Website de Mônica Yamagawa

HISTÓRIA DO

CENTRO DE SÃO PAULO

século XIX: 1891 - 1900

atualizado em: 28 de agosto de 2017

 

home > centro de são paulo > 1891 - 1900

1890século XIX: 1891 - 19001901

 

1891:

 

1892:

 

1893:

 

1894:

"duas bolas de couro, uma bomba de ar, dois uniformes e um livrvos de regras de um esporte emergente, o football".

[SÃO PAULO 450 ANOS. Caderno de Fotografia Brasileira. Rio de Janeiro: Instituto Moreira Salles, 2004, p.13.]

 

1895:

 

1897:

 

1898:

 

1899:

 

"a visita de cariocas ao túmulo do líder socialista Polinice Mattei, cenas do trajeto entre a estação norte, no Brás e a rua da Consolação, além do velódromo".

[SÃO PAULO 450 ANOS. Caderno de Fotografia Brasileira. Rio de Janeiro: Instituto Moreira Salles, 2004, p.14.]

  

1900:

 

1890século XIX: 1891 - 19001901

CENTRO DE SÃO PAULO







SÉCULO XXI

2001 - 2010

2011 - 2020

 


Desenhando São Paulo: mapas e literatura, 1877-1954

Maria Lúcia Perrone de Faro Passos, Teresa Emídio
Senac / Imesp
2009

Por vezes a história descansa nas entranhas dos arquivos, públicos ou cativos, e é preciso passos leves, lentos, para que ela se desperte sem perder os sentidos, e não se atrapalhe com as datas e eventos de que está prenhe. É disso que trata essa obra - de mapas que guardam a história que se desdobra lentamente pelas páginas deste livro. E não é qualquer história, mas aquela em que muitos têm vivido, como personagens, diretores, contra- regras, executores, enfim uma massa de construtores de um destino comum, feito a muitas mãos e múltiplas nacionalidades...[+]

 


Gênero e Artefato: o sistema doméstico na perspectiva da cultura material - São Paulo: 1870-1920

Vânia Carneiro de Carvalho
Edusp
2008

Neste livro, Vânia Carneiro de Carvalho supera a inconveniente separação entre cultura material e não material, partindo do pressuposto da existência de uma simbiose entre os objetos e a formação de identidades sociais, de acordo com os gêneros. Desenvolve uma história da cultura e da vida social com a introdução da problemática material, trazendo à tona a dinâmica da vida cotidiana: a relação do humano com espaços e objetos. A autora fala especificamente da organização do espaço e do sistema domésticos, em período marcado por transformações radicais na cidade de São Paulo, e estuda, com ênfase no corpo e na corporalidade, aspectos relacionados ao gênero feminino, como ambientes, trabalho doméstico, os desejos e gratificações simbólicas. Resultado de ampla pesquisa com base em fontes materiais, visuais e textuais, este é um modelo de estudo sobre cultura material que permite o entendimento da cultura de gênero...[+]

 


A CIDADE-EXPOSIÇAO

Heloisa Barbuy
Edusp
2006

O livro analisa o microterritório formado pelas três principais ruas comerciais na passagem do século XIX para o XX - ruas 15 de Novembro, Direita e de São Bento, que compunham o chamado Triângulo - tendo como eixo as casas de comércio da região. Com isso, o livro proporciona a compreensão do desenvolvimento da cidade refletido, por exemplo, na introdução gradual de uma estética cosmopolita tanto na arquitetura dos edifícios quanto na exibição de produtos ou cartazes publicitários. A união entre texto e ilustrações reconstrói o cenário do triângulo central de São Paulo, levando o leitor a conhecer os pormenores das fachadas e dos interiores das edificações da época numa imersão lenta e intensa nos processos por meio dos quais a cidade se reinventa...[+]

 


