Website de Mônica Yamagawa

I : VERBETE

dicionário do centro de são paulo

atualizado em: 10 de janeiro de 2019

 

home > centro de são paulo > dicionário do centro de são paulo > letra I

letra Hletra Iletra J

 

IÇÁ:

Tipo de formiga que era usada na alimentação no século XVI (provavelmente, até antes, pelos indígenas) e mencionada nas memórias de pessoas, com alimento na década de 1950. Também conhecida como Tanajura.

 

IDENTIFICAÇÃO DOS NOMES DAS RUAS:

10 de agosto de 1809: é determinado a numeração de todas as casas, identificação dos nomes das ruas (para facilitar a cobrança de impostos).

 

IGREJA DAS CHAGAS DO SERÁFICO PAI SÃO FRANCISCO

 

IGREJA DA ORDEM TERCEIRA DO CARMO:

Os membros da Ordem do Carmo chegaram em São Paulo no ano de 1592. Sobre o tombamento municipal: CONPRESP - Resolução no . 05/91 (tombamento "ex-officio").

 

IGREJA NOSSA SENHORA DA BOA MORTE

 

IGREJA NOSSA SENHORA DA LUZ

 

IGREJA NOSSA SENHORA DOS HOMENS PRETOS

Sobre o tombamento municipal: CONPRESP - Resolução no . 05/91 (tombamento "ex-officio").

Bibliografia:

BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos, EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A e SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento, 1984.

 

IGREJA DE SANTO ANTÔNIO

 

IGREJA DE SÃO CRISTÓVÃO:

Sobre o tombamento municipal: CONPRESP - Resolução no . 05/91 (tombamento "ex-officio").

Bibliografia:

BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos, EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A e SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento, 1984.

 

IGREJA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS DA VENERÁVEL ORDEM DOS FRADES MENORES

 

IGREJA DE SÃO GONÇALO

 

IGREJA DOS REMÉDIOS:

Concluída em 1836, e posteriormente demolida para dar lugar a atual Praça João Mendes.

 

IGREJA MARONITA CATÓLICA:

Voltada para as famílias libanesas, seu primeiro templo foi erguido no Parque Dom Pedro.

 

IGREJA MATRIZ:

A construção da primeira Matriz foi concluída em 1612.

 

ILUMINAÇÃO À GÁS:

Inaugurada na cidade em 1872.

 

ILUMINAÇÃO NA CIDADE:

28 de junho de 1854: Publicado no Correio Paulistano, sobre os problemas da falta de iluminação da cidade:

"CORRESPONDÊNCIAS
Sr. Redactor - Tem de realisar-se muito breve o contracto para a illuminação da cidade, e como eu sou um dos moradores de um dos arrabaldes da cidade, onde ha lampiões
pro formula, e que nunca se acendem, aproveito-me da sua renascida folha para pedir á S.Ex. que descarregue a mão no applicar as multas, visto que até o presente o contractor nenhum caso tem feito das que lhe tem sido applicadas, com prejuizo do publico que anda por ahi as marradas pelo escuro, chegando á ponto de um pobre viajor vindo de Santos, andou a noite inteira perdido pela cidade sem achar sahida, não podendo por isso seguir a sua viagem para Jundiahy, o que só fez demanhã quando o Sr. Apollo mandou acender o seu grande lampião.
Um dos que tem sofrido."

[Correio Paulistano, Anno I, 28 Jun. 1854, n.3, p.3-4.]

 

IMIGRAÇÃO ALEMÃ:

Em 13 de dezembro de 1827, chegou ao Porto de Santos, a embarcação Maria, com 226 imigrantes, dando início a história da imigração Alemanha-Brasil.

Bibliografia:

SIRIANI, Silvia Cristina Lambert. Uma São Paulo Alemã: vida quotidiana dos imigrantes germânicos na Região da Capital (1827-1889). São Paulo: Imesp, 2003, p.64-65.

DIETRICH, Ana Maria. Caça às suásticas: o Partido Nazista em São Paulo sob a mira da polícia política. IMESP, 2008.

 

INSTITUTO BACTERIOLÓGICO:

Criado em 1892, voltado para o combate e erradicação de epidemias e endemias (posteriormente, em 1940, é reabatizado como Instituto Adolpho Lutz).

