasileiros. Além da medicina, chegou a ter sua própria casa bancária, começando suas atividades financeiras com pequenos empréstimos.

 

RELÓGIO DE NICHILE:

Informações sobre o tombamento municipal: CONPRESP - Resolução no . 04/89.

 

RESSURREIÇÃO, DOM FREI MANUEL DA:

3o. Bispo de São Paulo, nomeado em 1771. A fundação do Cemitério dos Aflitos, por volta de agosto de 1775, foi uma iniciativa de Dom Frei Manuel da Ressurreição, então Bispo de São Paulo, ao assumir o cargo de provedor da Santa Casa de Misericórida.

 

REVISTA DA SOCIEDADE PHILOMATICA:

Primeira revista literária-científica, publicada em São Paulo, em 14 de junho de 1833.

 

REZENDE, ESTEVÃO RIBEIRO DE:

Primeiro juiz de fora nomeado para a cidade de São Paulo, em 13 de maio de 1810. Futuro Marquês de Valença.

 

RIBEIRO, JOAQUIM ESTEVÃO:

Sobre ele, há um anúncio no Correio Paulistano, de 2 de janeiro de 1856:

"A administração da casa fallida de Joaquim Estevão Ribeiro, convida os devedores a mesma para satisfazerem seus debitos em casa do administrador Bernardino José Dias Torres. S.Paulo, 14 de dezembro de 1855 - Bernardino José Dias Torres de Oliveira - Barão do Tietê."

 

RICARDI, IRMÃOS:

Proprietários da Loja A Cidade de Londres.

 

RICARDO CIPICCHIA:

Escultor. Nasceu na Itália, em 1885, e veio para o Brasil, com os pais, aos dois anos de idade. Foi naturalizado brasileiro em duas ocasiões: por ocasião da “grande naturalização” (Proclamação da República) e, em 1910, ao ser nomeado professor de Escultura e Artes Decorativas da Escola de Aprendizes Artífices (em cujo cargo se aposentou em 1940).

Escultura: Contando a féria ou o engraxate e o jornaleiro - Praça João Mendes.

 

RINGAMANN, FREDERICO:

Segundo informação publicada no Correio Paulistano, no dia 2 de janeiro de 1856, Frederico Ringamann era um trabalhador alemão, naturald a Villa Janno do Reino da Prussia, que faleceu no dia 14 de dezembro de 1855, no Hospital da Misericórdia.

 

RIO TAMANDUATEÍ:

No passado era conhecido como Canal de Piratininga, passou a ser chamado de Rio Tamanduateí em 1559.

 

RODA DE EXPOSTOS:

Criada na Santa Casa de Misericórdia, em 1825, foi fechada em 1951.

 

ROTELLINI, VITALINO:

Fundador e primeiro diretor do jornal em italiano Fanfulla, criado em 2 de julho de 1893.

 

RUA 24 DE MAIO:

Informações sobre o tombamento municipal: CONPRESP - Resolução no . 06/91.

 

RUA 25 DE MARÇO:

Informações sobre o tombamento municipal: CONPRESP - Resolução no . 06/91.

 

RUA DA CONSTITUIÇÃO:

Atual Rua Florêncio de Abreu.

Por volta de 1830, Carlota Augusta Grefe de Borba, a "viúva Grefe", após se casar com um integrante da Família Borba, mudou-se da Colônia de Santo Amaro, para a Rua da Constituição, em uma casa coberta de telhas e firmada em paredes de mão, conhecida como "meia-água". A casa localizava-se em um terreno foreiro ao Mosteiro de São Bento e pagavam por essa moradia, o valor anual de 3$200. Além de servir de residência, no local também funcionava o negócio da família: armazém de secos e molhados.

 

RUA DA CRUZ PRETA:

Atual Rua Quintino Bocaiúva.

 

RUA DA FORCA:

Os poetas Bernardo Guimarães e Aureliano Lessa, moravam em uma república localizada nessa rua.

 

RUA DA IMPERATRIZ:

Atual Rua XV de Novembro.

 

RUA DA PALHA:

Atual Rua 7 de Abril.

 

RUA DE SANTA TERESA:

Nome antigo de parte da atual Rua Roberto Simonsen. O 1o. convento feminino, o Recolhimento de Santa Teresa, foi instalado nessa rua, em 1685.

