Website de Mônica Yamagawa

C : VERBETE

dicionário do centro de são paulo

atualizado em: 30 de setembto de 2017

 

home > centro de são paulo > dicionário do centro de são paulo > letra C

letra Bletra Cletra D

 

CAETANO DE CAMPOS, ESCOLA:

A edificação original data de 1894, projeto de Antônio Francisco de Paula Sousa e construção e detalhamento de Francisco de Paula Ramos de Azevedo. Localizada na Praça da República, 53, atualmente abriga a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo. O nome "Caetano de Campos" é uma homenagem a Antônio Caetano de Campos, o primeiro diretor da escola. Em 1975, a edificação por pouco não foi destruída para a construção da estação e linha de metrô, porém, a Associação dos Antigos Alunos da Caetano de Campos, através das ferramentas de preservação do patrimônio histórico, conseguiu o tombamento do prédio e, ao final, a estação de metrô foi construída sem a necessidade de demolição da edificação. Após o tombamento, a edificação foi restaurada pelo arquiteto Benedito de Lima Toledo, recebendo o acréscimo de um terceiro andar:

"Edifício de estilo eclético/neoclássico, com suas pilastras dóricas e janelas de arco pleno, inaugura na arquitetura escolar a presença da luz e dos espaços amplos, representativos dos novos ventos republicanos, implantadores da escola pública, onde não se distinguia cor da pele ou religião e se faziam experiências de pedagogia moderna e de aplicação da psicologia à educação"

[PERRONE, Carlos. São Paulo por dentro: um guia panorâmico de arquitetura. São Paulo: Senac SP, 2000, p.12]

Bibliografia:

PERRONE, Carlos. São Paulo por dentro: um guia panorâmico de arquitetura. São Paulo: Senac São Paulo, 2000.

 

CAIXA CULTURAL:

Site oficial da Caixa Cultural

 

CAIXA DE DESCONTOS:

Instalada em São Paulo em 1820 (filiada ao Banco do Brasil).

 

CALÇADA DO LORENA:

Início da construção: 1790.

 

CAMACHO, ANNA:

Junto com seu marido, Domingos Luiz, fundaram no atual Bairro do Ipiranga a primeira capela em homenagem à Nossa Senhora da Luz. Na década de 1570-1580, mudou-se para a região conhecida como Guaré, atual Bairro da Luz, onde fundou um segundo tempo, também em homenagem a Nossa Senhora da Luz, doando o patrimônio para o poder público em 1603. Ver mais detalhes do verbete individual Mosteiro da Imaculada Conceição da Luz.

Mãe de Antonio Lourenço.

 

CAMPOS, ANTONIO CAETANO DE:

Primeiro diretor da Escola Normal (Praça da República) que posteriormene levaria o seu nome (Escola Caetano de Campos).

 

CAMPOS, JOSÉ INOCÊNCIO DE:

Bacharel da Academia de Direito. Foi reprovado em 1833 (3o. ano), formou-se em 1836. Pertencia, originalmente, a turma de 1831-1835.

 

CANDIDO XAVIER DE ALMEIDA E SOUZA:

Em 1856, era ajudante da biblioteca da Faculdade de Direito e residia no Largo da Sé.

 

CANUTO THORMAN:

Diretor do Lyceu Paulistano, em 1878.

 

CAPELA DE SANTA LUZIA:

O projeto da Capela de Santa Luzia é de autoria do arquiteto italiano Domingos Delpiano e a pintura que decora seu interior, de Oreste Sercelli, nascido em Florença, Itália (1869-1927). Começou a ser construída no final do século XIX e inaugurada em 13 de dezembro de 1901, na chácara de Ana Maria de Almeida Lorena Machado. Em 1903, após a sua morte, seus herdeiros decidiram doar a capela para a Cúria Metropolitana...[+]

 

CAPELA DOS AFLITOS:

Para saber a história da Capela dos Aflitos, clique aqui. Sobre o tombamento municipal: CONPRESP - Resolução no . 05/91 (tombamento "ex-officio").

Bibliografia:

BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos, EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A e SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento, 1984.

 

CAPOMASTRI:

Edificações advindas da ação dos capomastri:

  • Avenida Rio Branco, 1312.
  • Rua dos Guaianazes, 1058.

Bibliografia:

BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos, EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A e SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento, 1984.