 

INSTITUTO CAETANO DE CAMPOS:

Sobre o tombamento municipal: CONPRESP - Resolução no . 05/91 (tombamento "ex-officio").

 

INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DE SÃO PAULO:

Site Oficial: www.ihgsp.org.br

 

IRMANDADE DE NOSSA SENHORA DOS HOMENS PRETOS:

Criada em 1711.

 

IRMANDADE DE SÃO JORGE:

Segundo nota publicada no Correio Paulistano, foi criada em 1854, na véspera da partida do Sr. Josino (do Nascimento Silva, presidente da Província de São Paulo entre 1853 e 1854). A mesa da irmandade era composta por: Brigadeiro rafael Tobias de Aguiar (provedor); Major Cypriano Rocha Lima (secretário); Coronel Ignácio José de Araújo; Tenente-Coronel Joaquim de Souza Guimarães Cananéa (tesoureiro); Tenente-coronel João Nunes Ramalho, João calors de Baumann, Claudio José Pereira e Amador Rodrigues Jordão (irmãos de mesa) - [Correio Paulistano, n.3, 28 Jun. 1854]

 

IRMÃOS RICARDI:

Proprietários da Loja A Cidade de Londres.

 

ISABEL FERNANDES, DONA:

Casada com Henrique da Cunha, com quem teve três filhos.

 

IZABEL SOARES:

Casada com Gabriel Pinheiro Costa. Em seu testamento deixou esmolas para a Ermida do Guaré (Igreja Nossa Senhora da Luz):

"O testamento de Isabel Soares, de 1629, dispõe que 'se dê ao ermitão de Guarepe uma esmola em panno de algodão', o que foi religiosamente cumprido, pois mais adiante vamos encontrar o seguinte recibo: 'Digo eu Manuel de Atouguia ermitão que sou de Nossa Senhora de Gueré que recebi do senhor Gabriel Pinheiro Costa duas patacas em dinheiro que me deu uma esmola que sua mulher Izabel Soares que Deus tem deixou em testamento me déssem em panno e elle como testamenteiro m'as deu por verdade lhe dei esta quitação para sua guarda hoje 10 de julho de seiscentos e trinta e um annos'. "

[ARROYO, Leonardo. Igrejas de São Paulo: introdução ao estudo dos templos mais característicos de São Paulo nas suas relações com a crônica da cidade. Rio de Janeiro: José Olympio, 1954, p.28.]

 

letra Hletra Iletra J

CENTRO DE SÃO PAULO


CLIQUE NAS LETRAS ABAIXO PARA ACESSAR OS OUTROS VERBETES

 

 

 

A

B

 

C

D

E

F

G

H

I

J

K

L

M

N

O

P

Q

R

S

T

U

V

W

X

Y

Z

 


HISTÓRIA DO COMÉRCIO DO CENTRO DE SÃO PAULO

[projeto em desenvolvimento]


A

A Cidade de Londres
A. J. Mauricio Pereira
Alfaiataria de Pedro Bourgad
Armarinho da Rua das Casinhas
Armazém de Guilherme Kraeuter
Armazém de José Antonio Martins
Armazém Rua São Bento n.93

 

B

Banco do Brasil
Bernardo Martins Meira
Botequim Paulistano
Botica de Joaquim Pires Garcia
Boticário João Antonio Rosa

 

C

Candido Ribeiro dos Santos, cirurgião - clinica homeopática
Casa da Rua do Rozário, 13 - livros (1828)
Casa de Antonio Bernardo Quartim

Casa de Comércio de Gabriel Henriques Pessoa
Casa de Joaquim José Correa, 1828
Casa de José Marques da Cruz (secos e molhados)
Casa de Henrique Fox
Casa de Luiz Paião
Casa Faria
Casa Fretin

Casa Lemcke
Casa Levy de Pianos
Coelho & Teixeira (loja de fazendas)
Collegio de Lindorf Ernesto Ferreira França
Curso Elementar de Bellas Letras

 

D

Dentista francês: A. Masseran
Depósito de Calçados da Fábrica de Siré Irmãos
Diligencia Progresso Paulista
Domingos Antonio Gomes - leilão
Dr. Theodoro Reichert

 