O TEMPO DAS RUAS NA SAO PAULO DE FINS DO IMPERIO

Fraya Frehse
Edusp
2005

Fruto de uma tese de mestrado em Antropologia realizada junto à USP, 'O tempo das ruas na São Paulo de fins do Império' transporta o leitor a um passeio pela cidade colonial que começava a desaparecer. Partindo da óptica das ruas (cada vez mais populosas com a modernização proporcionada pelo dinheiro do café), a autora descreve os transeuntes, os meios de transporte, as condições de higiene, o comércio, as festas de rua, e a percepção entre as mudanças sociais na cidade. Repleto de fotos da época, o livro também usa como base relatos de textos e charges de jornais, atas municipais e notas de viagem...[+]

 


Café, Ferro e Argila

Fabio Cyrino
Landmark
2004

'Café, Ferro e Argila' desvenda a saga da construção da maior obra de engenharia no Brasil do século 19, a ferrovia San Paulo Railway. Com dezenas de fotos e fac-símiles de documentos históricos inéditos, o livro mostra a história da obra arquitetônica que transformou o estado de São Paulo na 'locomotiva do Brasil' e que teve o mais profundo impacto econômico na vida do País entre fins do século 19 e início do 20. A estrada de ferro, também conhecida como Santos-Jundiaí, foi uma resposta à altura, com a mais alta tecnologia da época, de um sonho acalentado desde o temo do Brasil colonial ­ o de construir uma ligação entre as áreas produtivas do interior paulista e o porto exportador de Santos, no litoral do estado. O livro escrito pelo arquiteto e urbanista Fábio Cyrino se baseia em cinco anos de pesquisas do autor que refuta mitos sobre a obra como o patronato do Visconde de Mauá e sobre a da origem do materia lusado na construção da ferrovia. No livro, Cyrino ainda detalha em minúcias as técnicas construtivas, os materiais utilizados e os estilos de época...[+]

 


São Paulo naquele tempo: 1895 – 1915

Jorge Americano
Carrenho Editorial / Narrativa Um / Carbono 14
2004

Nesta obra, o autor registra suas lembranças de infância e juventude em crônicas que fazem recordar da São Paulo antiga de quem viveu a atmosfera de um dia qualquer entre os anos de 1895 e 1915. Editado pela primeira vez em 1957, mais do que objeto entre memorialistas, 'São Paulo Naquele Tempo' é uma obra para aqueles que querem conhecer as transformações da capital paulista nos últimos anos do século XIX e primeiras décadas do século XX...[+]

 


HISTORIA DOS VELHOS TEATROS DE SAO PAULO

Antonio Barreto do Amaral 
Imesp
2006

A Coleção Paulística trata de diversos aspectos da História do Estado de São Paulo, de sua formação e cultura, de alguns de seus municípios e de algumas de suas personalidades. Publicados em meados do século XX, esses volumes tiveram sua última edição entre as décadas de 1970 e 1980. A reedição revista e atualizada de 5 volumes mostra-se muito oportuna: a coleção está esgotada e os poucos volumes em circulação têm merecido o tratamento de obra rara. Disponibiliza-se, assim, a pesquisadores e estudiosos da história de São Paulo, bem como ao público em geral, importante parte da obra. Os exemplares selecionados, escritos por nomes relevantes da prosa paulista, cobrem desde a saga dos Bandeirantes até a história dos teatros paulistas, destacando-se o importante Dicionário de História de São Paulo...[+]

 

BIBLIOGRAFIA


Salas de Cinema e História Urbana de São Paulo (1895-1930)