 

CARL FRIEDERICH JOSEPH RATH (OU CARLOS RATH):

Artigo (download gratuito) sobre Joseph Rath:

Carl Friederich Joseph Rath: o ‘higienismo’ na formação do corpus disciplinar do urbanismo a cidade de São Paulo

Ivone Salgado
Vitruvius
2009

Carl Friederich Joseph Rath, na condição de engenheiro, quer da Província de São Paulo, quer da Câmara da Imperial Cidade de São Paulo, quer para o que denominava seus ‘serviços particulares’, atuou durante muitos anos nesta cidade e em obras públicas na então Província de São Paulo. Seus trabalhos se referiam, entre outros, à realização de uma cartografia, à elaboração de pareceres e projetos, à participação em comissões técnicas, ao parcelamento de glebas e, substancialmente, na orientação sobre a localização de diversas obras públicas a serem construídas e dos novos parcelamentos de glebas a serem... [+]

Informações publicadas no Correio Paulistano (em 2 de janeiro de 1856), relacionadas a 51a. Sessão Ordinária aos 12 de dezembro de 1855, da Câmara Municipal. Problemas com a construção do Tanque do Zunega. Clique aqui, para acessar a informação.

Também publicado no Correio Paulistano (2 de janeiro de 1856), Carlos Rath é novamente mencionado, na 51a. Sessão Ordinária aos 12 de dezembro de 1855, da Câmara Municipal:

"EXPEDIENTE.

Leu-se. - Portaria do Exm. governo da provincia datada a 11 do corrente, comunicando que encarregara ao Dr. Carlos Rath de demarcar a largura que deve ter a estrada da capital a Santos, no lugar denominado Cambucy: onde João José Ferreira está edificando um predio, cuja construcção foi pela camara embargada; e igualmente remettendo o officio daquelle engenheiro em que dá conta do resultado de sua comissão, ficando assim satisfeita a requisição da mesma camara constante do seu officio de 5 do corrente. - Que se desembargue a obra e dese o alinhamento pedido pelo supplicante João José Ferreira."

[Correio Paulistano: 2 de janeiro de 1856, p.2.]

 

CARLOS ABLAS:

Imigrante alemão, chegou ao Brasil em 1827, possuía terras em Santo Amaro e imóveis na capital, na Freguesia de Santa Ifigênia (século XIX). Mais detalhes sobre sua propriedade em Santo Amaro, leia em:

SIRIANI, Silvia Cristina Lambert. Uma São Paulo Alemã: vida quotidiana dos imigrantes germânicos na Região da Capital (1827-1889). São Paulo: Imesp, 2003, p.64-65.

 

CARLOS ABRÃO BRESSER:

Imigrante alemão, engenheiro civil, chegou ao Brasil em 1836 e fez um dos primeiros projetos de aterro para a Várzea do Carmo, para corrigir os problemas de inundações do Rio Tamanduateí. Morava em uma casa considerada espaçosa em relação à média, com balcões ornados por gradis de ferro, em uma das esquinas do Largo de São Francisco.

 

CARLOS AUGUSTO DE SOUSA LIMA:

Primeiro presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo (inaugurado em 1891).

 

CARLOS HENRIQUE DE AGUIAR MELCHERT:

Professor de Inglês e Francês, em 1856, no Lycêo Paulistano.

 

CARLOS MARQUIOS:

Segundo anúncio publicado no Correio Paulistano (2 de janeiro de 1856), era médico homeopata e mudou-se da antiga residência, que ficava na Rua do Rosário para um novo endereço, na Rua de São Gonçalo n.2, onde as pessoas que necessitassem dos seus serviços, poderiam procurá-lo a qualquer hora do dia.

 

CARLOS RATH (VER CARL FRIEDERICH JOSEPH RATH):

 

CARLOS SCHUMACKER:

Imigrante alemão, chegou ao Brasil, em 1827, proprietário de uma fábrica de chapéus.

 

CARLOTA AUGUSTA GREFFE DE BORBA:

Viúva, a Sra. Greffe casou-se com o Sr. Borba, por volta de 1830. Mudou-se da colônia de Santo Amaro, para uma casa (coberta de telhas e firmada em paredes de mão, conhecida como "meia-água"), na Rua da Constituição, hoje, Rua Florêncio de Abreu, próximo ao Mosteiro de São Bento, pelo qual pagavam o valor (anual) de 3$200. Nesse mesmo endereço, além da residência, funcionava uma armação de secos e molhados da família.

 

CARRANCA:

Nicolau Alves da Fonseca era conhecido como "Carranca", foi mencionado quando das reformas da Igreja de São Gonçalo, em 1763:

"registrada na sessão da Câmara de 7 de maio desse ano. Com efeito, 'chamaram o alcaide do mesmo Senado Domingos de Cubas e lhe ordenaram que notifique e fosse notificar a Nicolau Alves da Fonseca chamado o Carranca... das obras que está fazendo na capella de São Gonçalo Garcia não continue com o alicerce que intentou fazer no outão de São Gonçalo para o meio da rua deixando-a enficoanada (sic) com prejuízo do bem comum pena de que continuando com o dito alicerce de ser condenado em seis mil reis e trinta dias de cadeia'. O Carranca, pelo visto andou querendo exagerar os limites do terreno da igreja, no que fooi advertido pela Câmara."