E

Estabalecimento da Rua do Rozario, 22 (1828)
Estabelecimento da Rua do Rozario, 58 (1856)
Estabelecimento da Rua dos Piques
Estabelecimento de Henrique Luiz

 

F

Fábrica de Canastras e Tamancos
Fazendas (Tecidos) de Domingos Henrique da Silva

Ferraria Coelho & Marques
Frederico Fontame: carros para alugar
Fresneau Alfaiate

 

H

Hotel da Boa Vista / Hotel do Hilário
Hotel da Providencia
Hotel Palm

 

J

João Rost, cirurgião dentista
Jules Martin / Imperial Litografia

 

L

Livraria da Rua Direita
Livraria do Largo do Collegio
Livraria Ricardo Matthes
Loja da Raposa
Loja de Domingos de Paiva Azevedo
Loja de Ourives de Luiz Suplicy

 

M

Manoel José Bastos, artista daguerreotypo
Médico homeopata Carlos Marquios
Mestra de Primeiras Lettras, 1828
M.Izidoro, Mestre de Francês, 1828

 

P

Padaria Anno Bom
Progredior

 

R

Relojoaria de Luiz Bamberg

 

S

Salão da Paulicéa
Salla de Esgrima
Sinhana dos Bolinhos

 

T

Theatro S.Paulo
The Berlitz School of Languages
Tintureiro N.J.V. Ferard
Typographia na Rua de São José, 33

 

V

Vendedeiras de Peixe



Militão Augusto de Azevedo

Militão Augusto de Azevedo

Cosac & Naify
2012

Pioneiro da fotografia urbana, Militão Augusto de Azevedo (1837-1905) foi o primeiro a organizar um álbum comparativo da cidade de São Paulo (1862- 87). A estrutura editorial, inédita no Brasil na época, é reproduzida em menor escala nesta edição.Além de um ensaio fotográfico com imagens do álbum e muitas outras (comentadas), a edição traz três mapas comparativos que demarcam os locais fotografados por Militão em três tempos(1862, 1887 e 2012), uma lista das mudanças nominais dos logradouros e bibliografia. O livro traz textos que contextualizam a produção de Militão e a relevância de seu trabalho para a preservação da memória da cidade. O ensaio do pesquisador e crítico de fotografia Rubens Fernandes Junior foca a trajetória de Militão, sua repercussão e alguns aspectos técnicos de seu trabalho; Fraya Frehse, professora do departamento de sociologia da usp, observa a persistência de traços “caipiras” na metrópole em formação; e Heloisa Barbuy, professora de história na usp, analisa as mudanças na vida comercial da cidade a partir das imagens comparativas...[+]

 


Ponto Chic: um bar na história de São Paulo

Angelo Iacocca
Senac SP
2012

Desde sua inauguração, em 1922, o Ponto Chic se tornou lugar de encontro de estudantes, artistas, políticos e jornalistas à procura de um bom chope e de um sanduíche bauru. Partindo do clima agitado do bar, o jornalista Angelo Iacocca busca resgatar a boemia paulistana, costumes, valores culturais e aspectos inusitados ou pouco conhecidos da cidade de São Paulo. Neste livro, o leitor pode conhecer as várias mudanças ocorridas na cidade ao longo do século XX, período em que a então pacata e provinciana 'capital dos fazendeiros' se tornou um importante polo industrial da América Latina...[+]

 


A Capital Da Solidão

Roberto Pompeu de Toledo
Ponto de Leitura
2011

O leitor é convidado, capítulo a capítulo, a conhecer momentos cruciais da trajetória de São Paulo. O destino da cidade, ao longo dos três primeiros séculos de existência, foi de isolamento e de solidão...[+]

 


RESIDENCIAS EM SAO PAULO: 1947 - 1975

Cecilia Rodrigues dos Santos
Marlene Milan Acayaba
Romando Guerra
2011

Este livro apresenta uma monografia fotográfica sobre 43 residências projetadas por arquitetos e construídas em São Paulo durante o período de 1947 a 1975. O estudo de cada casa é formado...[+]

 



Libertas Entre Sobrados. Mulheres Negras e Trabalho Doméstico em São Paulo. 1880-1920

Libertas Entre Sobrados. Mulheres Negras e Trabalho Doméstico em São Paulo. 1880-1920