 

RUA DE SÃO GONÇALO:

Segundo anúncio publicado no Correio Paulistano (2 de janeiro de 1856), Carlos Marquios, médico homeopata e mudou-se da antiga residência, que ficava na Rua do Rosário para um novo endereço, na Rua de São Gonçalo n.2, onde as pessoas que necessitassem dos seus serviços, poderiam procurá-lo a qualquer hora do dia.

 

RUA DIREITA:

No passado, século XVI, era conhecida como Rua Santo Antônio.

1856:

2 de janeiro: tráves de uma publicação no Correio Paulistano, o alfaiate Fresneau informa que sua loja mudou-se da Rua Direita, para o antigo endereço na Rua do Rosário. Clique aqui, para ver o anúncio.

2 de janeiro: o Correio Paulistano publica informações sobre o calçamento da Rua Direita

"CALÇADAS DA CIDADE. - O calçamento da rua Direita contratado pelo emprezario Sr. Marcellino Gerard vai progredindo convenientemente, e em breve estará concluido. Consta-se que o Sr. Marcellino Gerard tenciona apresentar uma proposta para o calçamento, pelo mesmo systema, de todas as ruas da capital, recebendo em pagamento prestações annuaes ou semestraes, em harmonia com as forças do nosso cofre provincial. parece que é este o meio mais vantajoso de possuir calçadas dignas deste nome. O emprezario tem proporções para esta consideravel empreza, e a fidelidade com que tem cumprido seus compromissos são a melhor garantia para a provincia."

[Correio Paulistano: 2 de janeiro de 2856, p.3.]

 

1914: estabelecimentos comerciais

Rua Direita n.8-A: A Cigarra
Rua Direita n.8-A: The Berlitz Schools Language
Rua Direita n.26 (1o. andar): A Equitativa dos E.U. do Brazil

 

RUA DO COMÉRCIO:

2 de janeiro de 1856: o anúncio no Correio Paulistano, informa que no número 35, funcionava a Casa de José Marques da Cruz (Secos & Molhados). Clique aqui para ver o anúncio.

Informações sobre o tombamento municipal: CONPRESP - Resolução no . 06/91.

 

RUA DO ROSÁRIO (OU ROZARIO):

1856: segundo anúncio publicado no Correio Paulistano (2 de janeiro de 1856), Carlos Marquios, médico homeopata e mudou-se da antiga residência, que ficava na Rua do Rosário para um novo endereço, na Rua de São Gonçalo n.2, onde as pessoas que necessitassem dos seus serviços, poderiam procurá-lo a qualquer hora do dia.

1856: em 2 de janeiro, atráves de uma publicação no Correio Paulistano, o alfaiate Fresneau informa que sua loja mudou-se da Rua Direita, para o antigo endereço na Rua do Rosário. Clique aqui, para ver o anúncio.

 

RUA DOS ESTUDANTES:

Abrigou o 1ao. Cemitério público de São Paulo, o Cemitério dos Aflitos, em 1775.

 

RUA FLORÊNCIO DE ABREU:

No século XIX, o nome desse logradouro era Rua da Constituição.

 

RUA JOÃO BRÍCOLA:

Informações sobre o tombamento muncipal: CONPRESP - Resolução no . 06/91.

 

RUA JOSÉ BONIFÁCIO:

Informações sobre o tombamento municipal: CONPRESP - Resolução no . 06/91.

 

RUA LÍBERO BADARÓ:

Nome antigo da rua: Rua Nova de São José.

Em 20 de novembro de 1830, Líbero Badaró, jornalista italiano, foi assassinado nessa rua, em frente à sua casa, na época chamada de Rua Nova de São José.

 

RUA NOVA DE SÃO JOSÉ:

Atual Rua Líbero Badaró. Em 20 de novembro de 1830, Líbero Badaró, jornalista italiano, foi assassinado nessa rua, em frente à sua casa.

 

RUA QUINTINO BOCAIÚVA:

No passado, o local era conhecido como Rua da Cruz Preta.

 

RUA ROBERTO SIMONSEN:

Antigamente esse logradouro era conhecido como Rua de Santa Teresa. O 1o. convento feminino, o Recolhimento de Santa Teresa, foi instalado nessa rua, em 1685, quando ainda era conhecida como Rua de Santa Teresa.

 

RUA SANTO ANTÔNIO (ANTIGA RUA DE):

A atual Rua Direita, no século XVI, era chamada de Rua Santo Antônio.

 

RUA SÃO BENTO:

Informações sobre o tombamento municipal: CONPRESP - Resolução no . 06/91.