[ARROYO, Leonardo. Igrejas de São Paulo: introdução ao estudo dos templos mais característicos de São Paulo nas suas relações com a crônica da cidade. Rio de Janeiro: José Olympio, 1954, p.218.]

 

CARTÓRIO DE NOTAS DA CIDADE DE SÃO PAULO:

O 1o. cartório foi criado em 1778.

 

CASA BARUEL:

Inaugurada em 1890.

 

CASA DA BÓIA:

Rizkallah Jorge Tahan chegou ao Brasil em 1895, começou a vida no país trabalhando de faxineiro em uma loja de artigos de metal. Após três anos, comprou o estabelecimento de seu patrão, rebatizando o local de Casa da Bóia (1898), que, desde então, continua no mesmo endereço na Rua Florêncio de Abreu.

Site oficial da Casa da Bóia.

Clipping:

 

CASA DA IMAGEM / ANTIGA CASA NÚMERO 1:

O edifício, localizado na Rua Roberto Simonsen (antiga Rua do Carmo), é composto de alvenaria de tijolos, erguido, provavelmente, sobre as fundações da antiga casa de taipa de pilão.

De acordo com os dados da prefeitura, seu primeiro proprietário foi Francisco Dias (1689). Após sua morte, o bandeirante Gaspar de Godoy Moreira comprou o imóvel e seus filhos e descendentes fizeram uso da casa como moradia...[+]

 

CASA DA ÓPERA:

A 1a. Casa da Ópera é inaugurada, por volta de 1763, na Rua São Bento. A 2a. Casa da Ópera é inaugurada em 1795, no Pátio do Colégio.

 

CASA DE BANHO OU CASA DE SAÚDE:

O francês Charles Pierre Etchecoin, possuía uma dessas casas de banho, que existia onde hoje está localizada a Casa da Imagem (Casa Número 1):

"Um dos anúncios desta espécie de clínica referia-se ao imóvel como um “vasto estabelecimento, situado em um excelente lugar, tendo uma vista linda e pitoresca, e colocado mesmo na cidade”. De fato, a área atrás do hotel ainda não estava urbanizada; a cidade terminava ali, num dos limites do planalto em que se situava a cidade. O que se tinha era uma vista aberta, panorâmica.  Ao que tudo indica, esta casa funcionava também como hotel, já que um comerciante de jóias, de nome Affonso Fierard, anunciava suas mercadorias dando como endereço a Casa de Saúde."

["História de um lugar". Casa da Imagem. Prefeitura Municipal de São Paulo.]

 

CASA DOS EXPOSTOS:

Inaugurada em 2 de julho de 1825, juntamente com o Hospital da Caridade, na Chácara dos Ingleses, pela Santa Casa de Misericórdia.

 

CASA FRETIN:

Louis Fretin tornou-se relojoeiro pela École D'Horlogerie de Paris, abrindo a Relojoaria Louis Fretin, em 1895, na Rua São Bento, 10.

Além de relógios, passou a consertar os óculos dos clientes, um produto que, na época, era comprado no exterior e não estava disponível no mercado brasileiro. Com o tempo, passou a importar e vender o produto na cidade - pince-nez, lorgnon, face-amain, monóculos e binóculos -. Tais produtos estavam em moda na Europa e aqui, eram usados como objetos de distinção (e não necessariamente, como indicação médica) pela classe privilegiada...[+]

Clipping:

 

CASA GARRAUX:

Inaugurada em 1859

Clipping:

Ver verbete "Albert Thiebaut"

 

CASA LEMCKE:

 

CASA LEVY:

 

CASA MANON:

Clipping: COELHO, Marcelo. Chá, rapé, livros e outros artigos sem rivais. Folha de São Paulo: +Mais!, 11 Abr. 2004.

 

CASA NÚMERO 1, ANTIGA:

Bibliografia:

BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos, EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A e SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento, 1984.

 

CASA PAULISTA:

Clipping: TEIXEIRA, Regiane: Centro de São Paulo tem dezenas de prédios vazios; saiba mais. Folha de São Paulo: São Paulo, 22 Set. 2013.

 

CASAS PERNAMBUCANAS:

Site oficial das Casas Pernambucanas.

 

CATEDRAL DA SÉ:

Em 1912, após reunião com os moradores locais, o arcebispo D. Duarte Leopoldo e Silva constituiu uma comissão para arrecadar fundos para a construção de um novo templo para a cidade.

Após negociações entre a Mitra e a Câmara Municipal, em abril de 1913, foi registrada em escritura pública o endereço da nova catedral paulistana: a área entre as ruas Marechal Deodoro e Capitão Salomão (os dois logradouros não existem mais, pois, foram incorporados à area, atualmente, conhecida como Praça da Sé).