Lorena F. da Silva Teles
Alameda
2014

Lidando com contratos de trabalho e com a crônica policial, a historiadora faz vir à tona vários aspectos relevantes do cotidiano popular de São Paulo daquele fim de século XIX e começo do século XX. Conforme os registros policiais, a extrema miséria nas mulheres sempre se confundiu com vagabundagem e prostituição. Isso agravado pelo preconceito de cor. O processo de retificação faz da doméstica um corpo a ser explorado, alienado. As investidas dos patrões não são seguidas, a não ser aleatoriamente, por garantias jurídicas que instituam uma igualdade entre manceba e esposa, ou entre os filhos naturais e os legais. Dessa maneira, o livro que agora é publicado é rico de observação nesse sentido. Casos exemplares levantados pela pesquisadora são numerosos, atestando a rara capacidade de observação da pesquisadora. Fica para o leitor a percepção de um trabalho intelectual intenso que conserva sensível homologia com o trabalho manual exaustivo das mulheres que evocou. Dessa forma, a interação da história social com as trajetórias individuais marca esse trabalho....[+]

 


FOTOLABOR - A FOTOGRAFIA DE WERNER HABERKORN

Vários Autores
Espaço Líquido
2014

'A fotolabor' teve destaque nos anos 1950 atuando com uma das maiores produtoras de cartões postais fotográficos em São Paulo...[+]

 


História da Escola de São Paulo e do Brasil

Maria Luiza Marcílio
IMESP
2014

Pelas avaliações internacionais (UNESCO e PISA), o Brasil vem sendo colocado nas últimas posições em educação, mesmo dentre nações bem mais pobres. As explicações para essa triste situação devem ser buscadas particularmente na História do país, em sua longa duração. Foi esse o trabalho realizado pela autora, em pesquisas que efetuou em arquivos e bibliotecas do Brasil e do exterior, somadas a testemunhos orais e a variada iconografia. O esforço foi de resgatar a escola em seu cotidiano, com os autores que a compuseram ao longo dos cinco séculos, desde quando os jesuítas aqui fincaram os primeiros alicerces dos colégios, no inicio da colonização portuguesa. Expulsos os padres da Companhia de Jesus, foi criada a escola pública. Sua evolução foi acompanhada com seus alunos, seus professores, os métodos de ensino, o material escolar introduzido de forma precária e lenta. Só com a República, e ao longo do século XX, é que de fato, o Brasil conheceu o sistema escolar montado dentro do modelo do Ocidente, articulado desde a pré-escola até o curso ginasial e depois médio, com seus avanços e recuos e a partir de São Paulo de onde se difundiu por todo o país. O Brasil chega ao final do milênio com praticamente todas suas crianças na escola, mas ainda não conseguiu ultrapassar o desafio da péssima qualidade do ensino, em todos seus níveis. Esta obra procura dar reconstruir a evolução da escola de base em toda a História do Brasil. O objetivo inscreve-se, igualmente, na busca de explicação do atraso da qualidade da educação nacional...[+]

 


A São Paulo Inventada por Álvares de Azevedo

A São Paulo Inventada por Álvares de Azevedo

Monica Gomes da Silva
AR
2014

Em 1848, Álvares de Azevedo chegou a São Paulo para estudar na Faculdade de Direito do Largo São Francisco e lá permaneceu até 1851. Foi companheiro de Aureliano Lima e Bernardo Guimarães, grandes ...[+]

 


Belle Epoque na Garoa
São Paulo Entre a Tradição e a Modernidade

Marcia Camargos
FPH da Energia de São Paulo
2013

O livro, que reúne texto da historiadora Marcia Camargos e imagens do acervo da Fundação Energia e Saneamento, retrata os desdobramentos da Belle Époque ...[+]

 



São Paulo Capital Artística. A Cafeicultura e as Artes na Belle Époque. 1906-1922

São Paulo Capital Artística. A Cafeicultura e as Artes na Belle Époque. 1906-1922

Julio L. Moraes
Azougue
2013

A semana de Arte Moderna, realizada no Teatro Municipal de São Paulo em 1922, foi apenas o fenômeno mais expressivo do intenso entrecruzamento de interesses entre o universo do café e o mundo das artes...[+]

 


home      moyarte      não-diário      contato