1973: 1a. Casa da Ópera, inaugurada por volta de 1763, ficava na Rua São Bento.

1914:

Rua São Bento, 7: Casa Odeon
Rua São Bento, 23: Alfaiataria Acadêmica F.Infanti & Cia.
Rua São Bento, 58-A: Casa Arouche
Rua São Bento - Esquina Rua da Quitanda: R.M.S.P. - The Royal Mail Steam Paket Co. P.S.N.C. - The Pacific Steam Navigation Co.

 

RUA XV DE NOVEMBRO:

Informações sobre o tombamento municipal: CONPRESP - Resolução no . 06/91.

1914:

Rua 15 de Novembro, 6-A: Casa Faria (José da Costa Faria - Alfaiate)
Rua 15 de Novembro, 6-A: Casa Paiva
Rua 15 de Novembro, 48: Casa Netter
Rua 15 de Novembro, 50: Casa Amadeu
Rua 15 de Novembro, 50-A: Casa Levy
Rua 15 de Novembro, 50-B: Grande Atelieer Photográphico G.Sarracino

 

letra Q < letra R > letra S

 

CENTRO DE SÃO PAULO

CLIQUE NAS LETRAS ABAIXO PARA ACESSAR OS OUTROS VERBETES

 

 

 

A

B

 

C

D

E

F

G

H

I

J

K

L

M

N

O

P

Q

R

S

T

U

V

W

X

Y

Z

 


CAPITAL - SAO PAULO E SEU PATRIMONIO ARQUITETONICO

Juan Esteves
Antonio Carlos Abdalla
Imesp
2013

'A Secretaria de Estado da cultura de São Paulo tem imensa satisfação em apoiar a reedição do livro 'Capital - São Paulo e seu patrimônio arquitetônico, de Juan Esteves. Com curadoria de Antonio Carlos Abdalla, o conjunto de fotografias selecionadas oferece um amplo panorama da diversidade de edifícios de distintas naturezas que marcaram a capital paulista ao longo de sua história, especialmente os últimos 100 anos. Colocado em evidência no magistral registro de Juan Esteves, o patrimônio arqutetônico paulistano pode aqui ser apreciado nos detalhes que acabam por ficar invisíveis em meio à agitação cotidiana da metrópole. Ao dar merecida visibilidade aos edifícios retratados, esta publicação ajuda a sensibilizar para a necessidade de preservação desse patrimônio, uma importantíssima e difícil tarefa, que precisava envolver toda a sociedade.' - Marcelo Mattos Araujo...[+]

 


ARQUIVO HISTORICO DE SAO PAULO

Eudes Campos
Imesp
2011

Seleção de manuscritos, mapas, plantas, desenhos técnicos e fotografias, escolhidos dentre os mais de 4 milhões de itens pertencentes ao acervo do 'Arquivo Histórico de São Paulo', este livro busca compor um mosaico da história da cidade e ressalta a importância da conservação deste patrimônio diante dos desafios de compreensão do seu futuro...[+]

 


Patrimônio da metrópole paulistana

Margarida Cintra Gordinho
Iatã Cannabrava
Terceiro Nome
2010

Este livro apresenta, com fotos e textos, os bens tombados pelo Condephaat na cidade de São Paulo e em sua região metropolitana. Com ele, procuramos contribuir para amplir a possibilidade desses bens serem conhecidos, admirados e preservados, mantendo vivas as memórias e histórias que ajudam a construir nosso futuro...[+]

 


HISTORIA DOS VELHOS TEATROS DE SAO PAULO

Antonio Barreto do Amaral 
Imesp
2006

A Coleção Paulística trata de diversos aspectos da História do Estado de São Paulo, de sua formação e cultura, de alguns de seus municípios e de algumas de suas personalidades. Publicados em meados do século XX, esses volumes tiveram sua última edição entre as décadas de 1970 e 1980. A reedição revista e atualizada de 5 volumes mostra-se muito oportuna: a coleção está esgotada e os poucos volumes em circulação têm merecido o tratamento de obra rara. Disponibiliza-se, assim, a pesquisadores e estudiosos da história de São Paulo, bem como ao público em geral, importante parte da obra. Os exemplares selecionados, escritos por nomes relevantes da prosa paulista, cobrem desde a saga dos Bandeirantes até a história dos teatros paulistas, destacando-se o importante Dicionário de História de São Paulo...[+]

 

home      moyarte      não-diário      contato