O projeto para o novo templo ficou a cargo de Maximiliano Hehl e as construções levaram mais de 40 anos. Em 1954, a catedral foi inagurada, incompleta, para as comemorações do IV Centenário da Fundação da Cidade de São Paulo.

Fotografias e mais informações sobre uma das portas da catedral: CATEDRAL DA SÉ: DETALHES DA PORTA DE ENTRADA.

 

CAVALCANTE, DOM JOAQUIM ARCOVERDE DE ALBUQUERQUE:

Décimo Bispo de São Paulo, nomeado em 1893, fez sua entrada solene na cidade no dia 30 de setembro do mesmo ano.

 

CELESTINO BOURROUL:

Nasceu em 13 de novembro de 1880 e faleceu em 9 de outubro de 1958. Médico, foi diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

No Correio Paulistano de 2 de janeiro de 1856, foi publicado as seguintes informações referentes ao expediente da presidência de 24 de dezembro de 1855:

"A Celestino Bourroul. - Communico a Vmc., em resposta ao officio datado de hoje, que expedi ordem á thesouraria provincial para lhe mandar pagar a quantia de 2:245$362 rs., importancia dos medicamentos compradas no Rio de Janeiro por ordem da presidencia, e destinados para curativos dos indigentes que forem acommettidos pela epidemia, quando infelizmente se desenvolva na provincia."

[Correio Paulistano: 2 de janeiro de 1856, p.1.]

 

CELESTINO DA SILVA:

Encarregado de contratar os artitas e a companhia lírica para a inauguração do Teatro Municipal.

 

CEMITÉRIO DA CONSOLAÇÃO:

Líbero Badaró, assassinado em 20 de novembro de 1830, foi sepultado no cemitério.

28 de outubro de 2015: Haddad quer derrubar muro do cemitério da Consolação e pôr grade (Folha de S.Paulo).

 

CEMITÉRIO DOS AFLITOS:

1o. Cemitério público de São Paulo, criado em 1775, na Rua dos Estudantes.

 

CENTRO CULTURAL DO BANCO DO BRASIL:

Justificativa do CONDEPHAAT - Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo, para tombamento da edificação: "O edifício é um exemplar de valor documental da ocupação bancária na ...[+]

 

CENTRO CULTURAL DOS CORREIOS:

O Edifício dos Correios e Telégrafos, hoje Centro Cultural Correios de São Paulo, foi projetado por Domiziano Rossi e Felisberto Ranzini, do Escritório Ramos de Azevedo. Os trabalhos de serralheria foram executados pelo Liceu de Artes e Ofícios. A construção começou em 1920, foi concluída em 20 de outubro de 1922 e inaugurada por Washington Luís, então, presidente do estado...[+]

 

CENTRO DE REFERÊNCI EM EDUCAÇÃO MÁRIO COVAS:

Bibliografia:

BENS CULTURAIS ARQUITETÔNICOS NO MUNICÍPIO E NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. São Paulo: SNM – Secretaria de Estado dos Negócios Metropolitanos, EMPLASA – Empresa Metropolitana de Planejamento da Grande São Paulo S/A e SEMPLA – Secretaria Municipal de Planejamento, 1984.

 

CERVEJA BAVÁRIA:

Inaugurada em 1892, a Fábrica de Cerveja Bavária, de Henrique Stupakoff.

 

CESCHIATTI, ALFREDO:

Escultura: José Bonifácio, escultura de Alfredo Ceschiatti.

 

CHAGAS, FRANCISCO IGNACIO DAS:

Professor de música, em 1856, do Lycêo Paulistano.

 

CHAGAS, FRANCISCO JOSÉ DAS (CHAGUINHAS):

Popularmente conhecidos como Chaguinhas, foi um dos condenados em 1821 e sepultados no Cemitério dos Aflitos. Ele foi um dos responsáveis pelo Motim de Santos, quando na noite de 28 para 29 de junho de 1821, pela falta, por longo período, do pagamento de soldo, encontrando-se "a maioria das praças andrajosas e famintas", segundo Antonio Barreto do Amaral, o 1o. Batalhão de Caçadores revoltaram-se, arrombaram a cadeia e casa do trem bélico, e com as armas obtidas nessas instituições, "prenderam ou initimidaram autoridades, invadiram lares, saquearam e impuseram resgate". No dia 2 de julho, partiram da capital o 2o. Batalhão de Caçadores, chegando de surpresa em Santos, no dia 6 de julho com ordens de prisão para os amotinados. Foram condenados os responsáveis pelos motim e os oficiais que no momento do levante abandoram a unidade: os sete responsáveis pelo motim foram condenados à morte, outros vinte foram enviados para África (pérpétuo degredo) e os demais receberam penas menores. Dos sete condenados à morte, cinco foram executados em Santos e dois, Francisco José das Chagas e Joaquim José Cotindiba, por serem naturais de São Paulo, foram enviados para a forca da capital.