José Inácio de Melo Souza
Senac
2016

"Salas de cinema e história urbana de São Paulo (1895-1930) - o cinema dos engenheiros" apresenta um vasto panorama sobre os espaços de exibição cinematográfica na cidade de São Paulo, cobrindo todo o ciclo do cinema silencioso. Por meio da documentação custodiada pelo Arquivo Histórico de São Paulo (AHSP- SMC/PMSP), um dos principais acervos históricos da cidade, o autor reconstitui um momento significativo da história do cinema e da memória urbana paulistana do século XX, marcado pela presença das "salas de rua". Nesta edição, que amplia os estudos de seu livro Imagens do passado - São Paulo e Rio de Janeiro nos primórdios do cinema (Editora Senac São Paulo, 2004), o autor recupera no rico conjunto documental do AHSP projetos de salas especialmente construídas, ou adaptações, para abrigar os cinematógrafos, reproduzindo fachadas, plantas e cortes dessas edificações, além de outros registros de acervos diversos, como anúncios na imprensa, fotografias e cartões- postais. José Inacio de Melo Souza, um dos mais dedicados pesquisadores da história do cinema no Brasil, destaca documentos pouco conhecidos, delineando uma perspectiva renovada sobre esse complexo momento de introdução do cinema em São Paulo e a constituição de um circuito de distribuição e exibição, espaço de socialização privilegiado da modernidade...[+]

 


TIJOLO SOBRE TIJOLO
OS ALEMAES QUE CONSTRUIRAM SAO PAULO

Adriane Acosta Baldin
Prismas
2014

As grandes cidades são resultantes de complexos processos históricos, econômicos, sociais e têm uma sólida base na geografia natural e humana. Uma enorme quantidade de pessoas teve participação ativa em sua formação, deixando sua marca no que foi edificado e na cultura que as caracteriza. Em cada grande cidade a combinação desses elementos é única, dada a grande diversidade de fatores em ação. Entender como se deu a interação entre esses fatores exige a identificação de cada um deles e a avaliação de sua importância, permitindo ao historiador estabelecer a sua interpretação para o nexo que os une. É esse caminho que Adriane Baldin percorreu ao escolher a importante contribuição da imigração alemã de meados do século XIX para a construção da cidade de São Paulo. Caminho percorrido com segurança, repleto de descobertas à medida que as fontes primárias iam sendo pesquisadas, e que permitiu estabelecer com clareza o papel fundamental que os engenheiros e a mão de obra com qualificação técnica de origem alemã exerceram para a constituição da infraestrutura urbana e aprimoramento das técnicas de construção da cidade que, na segunda metade do século XIX, passou por um crescimento vertiginoso. Um aspecto original da pesquisa agora editada é a identificação da presença expressiva de imigrantes alemães entre os profissionais da construção civil no período estudado, das décadas de 1850 e 1860. Consultando arquivos, pesquisando e selecionando imagens e plantas da cidade, a autora traz com este trabalho uma contribuição altamente significativa para o conhecimento da história da cidade de São Paulo e da participação da imigração alemã na sua formação...[+]

 


Vida Cotidiana em São Paulo no Século XIX

Carlos E.M. de Moura
Edusp
2013

Os escritos selecionados para este livro apresentam a cidade de São Paulo no momento de transição entre a pequena vila dedicada à subsistência e a prosperidade decorrente do cultivo do café. São escritos diversos, como memórias, depoimentos, evocações, peças de teatro, que procuram reconstituir os contornos da cidade e de sua província. Os variados depoimentos oferecem um quadro da vida paulista, observada a partir de diversos ângulos e interesses, e deles emerge uma visão abrangente do cotidiano na cidade e no campo, observado por contemporâneos que o vivenciaram. A coletânea conta com textos de Aluísio de Almeida, D. Maria Paes de Barros, o Diário da Princesa Isabel, duas peças de teatro de autores paulistas, acompanhados de comentários de especialistas, e de um levantamento iconográfico de autoria do organizador, composto de desenhos e aquarelas de viajantes que aqui estiveram na primeira metade do século XIX...[+]

 


Domando Águas - Sulibridade e Ocupação do Espaço na Cidade de São Paulo, 1875-1930

Fábio Alexandre Dos Santos
Alameda
2011

'Domando águas' procura iluminar aspectos da história da capital paulistana, entre 1870 e 1930, buscando ultrapassar as luzes feéricas e as tabuletas brilhantes que a cidade apresentava em seu processo de crescimento populacional e concentração de riqueza. Desse modo, o trabalho de Fábio Alexandre dos Santos tem por objetivo operar nesta interface entre a história econômica e a história social, permitindo articular os contextos com as configurações específicas...[+]

