Moyarte. Mônica Yamagawa.
Mônica Yamagawa
Home: página inicialMoyarte: perfil no FacebookMoyarte: perfil no InstagramMoyarte: perfil no Twitter
contato@moyarte.com.br

Centro de São Paulo

século XVI: 1551 - 1560

história do centro de são paulo

atualizado em: 9 de janeiro de 2021

 

home > história > século XVI: 1551 - 1560

 

1551 - 1560 1561

 

1553

O jesuíta Manuel de Nóbrega chega ao Planalto, é recebido por João Ramalho e Tibiriça e, com o auxílios destes, escolhe uma colina entre os rios Tamanduateí e Anhangabaú, como local para implantação do colégio dos jesuítas (um estabelecimento da Companhia de Jesus, criada em 1534, pelo Santo Inácio de Loiola; seus discípulos, os jesuítas, tinham como objetivo, percorrer várias partes do mundo para barrar a expansão do protestantismo):

"Do alto do morro, até onde a vista alcançava, descia o rio Tamanduateí, que em época de cheia ajudava no transporte de víveres e mercadorias vindo do Porto das Naus, em São Vicente. Tinha-se dali uma visão privilegiada (...)"

[PONCIANO, Levino. Todos os centros da paulicéia. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2007, p.11.]

 

Segundo descrição de Nòbrega, a edificação era uma casa feita de barro e madeira e coberta de palha, com 14 passos de comprimento por 10 passos de largura. No local os jesuítas catequizavam cerca de 130 crianças, e também ajudavam no tratamento de saúde dos mesmos. O local tambéms ervia de residência e templo de orações para os religiosos, segundo Levino Ponciano em "Todos os centros da paulicéia" (Editora Senac São Paulo, 2007, p.11).

 


1554

25 de janeiro: O jesuíta Manuel de Paiva, superior da Companhia de Jesus, celebra a missa de inauguração do colégio, batizando a aldeia de São Paulo de Piratininga, pois, a data celebrava a conversão de São Paulo (santo):

"O nome dado ao aldeamento jesuíta, São Paulo de Piratininga, foi uma homenagem ao personagem bíblico, Paulo, e uma referência aos peixes da região, que secavam nas margens dos rios que transbordavam. Piratininga significa, em tupi, 'peixe seco'."

[Câmara Municipal de São Paulo: 450 Anos de História - disponível para download gratuito]

 

5 de setembro: São Paulo passa a ser descrita como "vila", porém, segundo Gabriel Marques, em Ruas e Tradições de São Paulo, a instalação da vila só se concretizaria em junho de 1560, quando o governador geral Mem de Sá, ordena a desativação da Vila de Santo André e seus habitantes são transferidos para o povoado fundado pelos jesuítas.

2 de setembro: Concluída a construção do colégio e da igreja, trabalho executado pelo Padre Afonso Brás, no local os jesuítas ensinavam cerca de 130 crianças indígenas.

Manuel de Nóbrega, em suas cartas, contou que ele e outros jesuítas viviam

"numa casinha pobrezinha feita de barro e paus e coberta de palha, com 14 passos de comprimento e 10 de largura"

[KEHL, Luis A.B. Simbolismo e profecia na fundação de São Paulo, p.9. Apud. PONCIANO, Levino. Todos os centros da paulicéia. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2007, p.10]

 


1556

2 de setembro: Concluída a construção do colégio e da Igreja de São Paulo de Piratininga, executada pelo Padre Afonso Brás.

 


1559

O antigo canal do Piratininga passa a ser chamado de Rio Tamanduateí.

 


1560

5 de abril: Ao extinguir a Vila de Santo André da Borda do Campo, os moradores são levados para São Paulo de Piratininga, e este recebe o foral de vila.

Mem de Sá (governador-geral), visita São Paulo de Piratininga e decide criar as aldeias reais, colocando-as sob o comando dos jesuítas (porém o território das aldeias é consolidado apenas em 1580); ordena a desativação da Vila de Santo André e transferência dos habitantes para o povoado dos jesuítas (Pátio do Colégio).

São Paulo de Piratininga sofre vários ataques indígenas. Segundo Levino Ponciano, a vila era cercada por seis grandes tribos indígenas, alguns hostis aos jesuítas, como, por exemplo, os carijós; para tentar se proteger dos ataques, foi construído um muro em torno da vial,que existiu por cerca de 40 anos.

Por volta dessa época, é criada a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

Câmara Municipal: Jorge Moreira, Garcia Rodrigues, Diogo Vaz Riscado, Antonio Cubas, João Eannes (primeiros vereadores de São Paulo).

 

 

1551 - 1560 1561

 

 

referências bibliográficas

CADERNOS DE FOTOGRAFIA BRASILEIRA: SÃO PAULO 450 ANOS. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2006.

PONCIANO, Levino. Todos os centros da paulicéia. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2007.

PORTA, Paula (org.). História da Cidade de São Paulo: a cidade colonial 1554-1822. Volume 1. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

 

 

dicionário sobre o centro de são paulo

[clique nas letras para acessar a listagem de verbetes disponíveis]

 

A

B

C

D

E

F

G

H

I

J

K

L

M

N

O

P

Q

R

S

T

U

V

W

X

Y

Z

 

 

história do centro de são paulo: cronologia

Informações sobre a história do Centro de São Paulo organizadas por séculos e divididas por décadas para facilitar a pesquisa.

[+] leia mais

história do comércio do centro de são paulo

Informações sobre estabelecimentos comerciais, bancários, educacionais e outros relacionados ao setor terciário, que existiram no Centro de São Paulo, assim como, estabelecimentos históricos que ainda funcionam na região.

[+] leia mais

dicionário online sobre o centro de são paulo

Verbetes sobre o Centro de São Paulo: moradores, estabelecimentos comerciais, edificações, entre outros.

[+] leia mais

história dos logradouros do centro de são paulo

Informações sobre os logradouros localizados no Centro de São Paulo, incluindo os que desapareceram com as alterações urbanas realizadas desde a fundação da cidade.

[+] leia mais

biblioteca online sobre o centro de são paulo

Indicações de livros, artigos, sites, vídeos sobre o Centro de São Paulo.

[+] leia mais

patrimônio cultural do centro de são paulo

Informações sobre bens tombados, legislação, tombamento do Iphan, Condephaat e Conpresp. Notícias sobre os bens tombados. Projetos de requalificação urbana e preservação do patrimônio cultural tombado.

[+] leia mais

home            sobre o moyarte            contato