Os condenados partiram de Santos no dia 15 de setembro de 1821 e no dia 17 foram colocados à disposição do juiz relator para que fosse concluída a sentença, sendo sentenciados no dia 20.

A execução da sentença de morte de Francisco José das Chagas, o Chaguinhas, comoveu a população:

"Um fato macabro então aconteceu, enchendo de espanto e ao mesmo tempo de piedade o povo que assistia ao tétrico espetáculo: partiu-se a corda de barbante que suspendia o cabo José das Chagas. mandado fosse substituída pelo laço de couro, ttrazido de um açougue próximo, este não suportou o peso do condenado, sendo preciso que lançassem mão de um novo laço de couro para que a sentença fosse cumprida."

[AMARAL, Antonio Barreto do. Dicionário de história de São Paulo. Coleção Paulística. Volume XIX. São Paulo: Imesp, 2006, p.189.]

Anos depois, na sessão da Câmara de 22 de maio de 1835, Padre Diogo Antônio Feijó, relembrou o acontecimento:

"Senhor Presidente, o que eu entendo por atrocidade é, por exemplo, isto: mandar enforcar um homem, tendo ainda recurso legal contra sentença. Senhor Presidente, eu o vi com meus p´roprios olhos, na minha província. Era o primeiro espetáculo destes; a curiosidade chamou-me àquele lugar. O desgraçado pendurado, caiu por haver se cortado a corda. Recorreu-se ao Governo da Província, pedindo que se demorasse a execução, enquanto se implorava a clemência ao príncipe regente; não foram atendidos; alegou-se não haver corda própria para enforcar; mandou que se usasse laço de couro. Foi-se ao açougue, levou-se o laço; o infeliz foi de novo pendurado, mas o instrumento não era capaz de sufocar com presteza. Partiu-se de novo a corda e o miserável caiu ainda semivivo; já em terra fooi acabado de assassinar."

[AMARAL, Antonio Barreto do. Dicionário de história de São Paulo. Coleção Paulística. Volume XIX. São Paulo: Imesp, 2006, p.189-190.]

 

CHARLES PIERRE ETCHECOIN:

Francês, possuía, entre os anos de 1857 e 1858, uma Casa de Banho ou Casa de Saúde instalada em uma edificação onde hoje está localizada a Casa da Imagem (Casa Número 1).

"Um dos anúncios desta espécie de clínica referia-se ao imóvel como um “vasto estabelecimento, situado em um excelente lugar, tendo uma vista linda e pitoresca, e colocado mesmo na cidade”. De fato, a área atrás do hotel ainda não estava urbanizada; a cidade terminava ali, num dos limites do planalto em que se situava a cidade. O que se tinha era uma vista aberta, panorâmica.  Ao que tudo indica, esta casa funcionava também como hotel, já que um comerciante de jóias, de nome Affonso Fierard, anunciava suas mercadorias dando como endereço a Casa de Saúde."

["História de um lugar". Casa da Imagem. Prefeitura Municipal de São Paulo.]

 

CHRIST, ANDRÉ:

Imigrante alemão, chegou ao Brasil em 1827. Na listas feitas por Dr. Justiniano de Mello Franco, diretor do núcleo de Santo Amaro-Itapecirica (área destinada aos imigrantes alemães), nas décadas de 1830 e 1840, Christ aparece nos dados da documentação como sendo proprietário de armazém na capital.

 

CIPICCHIA, RICARDO:

Escultor. Nasceu na Itália, em 1885, e veio para o Brasil, com os pais, aos dois anos de idade. Foi naturalizado brasileiro em duas ocasiões: por ocasião da “grande naturalização” (Proclamação da República) e, em 1910, ao ser nomeado professor de Escultura e Artes Decorativas da Escola de Aprendizes Artífices (em cujo cargo se aposentou em 1940).

 

CLASSES LABORIOSAS, ASSOCIAÇÃO AUXILIADORA:

A Associação Auxiliadora das Classes Laboriosas foi criada em 1891 por um grupo de carpinteiros e pedreiros que lutavam por direitos trabalhistas

Localização da antiga edificação: Rua Roberto Simonsen, 22. Data da construção: 1909. Um incêndio, no dia 3 de fevereiro de 2008, destruiu o teto de e grande parte das paredes internas

Clipping:

 

CLEMENTE FALCÃO DE SOUZA, DR.:

Em 1856, morava na Descida do Piques. Foi lente catedrático, 1a. cadeira da Faculdade de Direito (4o. anno).

 

COLÉGIO ATENEU PAULISTANO:

Colégio do Padre Júlio Mariano Galvão de Moura, que na década de 1850 foi instalado no edifício conhecido como Casa Número 1 - Casa da Imagem, e que posteriormente mudou suas instalações para a Ladeira Porto Geral.