 


Ô Da Rua - o Transeunte e o Advento da Modernidade Em São Paulo

Fraya Frehse
Edusp
2011

A autora, com base em fotografias, relatos memorialísticos e de viagem; diários e cartas; crônicas e notícias de jornal, fez da rua do centro histórico de São Paulo um posto de observação privilegiado para investigar o urbano que emerge na cidade entre o início do século XIX e do XX. Rastreou imagens da rua criadas por viajantes, (ex-)estudantes da Academia de Direito, ex-meninas de elite, jornalistas e fotógrafos contemporâneos em busca de indícios de transformações nas regras de comportamento corporal e de interação social nessas ruas entre 1808 e 1917, revela uma sociedade em que os pedestres tendem cada vez mais a circular como transeuntes, mas também a interagir mobilizando, ao lado da impessoalidade moderna, a pessoalidade antiga e estamental. O que faz da rua paulistana um espaço eminentemente cerimonial engolfado pela modernidade...[+]

 


A evolução industrial de São Paulo
1889-1930

Edgard Carone
Senac
2011

Nas quatro décadas iniciadas com a República e finalizadas com o movimento que entregou o poder a Getúlio Vargas, São Paulo experimentou um surto de desenvolvimento cujos efeitos ainda hoje se manifestam, traduzidos na situação de liderança que o estado ocupa. A saga da evolução industrial, que é a base desse progresso, é contada neste livro por Edgard Carone, mestre da historiografia, numa obra ilustrada com fotos..[+]

 


História da Saúde em São Paulo
Instituições e Patrimônio Arquitetônico
(1808 - 1958)

Maria Lúcia Mott
Gisele Sanglard
Manole
2012

A obra busca resgatar a trajetória e a inserção social de instituições como os hospitais que desempenharam múltiplas funções, como formação e treinamento de profissionais da saúde e modos variados de assistência à população. A partir de análises históricas e arquitetônicas e de um inventário de instituições, o livro procura contribuir tanto para a história da saúde pública em São Paulo quanto para a implementação de políticas efetivas de preservação desses espaços...[+]

 


LIBERTAS ENTRE SOBRADOS
MULHERES NEGRAS E TRABALHO DOMESTICO EM SAO PAULO (1880-1920)

Lorena F. da Silva Teles
Alameda
2014

Lidando com contratos de trabalho e com a crônica policial, a historiadora faz vir à tona vários aspectos relevantes do cotidiano popular de São Paulo daquele fim de século XIX e começo do século XX. Conforme os registros policiais, a extrema miséria nas mulheres sempre se confundiu com vagabundagem e prostituição. Isso agravado pelo preconceito de cor. O processo de retificação faz da doméstica um corpo a ser explorado, alienado. As investidas dos patrões não são seguidas, a não ser aleatoriamente, por garantias jurídicas que instituam uma igualdade entre manceba e esposa, ou entre os filhos naturais e os legais. Dessa maneira, o livro que agora é publicado é rico de observação nesse sentido. Casos exemplares levantados pela pesquisadora são numerosos, atestando a rara capacidade de observação da pesquisadora. Fica para o leitor a percepção de um trabalho intelectual intenso que conserva sensível homologia com o trabalho manual exaustivo das mulheres que evocou. Dessa forma, a interação da história social com as trajetórias individuais marca esse trabalho....[+]

 


O palacete paulistano

Maria Cecília Naclerio Homem
Martins Fontes
2010

O palacete, nome que designou durante muito tempo a casa mais abastada da cidade de São Paulo, correspondendo ao termo 'mansão', serviu primeiramente de residência da elite do café que viveu na chamada belle époque paulista, na virada do século. Esse tipo de casa nasceu nos caminhos da velha Estação da Luz, para chegar à Avenida Paulista, onde se formou seu conjunto mais expressivo. Este livro apresenta a origem deste espaço e sua história...[+]

 

home      moyarte      não-diário      contato