Website de Mônica Yamagawa

HISTÓRIA DO

CENTRO DE SÃO PAULO

século XX: 1971 - 1980

atualizado em: 28 de agosto de 2017

 

home > centro de são paulo > 1971 - 1980

1970 século XX: 1971 - 19801981

 

1971:

 

1972:

 

1974:

 

1975:

 

1976:

 

1977:

 

1978:

 

1980:

 

1970século XX: 1971 - 19801981

CENTRO DE SÃO PAULO







SÉCULO XXI

2001 - 2010

2011 - 2020

 

BIBLIOGRAFIA


RESIDENCIAS EM SAO PAULO: 1947 - 1975

Cecilia Rodrigues dos Santos
Marlene Milan Acayaba
Romando Guerra
2011

Este livro apresenta uma monografia fotográfica sobre 43 residências projetadas por arquitetos e construídas em São Paulo durante o período de 1947 a 1975. O estudo de cada casa é formado pelo seguinte material - planta de situação; desenhos técnicos com plantas e cortes; fotos; ficha técnica; e descrição do partido adotado. As casas foram ordenadas nas décadas de 1950, 1960 e 1970, que são precedidas por uma interpretação geral sobre a produção arquitetônica do período... [+]

 


Imagens da hotelaria na cidade de São Paulo: panorama dos estabelecimentos até os anos 1980

Sandra Trabucco Valenzuela
Senac SP
2013

Da hospedagem doméstica à pensão e ao atual hotel, a cidade de São Paulo conheceu diferentes meios de receber seus visitantes, forasteiros nem sempre vistos com bons olhos, no passado. Em 'Imagens da hotelaria na cidade de São Paulo' a evolução dos serviços de hospedagem é estudada por meio de crônicas de viajantes, cartões-postais, reportagens, fotografias, etiquetas de bagagem e anúncios, acompanhados de necessária contextualização, o que permite ao leitor conhecer não apenas o processo de instalação e desenvolvimento dessas atividades, mas também as profundas mudanças que a própria cidade sofreu ao longo de mais de quatrocentos anos...[+]

 


Políticas culturais e negócios urbanos: a instrumentalização da cultura na revalorização do centro de São Paulo (1975-2000)

Beatriz Kara-José
Annablume / Fapesp
2007

A partir do estudo da recuperação do centro de São Paulo, Beatriz Kara-José apresenta a complexidade das estratégias políticas urbano-culturais. Mostra como foi criada uma concepção mercadológica e empresarial de cultura e a analisa sob sua dimensão simbólica - um potente instrumento de controle para evidenciar a quem 'pertence' o espaço transformado. Enfoca ainda duas questões - o que acontece com a dimensão da cultura, como constituinte da esfera pública, ao ser instrumentalizada em projetos urbanos; e a forma de atuação do Estado em áreas ocupadas por população de baixa renda...[+]

 


home      moyarte      não-diário      contato