 

COLÉGIO VISCONDE DE PORTO SEGURO:

Sobre o tombamento municipal: CONPRESP - Resolução no . 05/91 (tombamento "ex-officio")

 

COLLEGIO DE LINDORF ERNESTO FERREIRA FRANÇA:

De acordo com o anúncio do Correio Paulistano de 1856, o colégio tem como objetivo ensinar as primeiras letras, latim e francês.

 

CONFEITARIA FASOLI:

Funcionou na Rua Quinze de Novembro, 17 (mas, segundo anúncio publicado no periódico "O Comércio de São Paulo", em janeiro de 1897 já não funcionava nesse endereço, pois, o mesmo foi ocupado com a Grande Exposição Zoológica)

 

COMPANHIA MATARAZZO:

Fundada em 1891.

 

CONDE DE SÃO JOÃO DA PALMA:

Francisco de Assis Mascarenhas: um dos quatro primeiros senadores nomeados por São Paulo, em 1826.

 

CONDE DE SARZEDAS:

O 5o. Conde de Sarzedas foi D. Bernardo José de Lorena. Ele era pai de D. Francisco de Assis Lorena e avô de Dona Anna Maria de Almeida Lorena, proprietária da Chácara Tabatinguera. Seus descendentes Dona Leonor Andromeda de Almeida Lorena, seu filho Luiz de Lorena Rodrigues Ferreira moraram no terreno, o Palacete de Sarzedas, hoje Museu do Tribunal de Justiça foi construído por Luiz de Lorena Rodrigues Ferreira e após sua morte, sua esposa Marie Louise Belanger e filho moraram no local até 1939.

Bernando José de Loren assumiu o governo da Capitania de São Paulo em 1788 e autorizou a construção de várias obras públicas: o Quartel de Linha (no lugar onde hoje está instalado o Palácio da Justiça – Praça da Sé/Praça João Mendes); o Hospital Militar; o Chafariz do Largo da Misericórdia; o Teatro da Ópera; o calçamento parcial de algumas vias e a abertura e construção do Caminho da Serra do Mar, apelidado de Calçada do Lorena.

 

CONGREGAÇÃO DAS CARMELITAS DESCALÇAS:

Criada em 1685.

 

CONPRESP:

O Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo – Conpresp - foi criado em dezembro de 1985, mas sua instalação definitiva só ocorreu em outubro de 1988.

 

CONSERVATÓRIO DRAMÁTICO E MUSICAL DE SÃO PAULO:

Clipping: "Conservatório Dramático e Musical de São Paulo, 100, corre risco de despejo" (Folha de S.Paulo).

Artigo: "Praça das Artes. Complexo arquitetônico brasileiro começa a ser reconhecido no exterior", texto de Abilio Guerra. Website Vitruvius, 2013.

 

CONTANDO CONTANDO A FÉRIA OU O ENGRAXATE E O JORNALEIRO

A escultura "Contando a féria" (ou "O engraxate e o jornaleiro") está localizada na Praça Doutor João Mendes, no centro da cidade de São Paulo...[CLIQUE AQUI, para ver fotografias de esculturas]

 

CONVENTO DE NOSSA SENHORA DO CARMO:

Fundada em São Paulo no dia 21 de setembro de 1594.

 

COPAN, EDIFÍCIO:

Clipping: 5 Nov. 2015 - "Fiscais da prefeitura embargam obra na fachada do edifício Copan" (Folha de S.Paulo).

 

CORREIA, PERO:

Um dos religiosos que acompanhavam o grupo de Manuel da Nóbrega e José de Anchieta e que,assim como João de Sousa, foi morto pelos índios durante o retorno de uma das expedições à boca do sertão.

 

CORPO DE BOMBEIROS:

Criado após incêndo na Academia de Direito, em 1880.

 

CORPO POLICIAL PERMANENTE:

Criada em 1831, a Guarda Municipal Permanente, em 1837 passa a ser Corpo Policial Permanente e em 1947, torna-se Força Pública. Em 1970, passa a ser a Polícia Militar do Estado de São Paulo.

 

CORREIOS:

As duas primeiras linhas de correio de São Paulo foram criadas em 28 de julho de 1798: uma para a cidade de Santos e outra para o Rio de Janeiro.

 

COSTA, GABRIEL PINHEIRO:

Casado com Izabel Soares. É mencionado quando da execução de seu testamento:

"O testamento de Isabel Soares, de 1629, dispõe que 'se dê ao ermitão de Guarepe uma esmola em panno de algodão', o que foi religiosamente cumprido, pois mais adiante vamos encontrar o seguinte recibo: 'Digo eu Manuel de Atouguia ermitão que sou de Nossa Senhora de Gueré que recebi do senhor Gabriel Pinheiro Costa duas patacas em dinheiro que me deu uma esmola que sua mulher Izabel Soares que Deus tem deixou em testamento me déssem em panno e elle como testamenteiro m'as deu por verdade lhe dei esta quitação para sua guarda hoje 10 de julho de seiscentos e trinta e um annos'. "

[ARROYO, Leonardo. Igrejas de São Paulo: introdução ao estudo dos templos mais característicos de São Paulo nas suas relações com a crônica da cidade. Rio de Janeiro: José Olympio, 1954, p.28.]

 

CRESPI, PALACETE:

Localizado na Rua São Bento, o Edifício York era conhecido como Palacete Crespi. Foi projetado na década de 1920, por Siciliano & Silva Engenheiros, para a Família de Rodolfo Crespi, imigrante italiano, dono de uma das maiores indústrias da época.

Um dos destaques dessa edificação são os Atlantis na fachada, figuras gregas símbolos de força.

No passado, o local foi residência de Henrique Schaumann, proprietario da Botica Ao Veado D'ouro (no local também funcionou o estabelecimento)...[saiba mais]

 

CRICKET:

Esporte praticado na década de 1890. Era jogado em uma chácara no Bom Retiro,

"entre chefes, altos funcionários e empregados dos bancos e estabelecimentos comerciais ingleses da cidade."

[ARAÚJO, Vicente de Paula. Salões, circos e cinemas de São Paulo. São Paulo: Perspectiva, 1981, p.14]

 

CRUZ, JOSÉ MARQUES DA:

Em um anúncio no Correio Paulistano, publicado no dia 2 de janeiro de 1856, aparece como proprietário de um estabelecimento de secos e molhados, localizado na Rua do Comércio, n.35. Clique aqui, para ver o anúncio dos produtos á venda.

No mesmo dia 2 de janeiro, também no Correio Paulistano, anunciou a abertura de seu novo estabelecimento: Padaria Anno Bom, na Rua do Rosário, esquina com Rua da Boa Vista. Clique aqui, para ver o anúncio.

 

CUNHA, LUZIA:

Disposição em seu testamento de 1638:

" 'mando que se dê uma novilha a São Gonçalo', pois que o gado era a moeda forte da época."

[ARROYO, Leonardo. Igrejas de São Paulo: introdução ao estudo dos templos mais característicos de São Paulo nas suas relações com a crônica da cidade. Rio de Janeiro: José Olympio, 1954, p.215.]

 

CURSO ELEMENTAR DE BELLAS LETRAS:

Curso dirigido pelo bacharel de Direito Antonio Maria Chaves e Mello. De acordo com o anúncio do Correio Paulistano de 1856, funcionava na Rua Direita , 31.

 

letra Bletra Cletra D

CENTRO DE SÃO PAULO

VERBETES

CAETANO DE CAMPOS, ESCOLA

CAIXA CULTURAL

CAIXA DE DESCONTOS

CALÇADA DO LORENA

CAMACHO, ANA

CAMPOS, ANTONIO CAETANO DE

CAMPOS, JOSÉ INOCÊNCIO DE

CANDIDO XAVIER DE ALMEIDA E SOUZA

CANUTO THORMAN

CAPELA DE SANTA LUZIA

CAPELA DOS AFLITOS

CAPOMASTRI

CARL FRIEDERICH JOSEPH RATH

CARLOS ABLAS

CARLOS ABRÃO BRESSER

CARLOS AUGUSTO DE SOUSA LIMA

CARLOS HENRIQUE DE AGUIAR MELCHERT

CARLOS MARQUIOS

CARLOS RATH

CARLOS SCHUMACKER

CARLOTA AUGUSTA GREFFE DE BORBA

CARRANCA

CARTÓRIO DE NOTAS DA CIDADE DE SÃO PAULO

CASA BARUEL

CASA DA BÓIA

CASA DA IMAGEM / ANTIGA CASA NÚMERO 1

CASA DA ÓPERA

CASA DE BANHO OU CASA DE SAÚDE

CASA DOS EXPOSTOS

CASA FRETIN

CASA GARRAUX

CASA LEMCKE

CASA LEVY

CASA MANON

CASA NÚMERO 1, ANTIGA

CASA PAULISTA

CASAS PERNAMBUCANAS

CATEDRAL DA SÉ

CAVALCANTE, DOM JOAQUIM ARCOVERDE DE ALBUQUERQUE

CELESTINO BOURROUL

CELESTINO DA SILVA

CEMITÉRIO DA CONSOLAÇÃO

CEMITÉRIO DOS AFLITOS

CENTRO CULTURAL DO BANCO DO BRASIL

CENTRO CULTURAL DOS CORREIOS

CENTRO DE REFERÊNCI EM EDUCAÇÃO MÁRIO COVAS

CERVEJA BAVÁRIA

CESCHIATTI, ALFREDO

CHAGAS, FRANCISCO IGNACIO DAS

CHAGAS, FRANCISCO JOSÉ DAS (GUAGUINHAS)

CHARLES PIERRE ETCHECOIN

CHRIST, ANDRÉ

CIPICCHIA, RICARDO

CLASSES LABORIOSAS, ASSOCIAÇÃO AUXILIADORA

CLEMENTE FALCÃO DE SOUZA, DR.

COLÉGIO ATENEU PAULISTANO

COLÉGIO VISCONDE DE PORTO SEGURO

COLLEGIO DE LINDORF ERNESTO FERREIRA FRANÇA

COMPANHIA MATARAZZO

CONDE DE SÃO JOÃO DA PALMA

CONDE DE SARZEDAS

CONFEITARIA FASOLI

CONGREGAÇÃO DAS CARMELITAS DESCALÇAS

CONPRESP

CONSERVATÓRIO DRAMÁTICO E MUSICAL DE SÃO PAULO

CONTANDO A FÉRIA OU O ENGRAXATE E O JORNALEIRO

CONVENTO DE NOSSA SENHORA DO CARMO

COPAN, EDIFÍCIO

CORPO DE BOMBEIROS

CORPO POLICIAL PERMANENTE

CORREA, PERO

CORREIOS

COSTA, GABRIEL PINHEIRO

CRESPI, PALACETE

CRICKET

CRUZ, JOSÈ MARQUES DA

CUNHA, LUZIA

CURSO ELEMENTAR DE BELLAS LETRAS

 

CLIQUE NAS LETRAS ABAIXO PARA ACESSAR OS OUTROS VERBETES

 

 

 

A

B

 

C

D

E

F

G

H

I

J

K

L

M

N

O

P

Q

R

S

T

U

V

W

X

Y

Z

 


CAPITAL - SAO PAULO E SEU PATRIMONIO ARQUITETONICO

Juan Esteves
Antonio Carlos Abdalla
Imesp
2013

'A Secretaria de Estado da cultura de São Paulo tem imensa satisfação em apoiar a reedição do livro 'Capital - São Paulo e seu patrimônio arquitetônico, de Juan Esteves. Com curadoria de Antonio Carlos Abdalla, o conjunto de fotografias selecionadas oferece um amplo panorama da diversidade de edifícios de distintas naturezas que marcaram a capital paulista ao longo de sua história, especialmente os últimos 100 anos. Colocado em evidência no magistral registro de Juan Esteves, o patrimônio arqutetônico paulistano pode aqui ser apreciado nos detalhes que acabam por ficar invisíveis em meio à agitação cotidiana da metrópole. Ao dar merecida visibilidade aos edifícios retratados, esta publicação ajuda a sensibilizar para a necessidade de preservação desse patrimônio, uma importantíssima e difícil tarefa, que precisava envolver toda a sociedade.' - Marcelo Mattos Araujo...[+]

 


ARQUIVO HISTORICO DE SAO PAULO

Eudes Campos
Imesp
2011

Seleção de manuscritos, mapas, plantas, desenhos técnicos e fotografias, escolhidos dentre os mais de 4 milhões de itens pertencentes ao acervo do 'Arquivo Histórico de São Paulo', este livro busca compor um mosaico da história da cidade e ressalta a importância da conservação deste patrimônio diante dos desafios de compreensão do seu futuro...[+]

 


Patrimônio da metrópole paulistana

Margarida Cintra Gordinho
Iatã Cannabrava
Terceiro Nome
2010

Este livro apresenta, com fotos e textos, os bens tombados pelo Condephaat na cidade de São Paulo e em sua região metropolitana. Com ele, procuramos contribuir para amplir a possibilidade desses bens serem conhecidos, admirados e preservados, mantendo vivas as memórias e histórias que ajudam a construir nosso futuro...[+]

 


HISTORIA DOS VELHOS TEATROS DE SAO PAULO

Antonio Barreto do Amaral 
Imesp
2006

A Coleção Paulística trata de diversos aspectos da História do Estado de São Paulo, de sua formação e cultura, de alguns de seus municípios e de algumas de suas personalidades. Publicados em meados do século XX, esses volumes tiveram sua última edição entre as décadas de 1970 e 1980. A reedição revista e atualizada de 5 volumes mostra-se muito oportuna: a coleção está esgotada e os poucos volumes em circulação têm merecido o tratamento de obra rara. Disponibiliza-se, assim, a pesquisadores e estudiosos da história de São Paulo, bem como ao público em geral, importante parte da obra. Os exemplares selecionados, escritos por nomes relevantes da prosa paulista, cobrem desde a saga dos Bandeirantes até a história dos teatros paulistas, destacando-se o importante Dicionário de História de São Paulo...[+]

 

home      moyarte      não-diário      contato